24.9.19

Filme da Vez #104 It 2

FICHA TÉCNICA
Título Original: It: Chapter Two
Ano de Produção: 2019
Lançamento no Brasil: 05 de setembro de 2019
Duração: 169 minutos
Gênero: Terror
País de Origem: Estados Unidos
Classificação Etária: 16 anos
Elenco: Andy Bean, Bill Hader, Bill Skarsgård, Isaiah Mustafa, James McAvoy, James Ransone, Jay Ryan, Jessica Chastain, Andy Muschietti, Angela Thompson, Anthony Ulc, Chosen Jacobs, Élodie Bouchez, Finn Wolfhard, Jack Dylan Grazer, Jackson Robert Scott, Jaeden Martell, Jake Weary, Janet Porter, Javier Botet, Jeremy Ray Taylor, Jess Weixler, Joan Gregson, Kate Corbett, Luke Roessler, Megan Charpentier, Molly Atkinson, Owen Teague, Ryan Kiera Armstrong, Sophia Lillis, Stephen Bogaert, Stephen King, Taylor Frey, Teach Grant, Will Beinbrink, Wyatt Oleff, Xavier Dolan.
Sinopse: Uma promessa feita há vinte e sete anos chama 7 adultos para se reunirem em Derry, Maine, onde, enquanto adolescentes, lutaram contra uma criatura maligna que atacava as crianças da cidade. Não tendo a certeza de que seu Clube de Perdedores havia vencido a criatura todos aqueles anos atrás, os sete haviam jurado retornar a Derry se o Pennywise reaparecesse.
Oi gente que ama livros, hoje quero comentar com vocês o que eu achei de It Capítulo 2, filme que eu estava aguardando com muita ansiedade desde 2017.

Não é segredo que os filmes de 2017 e este agora são baseados no livro do Stephen King e que o capítulo 1 foi um grande sucesso em todo o mundo. Em função disso, a ansiedade em ver a história se concluir na telona era imensa e eu estava com a expectativa lá nas alturas. No primeiro filme, 7 crianças da fictícia cidade de Derry têm seus medos personificados na imagem de um palhaço assassino que está matando crianças. Isso é algo que acontece a cada 27 anos e eles unidos e corajosos, acreditam ter vencido o terror. No segundo filme porém, 27 anos se passaram e p palhaço está de volta e chegou a vez das 7 crianças, agora adultos, se reencontrarem para tentar de forma definitiva, “matar a coisa”.


O salto no tempo que a narrativa dá nos mostra como estes adultos são perturbados pela experiência com o palhaço sangrento. Richie utiliza o humor como válvula de escape, Beverly envolve-se em relacionamentos abusivos, Bill se torna um escritor frustrado, incapaz de fornecer um final satisfatório às suas histórias – e à sua história pessoal, é claro. E assim, cada uma das crianças se tronou um adulto com problemas emocionais sérios. 

O roteiro é cheio de sustos eletrizantes. Algumas cenas com violência forte, mas a grande maioria baseia o terror em efeitos de som e imagem para arrancar gritos da plateia do cinema. Os arcos são bem desenvolvidos e o final do filme é interessante e a sensação quando os créditos começam a subir é que o filme valeu o preço do ingresso.


Existem alguns easter eggs fáceis de ser identificados e a melhor referência é a presença de Stephen King como o dono de um antiquário, satirizando o personagem do Bill por ser escritor e não saber fazer finais, algo recorrente na carreira de King.

O que eu mais gostei foi que a sequência esbanja uma produção bastante competente, com efeitos visuais impecáveis e um uso de câmera muito elegante.. A cena de abertura – uma espécie de curta-metragem por si próprio, no qual Pennywise ironicamente “salva” um personagem – é ricamente trabalhada pela iluminação do parque de diversões, os planos angulados e a fina articulação da montagem. O diretor consegue efetuar um bom uso de transparências e reflexos, a exemplo das cenas com espelhos, dentro da casa abandonada, e do labirinto de vidros. A experiência de ver algo sem acessá-lo, ou de testemunhar como voyeur uma morte sem poder impedi-la, aparece de maneira eficaz na sequência, que ainda encontra metáforas criativas para o retorno do recalcado – vide a presença de personagens literalmente soterrados em terra, água ou sangue, em representação da dor e do medo tomando conta de sua psique. Enquanto retrato de distúrbios psicológicos e de feridas não cicatrizadas, o projeto encontra potentes recursos visuais.


Pennywise continua sendo um personagem de grande complexidade, primeiro graças ao trabalho multifacetado do ator no papel, e segundo por sua própria mistura de agressão e fragilidade – sim, o palhaço também possui inseguranças. A figura sobrenatural nunca pareceu tão humana, tão equivalente aos jovens que ele atormenta (como num jogo de espelhos, justamente). No entanto, o perigo representado pelo palhaço é menor neste segundo filme, pois suas aparições não carregam mais a ambiguidade de antes: sabemos quando Pennywise está atacando, em contraste com a tensão do primeiro filme, quando as metamorfoses do personagem transitavam lentamente entre o natural e o sobrenatural, entre o real e a ilusão. Desta vez, transformadas num espetáculo mais convencional de efeitos especiais, as aparições do palhaço são evidentes, sem grande preparação de clima (até porque, para condensar tantas linhas narrativas em menos de três horas de duração, a montagem parece ter efetuado várias concessões ao clima e ao tempo do suspense).

Enfim, o filme cumpre com o que promete. Um pouco inferior ao capítulo 1, mas ainda assim muito eficiente em sua proposta, temos um filme que afala sobre amizade e lealdade, sendo muito fiel ao livro em que foi baseado, mas com liberdade para o que a adaptação precisava. 

Eu gostei demais.

Confira o trailer:

8 comentários:

  1. É, esse não vi nem o primeiro e fujo mesmo. Não é comigo. Mas gosto de ver o que o pessoal ta achando. Parece ter muita coisa legal e uns bons sustos pra quem ama esse tipo de coisa. Achei interessante isso do autor aparecer. É sempre legal pra quem leu os livros da adaptação ou é fã mesmo poder ter esse tipo de detalhe num filme. Fica uma coisa a mais pra lembrar da história. Esse ator que faz o vilão parece estar impressionando de novo também no papel. Pra quem ama gênero a continuação tá muito boa e parece valer a pena ir logo assistir.

    ResponderExcluir
  2. Olá! ♡ Não sou fã de terror, por isso não li nem o livro e não vi o primeiro filme, apesar de que eu tenho certa curiosidade sobre ambos.
    É inegável o sucesso que o primeiro filme faz e pelo jeito, mesmo este segundo sendo inferior, ainda assim parece um ótimo filme que vai agradar os fãs do gênero.
    Eu não sei se tenho coragem suficiente para encarar esses filmes no momento ou o livro, mas quem sabe um dia kkkk.
    Eu gostei muitooo do elenco, tem muita gente que eu gosto, mas nem isso é suficiente no momento para que eu assista ao filme.
    O que mais chama minha atenção sobre ambos os filmes é a amizade entre os personagens, parece ser algo bem bonito de se ver ♡
    Achei bem bacana que o Stephen King aparece no filme!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  3. Aiai... Não assisti nem li o primeiro, então fico bem perdida se tratando do capítulo 2.
    As imagens estão bonitas, mas prefiro evitar os sustos, viu. Sou muito medrosa!
    E bom saber que a adaptação foi fiel.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Como conferi o livro, infelizmente tive dificuldade de engolir as adaptações, embora até o King as tenha aprovado. Confesso que achei o primeiro filme superior a este, tanto em relação ao terror (nessa sequência só temos clássicos jump scares previsíveis) quanto ao roteiro em si (que prejudica bastante as performances do talentoso elenco). Embora o filme não seja cansativo, percebe-se que toda a mitologia envolvendo a origem de Pennywise não foi trabalhada de uma forma consistente, de modo que no final ninguém entendeu direito de onde aquela criatura saiu e com qual propósito. Mas o ponto alto do filme é a amizade entre os protagonistas, e neste aspecto ambos os longas conseguiram emocionar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu não sou fã de terror então passo bem longe desses filmes, mas não posso negar o sucesso que It tem entre os adeptos do horror. Achei bem bacana o outro participar das filmagens, é um presente e tanto para os fãs. A parte de mostrar o lado sensível do palhaço também foi interessante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oiii ❤ Confesso que até tenho certa curiosidade sobre It, tanto sobre a primeira parte quanto essa, mas como não sou a fã número de terror, tenho receio de conferir ambas as obras.
    Além de que sempre tive desde criança um receio de palhaços, então imagina o que eu sentiria ao ver um palhaço assassino rsrsrs.
    Mas, mesmo assim, estou curiosa para saber porquê depois de tantos anos o palhaço volta e se os personagens conseguem derrotá-lo de uma vez, além de que gostei que o filme aborda alguns temas sociais bem importantes.
    Fico imaginando o quanto os personagens ficaram com o psicológico abalado por causa do palhaço quando eram crianças e o quão difícil deve ser enfrentá-lo novamente.
    Quem sabe um dia não crio coragem e assisto...
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  7. Eu adorei o primeiro filme e até tento não criar grandes expectativas com essa continuação, pelas criticas que vi por ai. Ainda sim, estou super ansiosa para ver esse capítulo 2, mesmo já tendo pegado tanto spoiler.

    ResponderExcluir
  8. Mesmo sendo apaixonada pelos livros de Stephen King, esse livro e filme morro de medo. Ja li tantas resenhas dele, mesmo sendo um máximo, coragem me falta.

    ResponderExcluir