6.7.20

Um Farol no Pampa (Letícia Wierzchowski)

FICHA TÉCNICA
Nome original: Um Farol no Pampa
Autora: Letícia Wierzchowski
País de origem: Brasil
Número de páginas: 462
Ano de Lançamento: 2007
ISBN-13: 9788528622058
Editora: Bertrand

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 45º livro lido em 2020 e foi Um Farol no Pampa (Letícia Wierzchowski). Este livro é a sequência do grande sucesso A Casa das Sete Mulheres. Quando me interessei pelo primeiro livro, não sabia que se tratava de uma trilogia e como a leitura do primeiro foi muito positiva, era imperativo ler o segundo. Por isso, parti para esta leitura muito empolgada.

Talvez esta resenha possua spoilers do primeiro volume da trilogia

Com o término da Revolução Farroupilha em 1845 e a vitória do Império, os farroupilhas se viram derrotados não só pelo confronto, mas pelo tempo que investiram em uma guerra que empobreceu seus lares e afastou suas famílias. As mulheres puderam se ver livres de seus confinamentos, porém carregariam por muito tempo as feridas emocionais que a guerra trouxe.

O livro começa em 1902 com Antônio Gutierrez embarcando para o sul do Brasil e levando em sua mala o testamento do pai, Matias, que deixou uma parte de sua vida para ele: uma pequena terra nos pampas gaúchos e algumas cartas amareladas pelo tempo que revelariam a essência do pai ao jovem. 

Paralelamente a esta história, somos levados a acompanhar a jornada de Matias, desde garoto até seus últimos dias de vida como o filho proibido de Mariana, uma das mulheres confinadas no primeiro livro. Sua história está sempre ligada a das sete mulheres e, futuramente, a de seu amor Inácia. Enquanto seu destino segue, o Brasil caminha para a guerra do Paraguai. 

Um Farol no Pampa é, acima de tudo, um caminho entre lembranças e acontecimentos entre passado e futuro e a narrativa de uma vida dedicada à espera, em vários aspectos. Mais uma vez a autora lança mão de detalhes com o objetivo de chocar o leitor, o que me deu a sensação de que nem os personagens eram donos de sua própria história.

A história é contada como pequenos “contos”, cada um narrando a jornada de um personagem, de entes queridos que vem e vão, criando uma teia entre cada um destes enredos. A característica mais forte foi a descrição detalhada da autora, não só de locais, mas de sentimentos e este é o ponto mais forte de expressão da narrativa. 

Conforme a leitura avançava, eu tinha uma sensação de enrolação muito grande! Todas as pessoas que sobreviveram no primeiro livro morreram no segundo e isso me deixou angustiada, porque ainda que tivesse plena noção disso devido ao intervalo de tempo bem pontuado, não achei necessário, porque queria conhecer os personagens desta história e não os que estavam no outro livro, cujas histórias já haviam sido contadas. 

Outro ponto que me incomodou um pouco foi romancear a guerra do Paraguai, colocando o Brasil como vítima o tempo todo. Com um pouquinho de história, a gente entende que o Brasil assolou o Paraguai e temos pouquíssima consciência disso.

Achei o livro bem inferior ao primeiro e não me trouxe tantas emoções ou envolvimento. Descobri que este livro só surgiu em função do sucesso do primeiro, não era a intenção original da autora dar continuidade a esta história e isso é facilmente perceptível durante a leitura, o que me deixou muito desapontada, mas ainda assim, pretendo concluir a trilogia.

É interessante ressaltar que independente da guerra, seja a que conduziu o livro anterior ou a que deu voz a este livro, vemos uma família sendo levada pela tristeza e por perdas que nos fazem refletir sobre o quão essas guerras são nocivas.

Esperava gostar mais!


Um pouco sobre a autora: Antes de se dedicar às letras, começou a cursar a faculdade de arquitetura, que não chegou a completar. Foi proprietária de uma confecção de roupas e trabalhou no escritório de construção civil de seu pai. Enquanto trabalhava neste último emprego, começou a escrever ficção. Seu romance de estreia, publicado em 1998 e relançado em 2001, O Anjo e o Resto de Nós, conta a saga da família Flores, ambientada no início do século XX no interior do Rio Grande do Sul. Atualmente a autora trabalha com a literatura e o cinema. Algumas de suas obras publicadas são:

  • Desaparição
  • O menino que comeu uma biblioteca
  • O Primeiro e o Último Verão
  • Travessia
  • Um Farol No Pampa
  • Navegue a lágrima
  • Coração de Mãe Sal
  • Neptuno
  • Os Getka
  • Os Aparados
  • A Casa das Sete Mulheres
  • Era outra vez um gato xadrez
  • De um grande amor e de uma perdição maior ainda
  • O menino paciente

9 comentários:

  1. To tentando entender porque matar os personagens..
    Gente, mas são eles que sempre ligam os livros.
    To chocada sério. Acho que nem precisava então de continuação

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Tenho muita curiosidade de ler os livros da autora; já fui num bate-papo com ela que teve na minha cidade e ela é muito querida. É uma pena que esse livro não tenha sido tão bom.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Oii!

    Primeiramente parabéns pelo número de leituras, espero que continue nesse ritmo, poxa que pena que a leitura foi ruim. eu tbm não entendo essa necessidade de matar todo mundo, principalmente quando há uma ligação entre duas obras.
    A questão histórica tbm é importante que se tenha cuidado né? vai que alguém começa a se basear pelo livro dela.

    Enfim, não fiquei com vontade de ler.

    Beijinhos,
    Ani,
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ivi!
    Eu gosto muito das suas resenhas, pois elas são muito sinceras e acho isso muito importante.
    Sobre o livro e a autora, eu ainda não li nada dela, mas tenho o primeiro livro dessa trilogia (que inclusive é o livro mais famoso dela, não?). É uma pena que o segundo tenha sido tão abaixo, mas realmente deve ter sido por causa da pressão da editora. Quando o autor não quer continuar com mais livros e a editora força, nunca sai bom.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/2020/07/resenha-antes-da-festa-um-role-pelo.html

    ResponderExcluir
  5. Ainda não conhecia essa obra, mas pela capa, ela já me chama atenção. Uma pena que o livro não tenha te agradado e que tenha ficado perceptível que não era para a história surgir. Isso é muito ruim quando acontece e confesso que a premissa do livro é bem interessante. Mas gostei da sua sinceridade e de saber um pouquinho mais.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Eu não sabia que o livro A Casa das Setes Mulheres tinha continuação e ainda mais é trilogia, chocada haha Poxa uma pena a leitura não ter funcionado, mas entendo o sentimento de frustração com uma história cheia de enrolação e fatos não tão verídicos. Ótima e sincera resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Ivi!
    Não li A casa das sete mulheres, mas ouvi falarem muito bem dessa obra, vejo alguns autores darem continuação em suas obras porque o anterior foi recorde de vendas, acho muito desnecessário isso, pois as vezes é só para "encher linguiça" se o anterior tem um final e perfeito, acaba estragando a obra inteira, enfim. É uma pena que este não tenha te conquistado e que o livro falhou em vários aspectos, mas agradeço por sua resenha e por sua sinceridade. Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Oi, não sabia que a continuação só surgiu por causa do sucesso do primeiro livro... Achava interessante a questão histórica, pena que foi romantizado dessa forma. Mas, sua resenha ficou ótima!

    ResponderExcluir
  9. Olá Ivi!!!
    Eu tenho vontade de ler "A Casa das Sete Mulheres" por ter sido uma das séries que marcou minha infância e até hoje guardo na memória, não sabia que se tratava de uma trilogia e mesmo com sua ressalvas sou curiosa para saber mais sobre o livro e conhecer esses personagens mesmo a autora defendendo algo que não dar para se ignorar.
    Adorei a resenha e sua sinceridade acerca do livro!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir