24.5.21

Um Milhão de Pequenas Coisas (Jodi Picoult)

Ficha Técnica:
Nome Original: Small Great Things
Autora: Jodi Picoult
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Cecília Camargo Bartalotti
Número de Páginas: 508
Ano de Lançamento: 2021
ISBN-13: 9788576864820
Editora: Vérus 

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 34º livro lido em 2021 e foi Um Milhão de Pequenas Coisas (Jodi Picoult). Descobri esse lançamento por acaso, claro que comprei sem nem ler a resenha porque Jodi Picoult é uma das minhas autoras favoritas e aguardei ansiosamente meu livro chegar.

O livro nos traz Ruth Jefferson, uma enfermeira obstetra com mais de vinte anos de experiência na área e ama intensamente o que faz. Em um plantão, ela é impedida de cuidar de um recém-nascido pelo simples fato de ser negra. Os pais da criança são supremacistas brancos, pedem para a direção do hospital que ela não toque no seu filho e são atendidos. Porém em um momento em que Ruth está sozinha no berçário, o bebê tem uma parada cardíaca e ela é acusada de não ter feito de tudo para salvar a criança. O livro se desenvolverá sobre a investigação e julgamento de Ruth por isso e questões sérias como raça, privilégios e preconceitos são esmiuçadas dentro da narrativa.


Por ser uma mulher negra, Ruth viveu sua vida inteira driblando o racismo. Orientada pela mãe a ser sempre uma pessoa melhor e evitar os olhos de dúvidas sobre ela, estudou muito para ter sua graduação e conquistar um emprego de respeito. Da mesma maneira, criou o filho Edison e após a morte do marido na guerra do Afeganistão, se viu sozinha para educar a criança. Quando ela se vê acusada de algo sério no seu trabalho e perde o direito de trabalhar com o que ama, sua vida vira de cabeça para baixo. A advogada Kennedy é designada para defendê-la e embora nunca tenha pego nenhum caso parecido, se esforça de todas as formas para que Ruth tenha um julgamento justo.

Os pais da criança são personagens complexos. O pai Turk é sempre odiou negros. No passado, algo sério aconteceu com sua família e ele acreditou que ser branco era ser superior e sempre organizou a sua vida desta forma. Por isso, conheceu Frances, outro supremacista que sempre o orientou a nunca desanimar diante desta luta. Turk casou-se com Britt que como ele, odiava negros e demais minorias. Dessa forma, não enxergam Ruth como um ser humano e querem a todo custo que ela pague pelo que aconteceu com seu filho.

O livro é intenso e extremamente envolvente. Ruth é uma personagem por quem o leitor se apaixona logo nas primeiras páginas. Ela é coerente, séria, honesta e tudo o que quer é viver em paz com as poucas escolhas que conseguiu fazer na vida. Quer ser exemplo para o filho e embora saiba que não é inferior a ninguém, tenta sobreviver ao racismo com sua postura de vida. Kennedy por sua vez, apesar de ser uma mulher admirável e de igual modo, apaixonante, não conhece as dores e os medos de Ruth. Como mulher branca e privilegiada, não sabe o que é ser uma mulher negra e em um processo de humildade, aprende aos poucos o que Ruth tenta ensinar com seu comportamento.


Há um trecho muito marcante no livro em que as duas vão a um supermercado e enquanto Ruth é seguida pelo segurança por todos os corredores e precisa mostrar a nota fiscal de sua compra na saída, Kennedy passa desapercebida dentro do mesmo estabelecimento. Esse tipo de ação tenta ensinar a Kennedy que por mais que ela diga que “raça não importa”, é o negro quem sofre com suspeitas todos os dias, em todos os lugares e por muitas pessoas. Pequenas ações como esta tentam elucidar para Kennedy e sobretudo para o leitor que as pessoas não são vistas de forma igual.

O livro é tenso, melancólico, mas tão pertinente que acho que deveria ser lido por todos os seres humanos. Questões de raça são inseridas e explicadas de forma tão didática dentro do enredo que a leitura se torna uma aula cheia de reflexão, em que pessoas como eu precisam apenas abrir o coração e a mente para aprender. 

Como é característico nos livros da autora, existem dados e pesquisas que sutilmente fazem parte da narrativa e que agregam de forma natural. Não se trata de mais um livro que discute o racismo, mas sem dúvida, é um dos livros com o tema mais bem desenvolvido e que nenhum leitor poderá terminar esta leitura da mesma forma que começou.


Como puderam perceber, eu adorei. Terminei a leitura com o rosto molhado de lágrimas e sem dúvida, se tornou um dos favoritos do ano e da vida.

Amei!!!


Um pouco sobre a autora:
Jodi Picoult nasceu e cresceu nos Estados Unidos. Estudou Inglês e escrita criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. Aos 38 anos é autora de onze best sellers. No Brasil, alguns de seus livros publicados são:
  • Dezenove Minutos
  • O Pacto
  • Uma Questão de Fé
  • O Filme Perfeito
  • A Guardiã da Minha Irmã
  • A Menina de Vidro
  • Piedade
  • Um Mundo À Parte
  • A Menina Que Contava Histórias
  • As Vozes do Coração
  • Tempo de Partir
  • Um Milhão de Pequenas Coisas

6 comentários:

  1. oiiie!!! olhando pela capa nunca iria pensar que o livro é sobre racismo e tals...Não conhecia e já vou coloca-lo como desejado.
    Parece mesmo ser um livro envolvente, tenso e melancólico.
    https://quemevcbrubs.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Eu não conhecia o livro. Mas que profundo não ? Eu fico pensando o quão intenso e profundo deve ser cada página.
    Gostei bastante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Eu nunca li nada da autora, mas sempre tive enormes curiosidades pois tenho uma amiga que é super fã e só fala bem das obras dela. Amei saber que a história é agregadora de informações, reflexões e trazem temas tão profundos e importantes. Fiquei mega animada em conhecer, e com certeza será uma dica anotadíssima. Excelente resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Não conhecia esse livro e nem a autora, mas como você mesma colocou, acho também que todas as pessoas deveriam ler, falando do enredo já fico revoltada com a hipocrisia dos pais dessa criança, primeiro submete a uma pessoa a tal humilhação depois a culpa de negligenciar a criança? Pelo amor de Deus né, me poupe! Já anotei a dica, pois minha curiosidade em saber detalhadamente os fatos já me coçam os neurônios kkk. Obrigado pela dica, parabéns pela resenha, bjs!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Não lembro de já ter visto o livro mas pelo título eu jamais imaginaria esse tema (racismo, preconceito, etc.). Que dilema esse vivido pela médica. Primeiro é afastada da criança e não pode cuidar dela, depois é responsabilizada porque não fez tudo o que podia para salvar uma vida? As pessoas além de indecisas ainda fazem mal umas às outras. Muito triste isso. Fiquei curiosa quanto a leitura. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Olá Ivi,
    ainda não li nada dessa autora mas esse livro com toda certeza do mundo vou querer ler. Sendo eu enfermeira e negra, não poderia estar mais indignada com a situação absurda a qual a Ruth foi submetida, estou ansiosíssima para acompanhar sua trajetória e saber como tudo termina pra ela. Eu até já tinha visto esse livro por ai, mas não fazia ideia de que abordava assuntos tão importantes e profundos.

    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir