28.6.21

O Pintassilgo (Donna Tart)

Ficha Técnica:

Nome Original: The Goldfinch
Autora: Donna Tart
País de Origem: Estados Unidos
Número de Páginas: 721
Ano de Lançamento: 2014
ISBN-13: 9788535924688
Editora: Companhia das Letras
SKOOB | GOODREADS | Compre na AMAZON

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 44º livro lido em 2021 e foi O Pintassilgo (Donna Tart). Meu interesse surgiu ao ver o trailer do filme lançado em 2019 e achei melhor ler o livro antes.

O livro nos traz Theo, que aos 13 anos sobrevive a um atentado terrorista no Metropolitan Museum, em Nova York. Sua mãe morre na explosão e ele sai do museu carregando a pintura que dá nome ao livro, “Pintassilgo”, de Carel Fabritius. O livro começa com esse atentado e após a descrição precisa da autora foi impossível largar a leitura. A cena de um menino de 13 anos que acorda em meio a escombros, seu atordoamento e medo, é brilhantemente descrita. Ninguém percebe que ele saiu do museu carregando uma obra de 1654 em uma sacola e o livro se desenvolve sobre toda a trajetória de Theo até sua maturidade em posse dessa obra sem que ninguém desconfie.


A obsessão pelo quadro marca todo o desenvolvimento do protagonista. Theo não tem uma vida fácil, depois da morte da mãe, passa um tempo vivendo com a família rica de um amigo e após o reaparecimento de seu pai, se muda para Las Vegas. Em Vegas, sua face destrutiva toma forma e é alimentada por um pai vigarista que vive de apostas e o amigo Bóris que passa os dias bebendo e se drogando. Theo não perdoa o pai por tê-lo abandonado e ao mesmo tempo se mantém alheio a sua jogatina, seus altos e baixos. É uma relação delicada entre pai e filho, quase inexistente onde um é incapaz de ver o outro e Theo se mantém à margem pelo trauma. É nesse espaço que a camaradagem com Boris se instala. Boris é o destemido que arrisca e o oposto de Theo, medroso e consumido pelo medo e a insegurança.

O livro é bastante descritivo e um pouco arrastado em alguns momentos. A autora se detém em detalhes do dia a dia para fortalecer a personalidade do protagonista e isso pode deixar alguns leitores cansados porque essa característica se estende por toda a narrativa. Existem momentos muito tensos e sombrios, diversos temas são inseridos ao longo da história como o abuso emocional e físico familiar, bem como a falta de honestidade nas relações interpessoais que também se refletem no trabalho. Aos poucos, a imagem inocente que temos de Theo no início do livro se desbota e ao encararmos o protagonista no final do livro, sabemos que já não guarda mais nada daquele menino.


Eu me envolvi intensamente na leitura, mas também me senti cansada em diversas partes porque é um livro de mais de setecentas páginas com descrições minuciosas que não temos certeza se serão relevantes para o enredo, continuei porque a curiosidade de como o quadro roubado afetaria ainda mais a vida difícil de Theo me manteve ligada ao livro, mas entendo quem pode abandoná-lo por causa das muitas páginas de descrições.

Temos um romance de formação em que acompanhamos um personagem que não conseguimos amar o tempo todo, mas que faz com que nos importemos com suas decisões e de alguma forma, queremos o melhor para ele. Reconheci as fragilidades de Theo como minhas também e por isso, fiz a opção de ficar ao seu lado, ainda que ele não fizesse por merecer.


Eu gostei, mas acho que o livro poderia ter umas duzentas páginas a menos e seria mais conciso nas mensagens pretendidas pela autora.


Um pouco sobre a autora:
Donna Tart nasceu em 1963 em Greenwood, no estado norte-americano do Mississippi, estudou na Universidade do Mississippi e no Bennington College. Foi nessa faculdade que conheceu seu amigo e escritor Bret Easton Ellis e iniciou a criação de seu primeiro romance. No Brasil seus livros publicados são:
  • O Pintassilgo
  • A História Secreta
  • Amigo de Infância


3 comentários:

  1. Eu já estive para comprar esse livro várias vezes e tenho muita vontade de ler, mas ultimamente estou com o tempo curto e por isso me desanima essas mais de 700 páginas. Gostei da sua resenha e tbm de conferir as impressões.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivi!
    Não conhecia esse livro, lendo sua resenha percebi que o livro nos envolve emocionalmente, a história tem um enredo maravilhoso e bem descritas. Parabéns pela resenha fiquei curiosa para conhecer mais de Theo e sua jornada ao descobrimento de sua personalidade, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem? Ah, sempre acho incrível descobrir que existe filme de livros que gostamos tanto. Já vi alguns elogios sobre o livro mas ainda não tive oportunidade. Fiquei bem curiosa para saber mais sobre a jornada do garotinho e como foi sua relação com essa obra de arte durante tantos anos. Obrigada pela dica! Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir