29.9.18

Um livro pra cada letra: LGBTQ



Oi gente que ama livros, hoje venho indicar livros com muita representatividade, usando a sigla LGBTQ para trazer livros com universos diferenciados dentro do movimento.

Vamos conferir?

L – Livro com personagem lésbica:
Os Dois Mundos de Astrid Jones (A. S. King) – Este livro nos traz a Astrid, uma adolescente do ensino médio que se apaixona por uma colega de trabalho. Essa empolgação é totalmente recíproca, porque a outra garota também gosta dela e assim elas começam um namoro às escondidas. É escondido porque Astrid não se sente pronta o suficiente para assumir sua real natureza para a família e amigos próximos. Em função disso, ela vive o conflito de viver em dois mundos: o que ela compartilha com a família e a escola, de boa menina exemplar, que evita ao máximo o confronto com a mãe tradicional e o pai fraco e o seu outro mundo, com a menina com quem está se descobrindo e se entendendo como pessoa. Além de ser uma história com representatividade e que pode fazer com que milhares de meninas iguais a Astrid se identifiquem, o livro é muito sensível e original. Temos o amadurecimento não apenas da personagem, mas das relações que ela desenvolve ao seu redor, dando-lhe segurança para se mostrar como é ou dando-lhe prudência para esperar o momento ideal. É um livro muito bom, com uma protagonista que nos faz desejar ser sua amiga e poder ajudá-la em tudo o que ela precisar.
Resenha AQUI

G – Livro com personagem gay:
Quinze Dias (Vitor Martins): Felizmente já temos muitos livros com personagens gays pelas estantes da vida e fico orgulhosa em saber que é um melhor que o outro, mas o meu queridinho do momento e que vale a indicação é o fofo Quinze Dias. O livro traz o Felipe, um adolescente que se conhece o suficiente para saber que gosta de meninos, mas mesmo tendo o apoio da mãe, se sente inseguro diante do mundo. Até que o seu crush do passado, Caio, terá que passar quinze dias na sua casa porque seus pais precisam fazer uma viagem e embora o Felipe já não tenha intimidade com o hóspede, vai encontrar neste período a oportunidade de esquecer alguns de seus medos e viver o seu primeiro amor. A história parece ser bem simples e até um pouco infantil, mas o Felipe é um personagem que nos ganha nos primeiros parágrafos e a maneira com o autor desenvolveu o romance dentro da narrativa é muito peculiar. O envolvimento deles não será o foco central do livro, mas sim, a superação que Felipe alcançará em suas inseguranças. O livro é leve e gostoso de ler, mas, ao mesmo tempo, é denso e reflexivo e isso o torna uma indicação maravilhosa para este post.
Resenha AQUI

B – Livro com personagem bissexual:
Os Homens que Não amavam as Mulheres (Stieg Larsson). Aqui temos uma das melhores personagens da literatura de todos os tempos: Lisbeth Salander. O enredo do livro se desenvolve em um jornalista condenado por calúnia que é contratado por um bilionário para encontrar a sobrinha desaparecida há mais de 40 anos. Mikael então se une a Lisbeth que é dona de uma inteligência absurda e uma profissional sem precedentes quando se fala em invasão de computadores. Com muitos aspectos diferenciados em sua personalidade, encontramos uma mulher que gosta tanto de homens como de mulheres e isso é desenvolvido dentro do texto de forma natural e com seriedade, pois o que para muitos pode ser indecisão ou leviandade, para Lisbeth é apenas prazer por prazer. Não que ela não vá se apaixonar e desejar algo para a vida toda, mas sem dúvida a sua característica bissexual é bem incisiva no enredo, assim como todos os seus outros atributos. Digo que apenas pela Lisbeth e por sua inteligência, o livro merece ser lido. Além disso, a história é muito intensa, com investigações e com um apelo sobre a violência com as mulheres. É o primeiro volume da trilogia Millenium e eu garanto que todos os livros são muito bons.


T – Livro com personagem trans
Singular (Thati Machado). A autora deste livro é uma referência fortíssima dentro da literatura nacional contemporânea com livros que tenham representatividade em seus enredos. Podemos encontrar em seus títulos várias esferas de comportamento que durante anos não foram exploradas dentro da literatura e um de seus livros traz um protagonista trans.
Sinopse: Noah sempre quis ser um garoto. Exatamente desse jeito. Com ponto final depois do substantivo masculino. Bom, ao menos era assim que as outras pessoas viam a situação. Para Noah, ele era um garoto. Novamente: ponto final. Durante toda uma vida Noah se sentiu deslocado, diferente, estranho. Era como se ele fosse um pacote que precisava vir acompanhado de cuidados e explicações. O que ele não sabia – mas estava prestes a descobrir – é que era único. Era singular. Como muitos garotos – com ponto final – Noah também esperava encontrar alguém com quem dividir absolutamente tudo. E enquanto isso não acontecia, ele achou que seria uma excelente ideia curtir o carnaval na cidade maravilhosa. Ele só não esperava que a terra de clima quente e pessoas calorosas pudesse lhe oferecer muito mais.

Q – Livro com personagem Queer[1]
Menino de Ouro (Abigail Tarttelin). Aqui temos um menino que é um exemplo para toda a comunidade. Bom filho, excelente irmão e aluno exemplar. Além de ter um comportamento nota 10, ele também é muito bonito e várias garotas da escola suspiram por ele, mas o que ninguém sabe é que o Max nasceu com os dois sexos e é uma pessoa interssexual. Este é um livro que pode assustar o leitor já nas primeiras páginas porque tem uma cena de violência sexual fortíssima  que ocupa algumas páginas, mas se você puder passar por isso e seguir com a leitura, encontrará um personagem forte mesmo em meio à confusão de sua vida e uma família cheia de amor que as vezes toma decisões equivocadas para protegê-lo. Eu li este livro em 2013, quando foi lançado no Brasil e nunca mais esqueci a sua história porque além de ter sido bem escrita e com uma dose de drama eficiente em arrancar lágrimas de mim, o livro também traz um conflito que muitas pessoas acham que não existe. É uma história forte e sensível, que merece ser lida e divulgada.
Resenha AQUI

Essas foram as minhas escolhas para responder este post e gostaria de saber de vocês quais seus livros favoritos abordando estes temas. Deixem nos comentários porque vou adorar conferir.

Beijos



[1]     Queer que vem do inglês e no português significa excêntrico, é uma palavra usada para designar pessoas que não seguem o modelo de heterossexualidade ou binaridade de gênero.

7 comentários:

  1. Oi tudo bem? Bem legal o seu post e tem tudo a ver com as comemorações dessa semana, não conhecia os livros mencionados mas achei bem interessantes, especialmente o Menino de outro.
    bjos
    Pah
    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  2. Oii, tudo bem? Eu amei o seu post, achei bem diferente e super explicativo, além de reunir livros tão maravilhosos!!! Já anotei algumas dicas e espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  3. Eu li Menino de ouro e foi um dos livros mais fortes que já li em toda a minha vida, absurdamente doloroso e necessário, meu coraçãozinho ficou apertado o tempo todo. Já em Os dois mundos de Astrid Jones tudo foi bem mais tranquilo, ambas são leituras que valem a pena

    ResponderExcluir
  4. Olá Ivi,
    que post lindo. Eu tenho procurado ler mais obras representativas, a alguns anos eu não estaria dando tanta atenção a esse detalhe - importantíssimo, diga-se de passagem -, mas hoje em dia está muito mais fácil entender os prós de obras como estas. Dentre todos, li apenas "Quinze dias", e posso falar? Também é meu xodózinho. Fiquei muito interessada em realizar as demais leituras, em especial "Menino de ouro".

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Olá, amei seu post! Dos livros que citou eu só li por enquanto o Os Homens que Não amavam as Mulheres, mas todos os outros estão nos meus desejados, especialmente o Menino de Ouro, livro que quero muito ler.

    ResponderExcluir
  6. Amei essa tag, me deu a oportunidade de conhecer vários livros que eu ainda não sabia entender algum conceitos da sigla que não entendi bem, de todos os livros o que mais me chamou atenção foi Livro com personagem trans, a historia me deixou curiosa.

    www.coisasdemineira.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem?

    A sua tag ficou bem legal e criativa, mas confesso que não tenho o hábito de ler livros com temas LGBTQ, não é algo que desperta muita a minha atenção, os gêneros que costumo ler tbm não tem muitos personagens homossexuais, transsexuais..que são ficção histórica e científica. Nada contra, só não é algo habitual de ver nesses gêneros ou livros que leio.
    Abraço!

    ResponderExcluir