3.12.19

A Insustentável Leveza do Ser (Milan Kundera)

Ficha Técnica:
Nome Original: Die Unerträgliche Leichtigkeit Des Seins
Autor: Milan Kundera
País de Origem: República Tcheca
Tradução: Teresa Carvalho da Fonseca
Número de Páginas: 320
Ano de Lançamento: 1984
ISBN-13: 9788571648739
Editora: Rio Gráfica

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 86º livro lido me 2019 e foi A Insustentável Leveza do Ser (Milan Kundera). Ganhei este livro de um amigo com a indicação que era um dos livros que ele mais amava na vida, por isso comecei essa leitura com carinho.

A Insustentável Leveza do Ser é um clássico publicado originalmente em 1984 e a obra combina temas como política, filosofia e relacionamentos amorosos, o que por si só já é um feito. Além disso, foi um sucesso de público e chegou a ser adaptado para os cinemas.


O autor viveu a primavera de Praga em 1968, um lampejo de otimismo na história da então Checoslováquia, dominada pela União Soviética na época. Este período, no entanto, durou meses. Esta transição é retratada claramente no livro, que se concentra nas consequências dessas mudanças para a vida dos personagens.

A contracapa e a sinopse desta obra dão a entender que se trata de um romance sobre dois casais. Ao longo do livro, porém, as personalidades de alguns personagens se sobressaem a de outros e conquistam mais espaço, merecendo análises mais prolongadas nas páginas da narrativa. Estas análises rendem excelentes perfis psicológicos dos personagens, sempre vinculados as discussões sobre abordagens distintas em relação à vida e ao amor.


Em regiões que vivem o caos diariamente, como a Praga desta época, a política não é uma opção e passa a ser o ar que as pessoas respiram, já que determina o estado das coisas e o caminho por onde seguirão. Esta situação, retratada em obras como Persépolis ou Sarajevo, é a mesma em que vivem os personagens de A Insustentável Leveza do Ser. A política permeia suas vidas e interfere claramente em seus destinos, mesmo que os personagens pouco busquem-na ativamente.

Esta obra é permeada de potenciais citações sobre assuntos diversos: o autor utiliza a vida de seus personagens como plataforma para dissertar sobre o amor, os relacionamentos humanos, a vida e a política. A base de seu raciocínio é o que dá nome ao livro: a existência humana carregaria ao mesmo tempo leveza (por acontecer apenas uma vez, não há como saber se outra decisão ou caminho teria sido melhor) e peso, já que toda decisão ou escolha é definitiva e não pode ser tomada novamente. Um conceito complexo, mas que se desenrola claramente nas páginas do livro.


A Insustentável Leveza do Ser é um clássico que faz jus ao nome. Um livro complexo, que requer atenção, mas recompensa bem aos que estão dispostos a mergulhar em seu universo.

Eu gostei!


Um pouco sobre o autor: Milan Kundera é um autor tcheco. Nascido no seio da erudita família de classe-média do senhor Ludvik Kundera (1891-1971), um pupilo do compositor Leoš Janáček e um importante musicólogo e pianista, o cabeça da Academia Musical de Brno de 1948 a 1961. O autor completou sua escola secundária em Brno, em 1948. Estudou literatura e estética na Faculdade de Artes da Universidade Charles mas, depois de dois períodos, transferiu-se para o curso de cinema da Academia de Artes Performáticas de Praga onde realizou suas primeiras leituras em produção de scrpits e direção cinematográfica. Vive na França desde 1975, sendo cidadão francês desde 1980. Seus romances geralmente tratam de escolhas e decepções. Em seus livros é recorrente a crítica ao regime comunista e à posterior ocupação russa de seu país, em 1968, quando foi exilado e teve sua obra proibida na então Tchecoslováquia. Seus livros publicados no Brasil são: 
    • A Insustentável Leveza do Ser
    • A Lentidão
    • A Arte do Romance
    • A Festa da Insignificância 
    • Um Encontro

7 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Não conhecia esse livro, mas pelo o que tu disse parece ser uma história bem bacana, principalmente por conseguir misturar vários temas interessantes. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Olá! Sempre ouço falar sobre esse livro, que é um clássico, mas ainda não tive a oportunidade de ler. É bom saber que se trata de algo tão complexo, que envolve paixão e política, além de questões sobre a existência humana. Sempre quis ler, mas depois da sua resenha, fiquei ainda mais curiosa. Ah! Amei a ideia das suas fotos! Parabéns pela criatividade! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Eu estou me rendendo aos clássicos aos pouquinhos e mesmo não conhecendo essa obra, sua resenha me despertou uma certa curiosidade e com certeza irei adicionar a minha lista!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Eu já ouvi falar bastante deste livro, mas não sabia realmente do que se tratava. Quero muito ler, mas só Deus sabe quando terei a oportunidade.

    Costumo pensar muito nessas questões... em como tudo é tão definitivo em nossas vidas, como temos sempre que estar tomando decisões e depois, ao refletirmos, nos perguntamos se foram as decisões corretas, se tudo não seria melhor se tivesse optado pela outra alternativa... Eu penso demais nisso.

    ResponderExcluir
  5. Ainda não tive oportunidade de ler essa obra, mas a forma como você relatou os acontecimentos me deixou curiosa para conhecer. É incrível quando o autor aborda muitos pontos e nos faz refletir sobre diversas coisas, né? Vou deixar essa dica anotada.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  6. Oi, o título chamava minha atenção, mas ainda não sabia ao certo do que se tratava a obra. Não me parece ser o tipo de narrativa que me agradaria, mas por ser um clássico, ainda tenho vontade de ler.

    ResponderExcluir