Na Minha Pele (Lázaro Ramos)

terça-feira, 7 de dezembro de 2021

Ficha Técnica:
Nome Original: Na Minha Pele 
Autor: Lázaro Ramos 
País de Origem: Brasil
Número de Páginas: 152
Ano de Lançamento: 2017
ISBN-13: 9788547000417
Editora: Objetiva

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 90º livro lido em 2021 e foi Na Minha Pele (Lázaro Ramos). Esta foi a minha terceira escolha para a TBR especial de novembro e partiu do ponto do fato de eu adorar o autor, um ator muito popular no Brasil.

O livro inicia-se com o prefácio intitulado “A Saga do Camarão”, no qual o escritor, mesclando humor e seriedade por meio da metáfora do desaparecimento real do artrópode, nos conta como nasceu a proposta da narrativa. Vale ressaltar o conflito inicial em relação à escrita da obra, em que Lázaro admite o receio de problematizar a questão racial. 

Obviamente, ele tem um lugar de privilégio econômico e cultural, mas, na condição de escritor negro, por onde quer que seu texto ecoe, não deixará de ser marcado enquanto voz de uma categoria étnica historicamente subalternizada. Lázaro reconhece modestamente que é iniciante na escrita narrativa e afirma não ser estudioso das relações raciais. Percebemos nesta breve introdução aspectos que estarão presentes em todo o livro como “fluxo de informações, sentimentos e reflexões”. Outra característica presente na obra que a torna tanto prazerosa quanto curiosa, são as inúmeras referências literárias, históricas, sociológicas, musicais e cinematográficas. Para os que as desconhecem, o livro é um convite a novas descobertas e para os que as têm na memória, a leitura torna-se um presente.

Cabe ressaltar, a delicadeza do autor em rememorar algumas personalidades negras em sua narrativa: o poeta Luiz Gama; as escritoras Ana Maria Gonçalves e Conceição Evaristo; a jornalista Glória Maria; o cineasta e primeiro protagonista negro da televisão brasileira, Zózimo Bulbul; o geógrafo Milton Santos; o cineasta Joel Zito Araújo; o historiador Jaime Santana Sodré, o escritor e estudioso Nei Lopes; o professor Carlos Augusto de Miranda Martins, dentre outros ilustres nomes. Estes não estão gratuitamente em sua escrita, há observações e ressonâncias de suas ricas vozes, a maioria delas originária das entrevistas realizadas no Programa Espelho, do qual Lázaro é apresentador.

O livro constitui uma linguagem despojada que se divide em onze capítulos, que podem ser lidos fora da sequência, pois todos se complementam e retornam ao raciocínio anterior. 

O livro ressalta a importância do sujeito branco compreender a si mesmo enquanto entidade sociológica. A compreensão da teoria da branquitude seria um avanço para a sociedade brasileira, pois implica na conscientização e reconhecimento sobre os privilégios de ser branco e também na importância de que todos assumam o lugar que ocupam socialmente. Isso quer dizer que a questão do racismo não é uma problematização relativa apenas aos negros, mas de todos.

Ao final da narrativa, retornamos às referências. Lázaro Ramos atua na linha a que alguns teóricos têm chamado “Letramento Racial” – educar por meio das relações raciais, utilizando livros, artigos, filmes, materiais, sites ou qualquer outro meio, com o intuito de propor conscientizações reais por uma educação antirracista. Obviamente há lacunas em sua narrativa, há os nãos ditos, entretanto, isso não é escandaloso, o escritor no início da narrativa procura precaver o leitor de seu pouco trato com assunto, reconhece que está engatinhado neste trajeto de descobrir-se e o mais instigante: afirma que tem muito o que aprender.

Eu adorei!!!


Um pouco sobre o autor:
Luís Lázaro Sacramento Ramos é um ator, apresentador, cineasta e escritor de literatura infantil brasileiro. O ator foi indicado ao Emmy de melhor ator por sua interpretação na novela Cobras & Lagartos, como Foguinho.

Seus livros publicados são:
  • Caderno sem Rimas da Maria
  • Na Minha Pele
  • Caderno de Rimas do João
  • A Velha Sentada
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ivi Campos

45 anos. De todas as coisas que ela é, ser a mãe do André é a que mais a faz feliz. Funcionária Pública e Escritora. Apaixonada por música latina e obcecada por Ricky Martin, Tommy Torres, Pablo Alboran e Maluma! Bookaholic sem esperanças de cura, blogueira por opção e gremista porque nasceu para ser IMORTAL! Alguém que procura concretizar nas palavras o abstrato do coração.




.

Colunistas

sq-sample3
Kesy
sq-sample3
Kelly
sq-sample3
Laís

Facebook

Instagram

Resenhas

Filmes

Meus Livros

Músicas

Youtube


Arquivos

Twitter

Filmes

Mais lidos

Link-me

Meu amor pelos livros
Todas as postagens e fotos são feitas para uso do Meu amor por livros. Quando for postado alguma informação ou foto que não é de autoria do blog, será sinalizado com os devidos créditos. Não faça nenhuma cópia, porque isso é crime federal.
Tecnologia do Blogger.