11.3.20

Manda na minha Estante #07 Julia Quinn


Oi gente que ama livros, hoje é dia da coluna Manda na Minha Estante, que consiste em compartilhar o meu amor por alguns autores com vocês. A autora do mês é a maravilhosa Julia Quinn. Ela começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 10 milhões de exemplares vendidos, sendo mais de 3,5 milhões da série Os Bridgertons, publicada pela Arqueiro. Seus romances já foram traduzidos para 29 países.

Qual o primeiro dela que você leu? Foi o lindo O Duque e Eu. O livro nos traz o Simon, filho de um duque que estava desesperado por um herdeiro. A esposa já havia engravidado algumas vezes, mas nenhuma gestação chegou ao fim, até que Simon nasce e infelizmente, a mãe falece no parto. Mesmo desejado pelo pai, Simon teve uma relação muito tensa e triste com ele, porque não era exatamente perfeito. Decidido a não realizar as aspirações do pai, Simon decide que nunca se casará e formará uma família e assim, o ducado da família se encerrará nele. Isso muda até ele conhecer a Daphne, irmã mais nova de um de seus amigos de faculdade, Anthony Bridgerton. Eles não se apaixonam imediatamente, mas juntos, estabelecem uma aliança que se resume em Simon fazer a corte para ela, e assim, atrair outros jovens que possam se interessar pela jovem donzela e ela, vista na companhia dele, afugentará as mães que querem casar suas filhas com ele. O plano é ótimo, mas como você já deve ter percebido, não funcionará totalmente, porque um se interessará pelo outro.
Resenha AQUI

Qual o último livro dela que você leu? Foi História de Um Grande Amor. O livro nos traz Miranda Cheever que não se achava muito bonita quando criança e sempre era hostilizada por outras garotas por não ter os olhos lindos ou os cabelos loiros que todos consideravam fundamentais para a beleza feminina. Um dia, na casa de sua melhor amiga Olivia, ela se entristece com o comentário de outra garota e o irmão mais velho de Olivia, Nigel, consola a menina de 10 anos enquanto a leva para casa. Nesta caminhada, ele a estimula a escrever um diário e sempre desabafar com o papel quando não tiver ninguém por perto para acolhê-la, ela aceita a sugestão e a primeira coisa que escreve neste diário é o fato que se apaixonou por Nigel.
Resenha AQUI

Um livro dele que não pode deixar de ler esse ano? Sem dúvida são os livros da nova série que está sendo lançada no Brasil, Trilogia Bevelstoke. O próximo lançamento é O Que Acontece em Londres.
Sinopse: Quando Olivia Bevelstoke ouve o boato de que Harry Valentine, seu novo vizinho, matou a própria noiva, não acredita nisso nem por um segundo. Ainda assim, só por via das dúvidas, decide espioná-lo. Arruma um lugar perto da janela do quarto, se esconde atrás da cortina e passa a observá-lo. Logo descobre um homem muito intrigante, que definitivamente está tramando algo. Sir Harry Valentine trabalha para o gabinete mais sem graça do Departamento de Guerra inglês, traduzindo documentos vitais para a segurança nacional. Apesar de não atuar como espião, passou por todo o treinamento para ser um. Por isso, percebe imediatamente que sua linda vizinha está seguindo seus passos pela janela. Assim que chega à conclusão de que ela é apenas uma debutante bisbilhoteira, Harry descobre que a jovem está sendo cortejada por um príncipe estrangeiro suspeito de conspirar contra a Inglaterra. Agora ele precisa espioná-la oficialmente e logo fica claro que a maior risco que Olivia representa é fazê-lo se apaixonar...

Hora do hype: um livro superestimado dela: Sem dúvida foi Mais Lindo Que a Lua. O livro nos traz a Victoria Lyndon, filha do novo vigário e Robert Kemble, o charmoso conde de Macclesfield. Eles se encontraram uma vez e se apaixonaram perdidamente. Tiveram outros encontros e aquela paixão inicial se confirmou em algo muito forte entre eles, porém, era praticamente um amor proibido porque ele era da nobreza e teve a sua herança ameaçada quando o pai soube de suas intenções em se casar com uma plebeia. O pai de Victoria não agiu diferente e foi ainda mais radical quando soube do envolvimento: a amarrou – literalmente – em casa para que ela não fugisse com ele. A partir disso, um grande mal-entendido foi criado e Robert partiu da cidade achando que Victoria só se interessava por sua herança e Victoria achou que ele só queria se aproveitar dela e deixou o vilarejo em que morava ainda mais ressentida com o pai. O livro traz um protagonista extremamente machista e é o único livro da autora que eu não indico a leitura.
Resenha AQUI

Os queridinhos: qual seu top 3 dela?
    • Um Perfeito Cavalheiro
    • Uma Noite Como Essa
    • O Duque e Eu
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sem fôlego: um livro dela que te surpreendeu? Foi Uma Noite Como Essa. O livro nos traz Daniel, irmão de uma das componentes de um quarteto musical pouco talentoso e apesar de Daniel ser um conde, não escapou do vexame social e da ameaça de morte que seguiu após ter baleado o seu até então amigo, Hugh Prentice, em um duelo. Depois de ter vivido três anos fora do país com medo de ser assassinado pela família de Hugh, ele recebe uma carta garantido que nada de mal lhe aconteceria se voltasse para Londres. Acreditando no homem que um dia chamou de amigo, retorna para casa especialmente no dia do tradicional concerto musical da família. Para sua surpresa, quando olha para o palco encontra uma dama que definitivamente não é sua prima. Curioso com a sua presença no evento, ele promete para si mesmo que vai descobrir quem é aquela mulher tão bela. Anne Wynter, governanta da tia de Daniel, além de estar ao piano, possui mais segredos e mais motivos para temer do que gostaria. Quando vê Daniel a espiando por trás da cortina, seu coração se sobressalta e teme por sua vida. Depois de tanto tempo se escondendo e tentando não chamar atenção indevida, parecia que o momento da vingança de um homem de seu passado havia finalmente chegado. Desesperada para sair dali, tenta sair discretamente da casa, mas é impedida pelo homem que estava observando-a e que lhe rouba um beijo. Sendo abandonada no minuto seguinte, ela escuta os sons de uma briga logo depois e fica esperando o momento ideal para escapar. Depois do silêncio chegar, Anne sai, encontra aquele homem caído no chão e sem conseguir deixá-lo ali sem cuidados, vai até ele e se surpreende ao descobrir de que ele era ninguém menos que Daniel Smyth-Smith, o primo de suas pupilas. Consciente de que o seu envolvimento com ele é extremamente inapropriado, ela decide colocar um ponto final naquilo tudo, mas o conde parece não estar disposto em abrir mão dela com facilidade.
Resenha AQUI

Não, não acaba: qual livro dele você queria uma continuação? Curiosamente nenhum. Como os livros da autora fazem parte de séries, vemos os protagonistas de um livro visitar a trama em outro livro e isso sempre me dá uma sensação de continuidade.

Qual seu personagem favorito dele? São vários, mas vou ficar com a Sophie de Um Perfeito Cavalheiro em função do quanto essa história é especial. Ela é filha do Conde de Penwood, fruto de uma aventura, uma vez que o conde não era casado na época e sua mãe não era uma nobre. Como a mãe falecera no parto, entregaram Sophie na casa do conde e ela cresceu sem ser reconhecida como filha, mas tendo acesso ao conforto e a educação que um nobre poderia proporcionar. Quando Sophie tinha 7 ou 8 anos, o conde se casou com Araminta, que era viúva e tinha duas filhas, Rosamund e Posy. Todos foram morar juntos e Sophie passou a ter as aulas e o preparo que uma dama deve ter, mas sempre soube que era uma bastarda, pois as enteadas do conde tinham mais atenção dele do que ela. Infelizmente, o conde faleceu e como Sophie não tinha para onde ir, foi relegada a ser uma criada da casa, sendo explorada de forma humilhante por Araminta e Rosamund. Essa introdução está fazendo você se lembrar da história da Cinderela? Pois sua memória está ótima, porque até determinada parte do livro, é esta a história que realmente vemos. Ainda nas primeiras páginas do livro, acontece o tradicional Baile de Máscaras dos Bridgertons, um evento da alta sociedade londrina, e Sophie passa dias e noites arrumando tudo para que as filhas de Araminta estejam maravilhosas para o baile. Quando todas partem para a grande noite, os demais criados da casa, que amavam muito Sophie, lhe reservam uma surpresa: ela também participará daquela festa. Eles a arrumam com um elegante vestido prateado e providenciam uma máscara maravilhosa e quando ela entra no salão de baile, ninguém sabe que aquela moça linda é apenas uma criada bastarda. Sophie então é tirada para dançar por Benedict Bridgerton, o segundo irmão da grande família e ambos se encantam um pelo outro, passando alguns momentos do baile juntos, porém, quando chega o momento de tirarem as máscaras, Sophie abandona o salão sem dizer quem é e vai embora. Entretanto, a aventura lhe causa um grande problema: a madrasta descobre que ela foi ao baile e a expulsa de casa, Sophie decide ir ao campo e procurar emprego de arrumadeira por lá. Assim se passam dois anos até que ela e Benedict se encontrem novamente, em uma situação de violência em que ele tem que intervir para que ela não seja estuprada. A partir disso, a história ganha vida própria e um lindo e emocionante romance se desenvolve.
Resenha AQUI

Qual a capa mais bonita de um dela publicado no Brasil? Para mim, a capa mais bonita é a do livro Mais Forte Que o Sol, que por sinal, é um livro maravilhoso também. O livro nos traz a Ellie Lyndon, irmã mais nova de Victoria Lyndon, protagonista do livro Mais Lindo que a Lua e o libertino Charles Wycombe, conde de Billington. Ellie é gentil, dedicada, inteligente, determinada e à frente do seu tempo. Não deseja perder sua liberdade e adora ler sobre investimentos e economia, o que difere muito das mulheres da época. Já Charles é um homem galanteador e charmoso, doce e de bom coração. Ellie vive há anos somente com o pai, vigário do vilarejo em que vivem. O livro começa com o vigário decidindo se casar outra vez e sua futura esposa provavelmente fará a vida de Ellie um inferno, por isso ela precisa mais do que nunca sair de casa. É então que Charles Wycombe aparece em sua vida, ou melhor, que Charles Wycombe cai aos seus pés. Literalmente!
Resenha AQUI

Enfim, pude esmiuçar um pouquinho da obra maravilhosa desta autora. Se você nunca leu nada dela, comece agora porque sem dúvida, é uma autora que merece a atenção e o amor de todos os leitores.

Beijos

4 comentários:

  1. Fico muito feliz quando vejo alguém falar da Júlia Quinn! É uma das minhas autoras preferidas!!!

    Ao contrário de você, eu amo Mais Lindo que a Lua, que é um dos meus favoritos da autora (em pé de igualmente com Um Perfeito Cavalheiro, na minha lista de mais amados). A série Os Bridgertons eu já li toda e do quarteto das musicistas eu preciso ler os dois últimos. Também já li dois livros da série que revisita os Bridgertons (a geração da Violet), mas essa nova série, que está sendo lançada agora no Brasil, ainda não.

    ResponderExcluir
  2. Olá!!!
    Tá bom é uma vergonha para mim como leitora ainda não ter lido nada da autora, mas não sei se foi por conta do hype nela ser tanto que me distanciei por medo de não gostar.
    Mas esse ano eu mudo isso, porque tenho a ideia de ler "Os Bridgertons".

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Mais lindo que a lua parece que é unanimidade no quesito não gostar tanto assim, né? Fico até curiosa pra tentar entender o que realmente aconteceu e tirar minhas próprias conclusões. A Julia é uma máquina de escrever e nao para nunca, doido demais.

    ResponderExcluir
  4. Oie, tudo bem? Sempre ouço falar muito dessa autora, mas nunca me animei a ler os seus livros. Eu adoro ambientações de época, mas não gosto de romances. E eu acho os plots todos muito parecidos, tanto os escritos por ela quanto outros, por isso acabo fugindo desse gênero. Mas se a leitura te deixa feliz, isso é ótimo.

    ;)
    Profissão: Leitora
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir