11.3.19

A Morte no Nilo (Agatha Christie)

FICHA TÉCNICA
Nome original: Death on the Nile
Autora: Agatha Christie
Tradução: Newton Goldman
País de origem: Inglaterra
Número de páginas: 229
Ano de Lançamento: 1937
ISBN13: 9780553119220
Editora: Círculo do Livro

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 15º livro lido em 2019 e foi A Morte no Nilo (Agatha Christie). Mesmo a autora sendo uma das escritoras mais populares do mundo, ainda não tinha lido nada dela e decidi começar por este livro aqui que foi presente de um amigo querido e também por ser um dos livros mais elogiados da autora.

O livro nos traz três personagens incisivos: Linnet Ridgeway, Simon Doyle e Jacqueline de Bellefort. Os três estão em uma embarcação pelo Nilo e neste mesmo lugar, está o melhor detetive do mundo, Poirot, conhecido por desvendar crimes de toda espécie. Acontece que os três personagens iniciais não estão lá à toa. Jacqueline era namorada de Simon, porém ele a trocou por Linnet e como vingança, Jacqueline decide segui-los por todas as partes, inclusive na lua de mel do casal apaixonado. 


Poirot, muito atento ao que acontece em sua volta, percebe a infelicidade dos três que estão angustiados por motivos diferentes. Mas é a partir de várias conversas que ele percebe que algo de ruim está para acontecer nesta história, uma vez que Jacqueline diz claramente que deseja ver o fim da felicidade do casal. Acontece que Linnet é assassinada durante a viagem e Poirot tem como responsabilidade desvendar o caso que para muitos é obvio: a culpada seria a namorada largada.

Mas nem tudo é tão obvio aos olhos do excelente detetive, porque Linnet havia despertado o interesse nas pessoas a bordo por conta de sua fortuna, inteligência e beleza. Esses atributos acabaram por incomodar alguns passageiros, sendo assim, vários suspeitos são considerados na investigação. 


Infelizmente a história não funcionou para mim como eu queria. Eu esperava um suspense intrincado, cheio de camadas e que me conduzisse para um lugar diferente da verdadeira solução. Ainda que tudo estivesse na minha cara, preciso confessar que no momento que a personagem morre, eu já sabia quem era o assassino e embora tenha acreditado que estava errada porque era claro demais, não fui surpreendida ao final.

Eu senti falta de outros elementos que pudessem enriquecer a trama, com descrições mais detalhadas dos locais e das personagens porque tudo pareceu muito unidimensional. Conseguimos ver claramente quem é do bem e quem não é e ainda que eu tenha ficado apreensiva em não me iludir, nada me causou surpresas.

Como este foi o primeiro livro da autora que eu li, quero ler mais alguma história para poder embasar melhor minha opinião sobre seu trabalho, entretanto não posso negar que fiquei extremamente desapontada porque eu super estimei a experiência em ler um livro dela.

Espero que minha próxima leitura de um livro dela seja mais positiva.

Esperava gostar mais.


Um pouco sobre a autora: Dame Agatha Mary Clarissa Mallowan nasceu em Torquay, Inglaterra em 15 de setembro de 1890. Sendo mundialmente conhecida como Agatha Christie, foi uma romancista policial britânica, autora de mais de oitenta livros. Seus livros são dos mais traduzidos de todo o planeta, superados apenas pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare, com mais de 4 bilhões de cópias vendidas em diversas línguas. Conhecida como Duquesa da Morte, Rainha do Crime, dentre outros títulos, criou os famosos personagens Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence Beresford e Parker Pyne, entre outros. Agatha Christie escreveu também sobre o pseudônimo de Mary Westmacott. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:
    • Cai o pano – O último caso de Poirot (1975)
    • Os cinco porquinhos (1942)
    • Morte na praia (1941)
    • Testemunha ocular do crime (1957)
    • Convite para um homicídio (1950)
    • Os crimes ABC (1936)
    • Morte no Nilo (1937)
    • O assassinato de Roger Ackroyd (1926)
    • Assassinato no Expresso do Oriente (1934)
    • E não sobrou nenhum (1939)

9 comentários:

  1. Oie,
    não te julgo por nãoer gostando tanto do livro. Te confesso que o único do Poirot que gosto é Assassinato no Expresso do Oriente.
    Esse livro que você leu, eu mal cheguei a metade...Não me senti conectada a ele.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ivi.
    Uma pena que você não tenha tido uma experiência tão legal quanto esse livro.
    Espero que isso não te desanime a ler outros livros da autora, porque são ótimos!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Lamento que sua experiência de leitura tenha sido decepcionante. Mas é bom ter em conta antes de ler qualquer outro livro da autora que não encontrará um suspense daqueles mais modernos. Os livros da Agatha são muito diferentes e com histórias que se desenvolvem que maneira mais lenta.

    Eu sou muito fã da autora, embora ainda não tenha lido A Morte no Nilo. Tenho vários favoritos, mas sempre recomendo Assassinato no Expresso do Oriente e O Misterioso Caso de Styles.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Olá, que pena que esse seu primeiro contato com os livros da autora não superou suas expectativas. Já li outros livros dela mas esse ainda não, achei a premissa bem interessante com essa questão de ser ou não a ex que matou a personagem.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu vejo sempre comentários muito positivos sobre o estilo de escrita da autora, mas até o momento não li nada, porém pretendo reveRter essa situação.
    Eu sou fã dessa pegada de crimes, investigação e todo o suspense que a premissa promete.
    Acredito que seria uma leitura que gostaria de realizar.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Olá Ivi!!!
    Eu li Agatha muito tempo atrás e minha experiência com ela foi muito boa mesmo apenas conhecendo apenas um de seus trabalhos. Uma pena que esse trabalho dela não tenha lhe feito gostar tanto da escrita da autora e tenha deixado você um tanto frustrada.
    Eu não me prenderia a essa história, porque o enredo mesmo não me prende mas caso queira uma indicação acerca da obra da autora eu recomendo "O Caso dos Dez Negrinhos" foi um livro que me encanou e quero reler ele novamente. Além disso, um amigo meu sempre me recomenda "O Assassinato no Expresso do Oriente", então acho que é uma boa pedida.
    De todo modo ótima resenha ^^

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Ola Ivi!

    Confesso que sou apaixonada pela escrita da Agatha e amo esse genero, mas tenho que confessar que há livros excelentes, assim como há livros que deixam a desejar. E esse aparentemente é um exemplo desse né.

    Pena não ter tido uma primeira experiência tão boa com a autora, mas não desiste... ela realmente vale a pena

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ivi ♥
    Já li um livro da Agatha a muito tempo e amei a desenvoltura da escrita.Lendo sua resenha já tenho até minha suspeita de quem assassinou a mulher. É tão ruim quando temos expectativas e elas não são contempladas. Não conhecia esse livro dela, mas pela trama inicial tinha tudo para ser um livro totalmente evolvente e arrasador.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Sou apaixonado por Agatha, seus livros sempre conseguem despertar a atenção porque a própria esceita da autora é instigante em si. Ainda não conhecia este titulo, mas ja coloquei em minha meta.

    ResponderExcluir