O Irlandês (Charles Brandt)

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Ficha Técnica:
Nome Original: I Heard You Paint Houses: Frank the Irishman Sheeran & Closing the Case on Jimmy Hoffa
Autor: Charles Brandt
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Drago
Número de Páginas: 312
Ano de Lançamento: 2021
ISBN13: 9781586420895
Editora: Seomen

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 67º livro lido em 2021 e foi O Irlandês (Charles Brandt). Ganhei esse livro no meu aniversário e estava curiosa para saber a história original do filme que recebeu dez indicações para o Oscar.

O livro narra a trajetória do membro da máfia e sindicalismo americano, Frank Sheeran, O Irlandês. Há uma convergência muito grande entre livro e filme, de modo que é possível dizer que a adaptação capta a essência da narrativa de Brandt, como a escrita de Brandt já carregada pela ação visual e detalhista como no filme. No livro, a confissão de Sheeran e elucidação de um dos maiores mistérios norte-americanos, o desaparecimento de Jimmy Hoffa, sindicalista mafioso dos anos 50, 60, e 70 nos Estados Unidos.


Jimmy Hoffa foi considerado um dos homens mais poderosos daquele país àquela época. De atuação sindical que cobria os terrenos mais ordinários à mais alta esfera de poder americano, Hoffa foi um dos padrinhos do próprio Sheeran no sindicalismo e na máfia. Nesse sentido, o livro é tanto sobre Sheeran quanto a história de Jimmy Hoffa.

Podemos dizer que a narrativa se equilibra entre as duas vozes. É como se em grande parte fosse um "romance" narrado pelo próprio Sheeran a partir das entrevistas, dos áudios e também das informações disponíveis e públicas noutras fontes. Brandt escreve como se Sheeran narrasse os acontecimentos. Há de atentar-se especialmente para o desfecho e clímax com que é narrada a cena do assassinato de Hoffa, em que os elementos literários parecem ser usados para ampliar a dramaticidade e dar elasticidade ao tempo. A voz de Sheeran em tom confessional, será preponderante na narrativa.

Temos detalhes interessantíssimos e a leitura pode evocar memórias e comparações recentes com o próprio Brasil e suas tantas malas milionárias. Em determinado sentido, Brandt toca não apenas a máfia, mas a política americana a tal ponto que já não se pode dissociar uma de outra. O processo eleitoral, a compra de alianças e a corrupção nas esferas governamentais fazem pairar sobre tudo a sombra de um grande esquema que já não se sabe mais quem controla quem. Máfia e política, política e máfia. Casos como Watergate e a relação de Nixon com a máfia mostram as entranhas sujas desses jogos de poder, não muito diferente de nossas malas e cuecas. A reflexão sobre financiamentos eleitorais é muito interessante como motivação acessória para leitura da obra.


Voltando a Sheeran, temos a história de um homem e sua relação com poder e violência. Tudo isso em grande parte aceita pela própria sociedade, visto a festa em sua homenagem reunindo figuras importantes. Há na sua confissão e também na voz de Charles Brandt certa tentativa de incutir o assassino frio com certa tentativa de imputar à guerra e ao abandono dos soldados que lutaram a Segunda Guerra como responsável pelo homem que se tornaria Frank Sheeran. 

Enfim, O Irlandês é uma boa leitura, inclusive me surpreende que mesmo com a adaptação, o livro não seja ainda muito popular no Brasil. Merecia maior atenção por diversas razões. É leitura de impacto histórico, que também levanta diferentes reflexões para as estruturas sociais, além da narrativa que ao mesmo tempo traz um universo aparentemente distante, mas tão próximo de nós. Um lugar e uma cultura em que a máxima é levada à radicalidade "viver é muito perigoso". Curioso que a despeito de viver sempre em alerta, Sheeran e alguns de seus cúmplices chegaram à velhice.


Eu gostei!


Um pouco sobre o autor:
Charles Brandt é o autor de vários romances de crimes verdadeiros que se tornaram best-sellers baseados nos principais crimes que Brandt resolveu por meio de interrogatórios durante sua ilustre carreira jurídica como investigador de homicídios, promotor e, eventualmente, procurador-geral adjunto do Estado de Delaware. Charles Brandt mora em Lewes, Delaware e Sun Valley, Idaho com sua esposa, Nancy. Ele tem três filhos adultos e quatro netos. O Irlandês é o seu único livro publicado no Brasil.
 
Comentários
1 Comentários

Um comentário :

  1. Este livro deve nos levar a pensar muito sobre como a máfia evoluiu e se transformou para os dias de hoje, e quais marcas deixou na política.
    Não é o tipo de livro que escolheria ler, mas sem dúvida é uma leitura útil.

    Danielle Medeiros de Souza
    danibsb030501@yahoo.com.br

    ResponderExcluir

Ivi Campos

45 anos. De todas as coisas que ela é, ser a mãe do André é a que mais a faz feliz. Funcionária Pública e Escritora. Apaixonada por música latina e obcecada por Ricky Martin, Tommy Torres, Pablo Alboran e Maluma! Bookaholic sem esperanças de cura, blogueira por opção e gremista porque nasceu para ser IMORTAL! Alguém que procura concretizar nas palavras o abstrato do coração.




.

Colunistas

sq-sample3
Kesy
sq-sample3
Kelly
sq-sample3
Laís

Facebook

Instagram

Resenhas

Meus Livros

Músicas

Youtube


Arquivos

Filmes

Twitter

Filmes

Mais lidos

Link-me

Meu amor pelos livros
Todas as postagens e fotos são feitas para uso do Meu amor por livros. Quando for postado alguma informação ou foto que não é de autoria do blog, será sinalizado com os devidos créditos. Não faça nenhuma cópia, porque isso é crime federal.
Tecnologia do Blogger.