26.12.19

Aventura em Bagdá (Agatha Christie)

FICHA TÉCNICA
Nome original: They Came to Baghdad
Autora: Agatha Christie
Tradução: 
País de origem: Inglaterra
Número de páginas: 230
Ano de Lançamento: 1951
ISBN-13: 9788520915363
Editora: Círculo do Livro

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 99º livro lido em 2019 e foi Aventura em Bagdá (Agatha Christie). Esse ano eu li o meu primeiro livro da autora, Morte no Nilo, e foi uma decepção porque eu imaginava algo superior. Mas decidi que não ficaria com aquela impressão e que leria outra coisa dela e Aventura em Bagdá estava na minha estante a muito tempo e decidi que ele seria a minha segunda leitura da Dama do Crime.

O livro nos traz Vitória Jones, uma inglesa linda que trabalha como estenodatilógrafa, que é o profissional que datilografa textos estenografados, ou seja, textos simbólicos e Vitória é muito boa na sua profissão, porém o chefe dela a flagra em uma indiscrição e ela perde o emprego. Desolada, sem dinheiro e nem perspectivas, Vitória senta no banco de uma praça e conhece um jovem chamado Edward, lindo e interessante. Ambos começam a conversar e em poucos minutos, ela já se encontra perdidamente apaixonada por ele. Mas Edward está de partida para Bagdá a trabalho, e não tem a mínima de ideia de quando voltará.


Diante dos fatos, Vitória não enxerga outra hipótese a não ser ir atrás dele. Ela então procura um emprego para ter dinheiro para seguir o rapaz e através de uma agência, ela conhece a senhora Hamilton Clipp que está de braço quebrado e necessita de uma Dama de Companhia que a acompanhe até Bagdá, mas que só poderá pagar a passagem de ida. Vitória se vê completamente encaixada no cargo e então segue rumo ao grande amor de sua vida.

Ao chegar em Bagdá ela vai atrás de Edward e é aí que a aventura começa quando um homem entra no seu quarto de hotel com o objetivo de se esconder de algo e ele acaba morrendo em sua cama e suas últimas palavras parecem ser definitivas para que os culpados por sua morte sejam localizados. Vitória sem perceber, acaba se metendo num problema gigantesco, colocando sua própria vida em perigo. Começa a fazer conexões de quem era o morto e de porque isso aconteceu descobrindo assim um problema de ordem Internacional. 

Eu comecei a ler o livro acreditando que se trataria de um livro de investigação e suspense policial, mas fui surpreendida pelo plote de espionagem e conspiração, o que me agradou muito. Vitória é uma protagonista incrível. Imperfeita, mentirosa e muito sagaz, ela nos deixa tensos em função das situações em que se mete e pelo perigo que corre, mas também nos diverte com suas conclusões e soluções. Além de ser inteligente e ao mesmo tempo, inocente, seu carisma domina toda a narrativa.

Fui lendo o livro sem me importar muito como seria a solução e quando ela chegou, elucidando todos os pontos complexos do enredo, eu achei genial. Em momento algum considerei as conexões que foram deixadas no texto e quando conclui a leitura, estava muito satisfeita.


Não é o foco do livro, mas ele traz um pano de fundo político bem interessante e nos apresenta personagens que não sabemos se podemos confiar. Além de uma prosa fluida e envolvente que nos deixa curiosos e instigados a terminar o livro.

Sem dúvida, esse livro me fez esquecer o meu desapontamento inicial com a escrita da autora e agora quero ler mais coisas dela e claro, opções não me faltam porque ela tem uma obra imensa.

Eu gostei.


Um pouco sobre a autora: Dame Agatha Mary Clarissa Mallowan nasceu em Torquay, Inglaterra em 15 de setembro de 1890. Sendo mundialmente conhecida como Agatha Christie, foi uma romancista policial britânica, autora de mais de oitenta livros. Seus livros são dos mais traduzidos de todo o planeta, superados apenas pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare, com mais de 4 bilhões de cópias vendidas em diversas línguas. Conhecida como Duquesa da Morte, Rainha do Crime, dentre outros títulos, criou os famosos personagens Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence Beresford e Parker Pyne, entre outros. Agatha Christie escreveu também sobre o pseudônimo de Mary Westmacott. Alguns de seus livros publicados no Brasil são: 

  • Cai o pano – O último caso de Poirot (1975)
  • Os cinco porquinhos (1942)
  • Morte na praia (1941)
  • Testemunha ocular do crime (1957)
  • Convite para um homicídio (1950)
  • Os crimes ABC (1936)
  • Morte no Nilo (1937)
  • O assassinato de Roger Ackroyd (1926)
  • Assassinato no Expresso do Oriente (1934)
  • Aventura em Bagdá (1951)
  • E não sobrou nenhum (1939)

Nenhum comentário:

Postar um comentário