16.10.19

Dias de Despedida (Jeff Zentner)

Ficha Técnica:
Nome Original: GoodBye Days
Autor: Jeff Zentner
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Guilherme Miranda
Número de Páginas: 392
Ano de Lançamento: 2017
ISBN-13: 9788555340635
Editora: Seguinte

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 74º livro lido em 2019 e foi Dias de Despedida (Jeff Zentner). Quando este livro foi lançado no Brasil, muita gente o elogiou, mas na época não me empolguei para ler porque achei que era apenas mais um livro jovem/adulto com um fundo dramático. Porém os elogios para com o livro não pararam na época do lançamento, meses depois eu ainda via comentários sobre o quanto o livro era bom e tocante. Acabei cedendo, fiz a leitura e já adianto para vocês que minha resistência em ler o livro só me atrasou para conhecer uma das melhores leituras que fiz em 2019.

O livro nos traz o Carver, um adolescente que começa a história indo a um velório. Na verdade, é o terceiro velório em um espaço de três dias e nos primeiros parágrafos descobrimos que os seus três melhores amigos morreram em um acidente de carro enquanto iam ao encontro dele. Blake, Eli e Mars morreram quando o carro bateu em um caminhão estacionado. Carver se sente extremamente culpado pelo acidente porque havia mandado uma mensagem para Mars e tudo indica que o amigo tentou responder a mensagem enquanto guiava o carro. Além da culpa devastadora que Carver sente, ainda tem que lidar com o luto por perder seus melhores amigos e também o medo, já que a família de um dos meninos mortos quer que ele seja responsabilizado pelo acidente.

Nem todos pensam como essa família, inclusive Betsy a avó de um dos meninos que ainda tem muito carinho e consideração por Carver pede para que ele faça um dia de despedida com ela, para que consiga assimilar emocionalmente essa perda. Carver aceita e o livro então se desenvolve em ele fazer dias de despedida com as famílias dos meninos, com o objetivo de dar um encerramento digno para a história de cada um deles.


Enquanto escrevo essa resenha, me emociono outra vez com este enredo. Além dessa perda do Carver, temos muitos temas relevantes inseridos na história. Além do luto que por si só já é muito tocante, encontramos a história de três meninos que tinham um mundo inteiro a frente deles e que foram abreviados deixando um mar de tristeza para quem os amava. 

Embora todos fossem muito amados por suas famílias, cada um deles tinha seus segredos e incômodos não compartilhados e Carver é o único que sabe dessas particularidades. Um deles era gay, ainda não se sentia seguro o suficiente para assumir publicamente sua natureza e esse tema é tratado com tanta sensibilidade pelo autor que é impossível não se emocionar. Outro tinha uma relação complicada e distante com o pai, mas ainda assim, o admirava tanto que o retratou como o herói de uma das suas histórias em quadrinhos. O outro deixa uma namorada apaixonada e que junto ao Carver tenta superar o vazio que o acidente deixou na vida deles.

Carver começa a ter ataques de pânico após a morte dos amigos e além disso, Adair, a irmã de um dos meninos está disposta a persegui-lo diariamente na escola e torna seus dias ainda mais pesados.

A maneira delicada que o autor escreveu esta história também nos rende alguns sorrisos quando em flashback, Carver lembra as bagunças que eles faziam na escola ou quando saíam para tomar milkshake. Com uma linguagem leve e fluida, conhecemos intimamente cada um dos garotos não apenas pelo ponto de vista do Carver, mas pelas suas famílias e conseguimos entendê-los e amá-los ainda que eles não estejam ativamente na história. 


O final do livro é muito bem conduzido e nos deixa ao mesmo tempo melancólicos e satisfeitos porque a experiência de leitura consegue nos trazer ensinamentos muito intensos. Conseguimos sentir as dores dos personagens, mas também somos reabastecidos por esperança e coragem, o que acaba deixando nosso coração aquecido.

Sem sombra de dúvida foi um dos melhores livros que eu li este ano e já quero ler outro livro do autor porque adorei o enredo, amei os personagens e sobretudo, a mensagem trazida pela história é muito emocionante e comovente.

Eu amei.


Um pouco sobre o autor: Jeff Zentner começou escrevendo músicas. Cantor e guitarrista, já gravou com Iggy Pop, Nick Cave e Debbie Harry. Passou a se interessar pela literatura jovem adulta depois de trabalhar como voluntário em acampamentos de rock no Tennessee. Morou no Brasil por dois anos, na região da Amazônia, e hoje vive em Nashville com a esposa e o filho. Seus livros publicados no Brasil são:
    • Dias de Despedida
    • Juntos Somos Eternos
    • Sessão da Meia-Noite Com Rayne e Delilah

7 comentários:

  1. Olá...
    Amei sua resenha!
    Já li DIAS DE DESPEDIDA e sem sombra de dúvidas é um dos meus livros favoritos da vida! Dias de Despedida é uma daquelas histórias que te partem ao meio e também aquecem o coração em inúmeros momentos. Um livro honesto, intenso e difícil de ser digerido... Sem dúvida, uma das minhas melhores leituras da vida!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Já sofri só lendo a resenha. Não sou fã de histórias que me deixam com o coração partido, me doí pra caramba.
    Mas não nego que a história é linda.. Sofrida, mas bonita.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Minha mãe leu esse livro e amou, então tenho bastante curiosidade de ler. Adorei tua resenha, fiquei ainda mais ansiosa para ler a obra. Parece ser mesmo uma estória emocionante!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Que coisa mais linda! Parece um livro para fazer chorar e amolecer o coração do leitor. Tema bem delicado e pelo visto muito bem desenvolvido. As pessoas lidam de forma diferente com a dor e saber que uma das famílias o culpava pela morte do amigo sendo que ele em si também fazia isso, já me partiu o coração só de ler a resenha.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  5. Ah, estou com esse livro aqui e não vejo a hora de ler.
    Bom saber dessa emoção que sentiu, percebo até que preciso me preparar para essa leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nada do autor, mas sempre vejo ótimos elogios às suas obras. Pela sua resenha, esse livro parece ser bem sensível e de arrancar muitas lágrimas
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  7. Olá Ivi!!!
    Que história mais emocionante e que tem todo um significado por trás.
    Não conhecia o livro, mas que bom que você o tirou da estante e descobriu algo de bom no mesmo.
    Achei a capa do livro muito singela e parece combinar com o enredo.
    Parabéns pela resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir