11.5.20

Séries do Meu Coração #35 Fleabag


Oi gente que ama livros, hoje venho com mais um post da coluna Séries do Meu Coração e compartilharei com vocês meu amor por mais uma série apaixonante.

A série do mês é Fleabag.

Assistindo as premiações da TV americana em 2019, descobri que Fleabag ganhou praticamente todos os prêmios e claro que isso despertou a minha curiosidade, mas não estava disponível na Netflix e eu não estava a fim de ter trabalho ou pagar por outro streaming, já que a série está no catálogo da Amazon Prime Vídeo. Acontece que no início de 2020, a série foi novamente aclamada na temporada de premiações e desta vez com a notícia que a produção já estava concluída com duas temporadas. Em tempos de Grey’s Anatomy e Sobrenatural com 59 temporadas, uma série popular, premiada, rentável e de humor ter apenas duas temporadas me fez decidir que estava na hora de assistir essa produção. E digo que não foi amor à primeira vista, eu assisti dois episódios e achei tudo muito estranho e forçado, foi apenas no terceiro episódio que eu entendi o que a série prometia e aí fui conquistada de forma irremediável. 

Poucas séries conseguem ser perfeitas. Talvez nenhuma, mas Fleabag se aproxima muito dessa marca. Escrita, produzida e dirigida por Phoebe Waller-Bridge, a comédia britânica é uma das coisas mais impressionantes em termos narrativos já vistos nos últimos anos na televisão. Não é para menos que o nome da roteirista e atriz está crescendo cada vez mais no meio cultural. Além de Fleabag, a inglesa de 33 anos é a roteirista do próximo 007, inclusive a pedido de Daniel Craig, o ator principal da franquia e já tem uma outra série engatilhada, agora para a HBO, chamada Run. Também podemos vê-la na Netflix com a série de sua criação Crashing, que ainda não assisti.


Mas voltemos a Fleabag. Criada a partir de um monólogo feito para o teatro, a série conta a história de uma mulher lidando com situações quase universais sob o ponto de vista feminino: problemas de relacionamento, frustração sexual e profissional e conflitos familiares. Ela vive em Londres, administra um café quase falido e sozinha tenta superar a dor do luto após sua melhor amiga, e sócia no café, cometer suicídio. No meio de tudo isso, vemos Phoebe se relacionar com a tensa irmã Claire, uma executiva de sucesso, seu nojento cunhado Martin, seu pai e sua madrasta megera.

Essa é a sinopse de uma série com apenas duas temporadas de seis episódios cada. Mas é difícil falar sobre os motivos de Fleabag ser tão boa, porque parte da qualidade da série é saber falar com o público de maneira ímpar. De fato, fala com quem a assiste. De forma brilhante, a protagonista quebra a quarta parede – termo que vem do teatro para explicar a parede imaginária que separa os atores do público e se comunica conosco de uma forma absolutamente intimista. Esse recurso, claro, não é nenhuma novidade em filmes e séries, mas a forma como a personagem faz parece diferente de qualquer coisa que nós já assistimos na TV.


Solitária, deprimida e utilizando o sexo para enfrentar os diversos traumas de sua vida, aparentemente a personagem não tem amigos dentro da série, mas tem o público. Portanto, nós conversamos com a protagonista em todos os momentos, sempre de forma orgânica, sem nunca parecer bizarro. Em todos os momentos, ela parece antevir o que nós estamos pensando e brinca, flertando com a câmera e olhando para nós a fim de compartilhar uma agonia, um sentimento ou um segredo que somente nós e ela sabemos. Com isso, nós gargalhamos, nos preocupamos e choramos com seus comportamentos, ao menos aqueles que ela nos deixa ver.

Assim como diversas pessoas na vida real, Fleabag é uma mulher encantadora e engraçada, que parece fazer todo mundo rir e ilumina os lugares por onde passa. Aos poucos, quando já criamos uma confiança mútua, percebemos que, no fundo, ela carrega dores e segredos que a fazem repetir comportamentos destrutivos, ao mesmo tempo em que afasta todo mundo que queira ajudá-la.


A atriz consegue capturar momentos do cotidiano que nós só percebemos quando vemos dramatizados na tela. Por isso, expressões faciais, modos de falar e constrangimentos universais são postos na tela quase como um espelho para o público. O primeiro episódio da segunda temporada traz um jantar em família tão desastroso, e ao mesmo tempo tão identificável, que fica difícil não nos colocarmos sentados naquela mesa. Os atores estão tão alinhados com o ritmo dos diálogos e com seus personagens que as cenas mais parecem uma dança ou uma peça de teatro, em que os atores sabem exatamente o que fazer em cada segundo. É tudo tão rápido que fica difícil acompanhar cada detalhe da cena, mas tudo ali é pensado, orquestrado e funcional.

Fleabag aborda questionamentos muitos difíceis, tanto para a personagem quanto para o público, tudo embalado numa aparente série leve, que de leve não tem nada. Não é raro a protagonista tentar se livrar do nosso próprio olhar, fugindo ou mudando de posição em cena para que não a julguemos. Ao mesmo tempo, ela nos olha sempre com um olhar cúmplice, quase dizendo: “Eu sei o que você está pensando”, o que nos tira da zona de conforto de público passivo, incomoda e nos faz repensar.


Por tudo isso, Fleabag é uma obra completa, sem nenhuma sobra, falha ou exageros. É tão genial que, quando termina, parece que perdemos um amigo próximo. É uma série da qual eu nem sabia que precisava tanto. Eu me identifiquei, desejei ser amiga da personagem e tenho certeza que se você ainda não assistiu, terá o mesmo desejo.

Assistam!!!

Trailer 

7 comentários:

  1. Oii!

    Eu tenho a Amazon há tempos e só agora comecei a consumir o prime. confesso que bem mais que a netflix... Eu queria mesmo indicações em relação à essa série pois estou assistindo Will & Grace e já estou acabando. Gostei de conhecer mais do enredo e pela forma que disse faz muito sentido o sucesso.
    Já deixei anotado e espero gostar assim como você.

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Não conhecia essa série ainda, mas pelo o que tu disse parece ser muito boa mesmo, ein? Gostei de saber que a personagem é "real" e que faz a gente se sentir próximo dela. Ótima dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Olá, como vão as coisas?

    Eu sempre achei esse poster da série bem interessante e, por si só, ele já despertava a minha vontade de assistir à série, porém, acabei nunca fazendo-o. Sinto falta de assistir algo desse tipo, inclusive, pois antes eu costumava assistir bem mais. Adorei o seu post e, com certeza, irei assistir :)

    Abraços!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
  4. Adorei a dica dessa série.
    Estou sempre procurando séries menores, porque tô sem condições de acompanhar 10 temporadas de uma mesma coisa! Rs...
    O tema me pareceu ótimo!
    Vou procurar!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia essa série, mas achei bacana sua proposta e irei dar uma olhada nela nesse final de semana. Caso consiga assistir o episódio piloto e gostar, irei começar a acompanhá-la.

    ResponderExcluir
  6. Como assim essa série está concluída? Não teremos nova temporada? Eu assisti e simplesmente amei! Tem tudo para uma boa continuação! Ai, que triste... Ultimamente séries que têm 30 episódios com mais de 3 temporadas já me cansam...
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Faz pouco s dias que assinei a Amazon Prime, conferi alguns de seus títulos, mas ainda não tinha visto esse, fico muito feliz por ter gostado e assim adorei sua dica. Obrigado pela suas considerações e parabéns pela resenha, bjs!

    ResponderExcluir