9.9.20

Livros em Forma de Diário


Oi gente que ama livros, hoje venho compartilhar com vocês cinco indicações de livros escritos em forma de diário. 

Vamos conferir?

A Estrela que Nunca Vai se Apagar (Esther Earl): O livro trata-se de uma coletânea de memórias escritas por Esther Earl, uma garota que sofria de câncer e estas memórias foram organizadas em forma de livro pelos pais dela após sua morte. Esther poderia ter sido apenas mais uma garota com câncer pelo mundo, mas foi quem que inspirou John Green no livro A CULPA É DAS ESTRELAS e eu particularmente acredito que este é um dos motivos que tornaram a vida de Esther especial, além de muitos outros que descobri durante a leitura. A vida de Esther não tem nada a ver com a vida da personagem Hazel Grace do livro de John Green, mas eu diria que esse livro teve sucesso em função desta estrela chamada Esther. Se você gostou de A CULPA É DAS ESTRELAS, não tenho a menor dúvida que adorará a leitura de A ESTRELA QUE NUNCA VAI SE APAGAR. Esther serviu de inspiração para uma história que fez milhões de pessoas se emocionarem, mas além disso, deixou um legado que vidas inteiras não conseguem construir: inspirou fãs de Harry Potter a fazerem a diferença no mundo. Uma associação de fãs chamada Harry Potter Aliance foi criada e através do projeto THIS STAR WON'T GO OUT, doações têm sido feitas para ajudar pessoas que sofrem com o câncer e parte do dinheiro é investido em pesquisas para a cura da doença, uma das provas efetivas de como livros podem mudar o mundo. 

Flores Para Algernon (Daniel Keyes): O livro nos traz o Charlie, um homem de 32 anos com severo comprometimento intelectual. Charlie tem Fenilcetonúria e por conseguinte, um Q.I. baixíssimo, mas uma enorme vontade de aprender e “ser inteligente”. Sua grande motivação para aprender o torna a cobaia ideal para um experimento desenvolvido por cientistas em uma universidade: uma neurocirurgia capaz de aumentar a inteligência de um indivíduo. A experiência já foi realizada no rato Algernon e os resultados foram excelentes, então Charlie é submetido ao mesmo procedimento. A cirurgia dá certo e ele começa a se tornar inteligente, mas não consegue administrar essa sabedoria de forma que entenda que a inteligência não traz felicidade. É um livro que deveria ser lido por todo mundo porque nos faz pensar e desejar ser uma pessoa melhor com aquilo que temos: nossa capacidade de empatia e nosso senso de responsabilidade. Todo o processo atravessado por Charlie é meticulosamente registrado por ele em forma de diário e é através destes registros que vemos a evolução do sucesso da cirurgia. Os relatos são íntimos, intensos e extremamente inesquecíveis. Acredito que se essa história tivesse sido contada de outra maneira, não teria sido tão avassaladora.

O Diário de Bridget Jones (Helen Fielding): Li este livro há muito tempo e nunca esquecerei as gargalhadas dadas durante a leitura. Inteligente, sarcástico, hilário e atual, essas características fizeram de O diário de Bridget Jones um grande sucesso de vendas. Escrito na forma de diário, o romance relata um ano na vida de Bridget Jones, uma solteira de trinta e poucos anos, que luta com todas as forças para emagrecer, encontrar um namorado, parar de beber e largar o cigarro. Uma história aparentemente comum, mas narrada em estilo impecável e com extrema sensibilidade. Bridget trabalha em uma editora, mora sozinha, é apaixonada por seu chefe e cultiva o hábito de conversar com amigas que, em torno de uma mesa de bar, sempre têm soluções teóricas para todos os problemas. É impossível ler este diário e não se identificar com a protagonista. O mundo está mesmo repleto de Bridgets e por causa disso, sua adaptação para o cinema fez um sucesso absurdo, dando espaço para uma sequência que fez tanto ou mais sucesso que o primeiro filme. Adoro este livro e amo a Bridget!!!

O Diário de Zlata (Zlata Filipovich): Zlata era uma garota entrando na adolescência durante a guerra da Bósnia, conflito armado entre abril de 1992 e dezembro de 1995. De acordo com numerosos relatos do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia, os países envolvidos no conflito foram a Bósnia e a República Federal da Iugoslávia (Sérvia e Montenegro, mais tarde), bem como a Croácia. A guerra foi causada por uma combinação complexa de fatores políticos e religiosos: o fervor nacionalista, crises políticas, sociais e de segurança que se seguiu ao fim da Guerra Fria e a queda do comunismo na antiga Iugoslávia. Também devido ao envolvimento dos países vizinhos como a Croácia e a Sérvia e Montenegro, houve longa discussão sobre o conflito ser uma guerra civil ou de agressão. A maioria dos bosníacos, croatas, muitos políticos ocidentais e organizações de direitos humanos alegam que foi uma guerra de agressão com base no Acordo de Karađorđevo entre os sérvios e croatas, enquanto os sérvios geralmente consideram que se tratou de uma guerra civil. Caso você tenha achado minha descrição do conflito muito chata, saiba que neste livro em forma de diário, Zlata nos conta essa história sem um pingo de tédio. As descrições são didáticas e interessantes, apesar de melancólicas. O livro é uma maneira interessante para contar uma parte da história contemporânea que muita gente desconhece.

A Filha Ideal (Aione Simões): O último livro que li neste formato e que inspirou este post foi o último trabalho da Aione que foi publicado na plataforma do Kindle e em formato de diário e artigos de reportagens. O livro conta a história de Yasmin, uma jovem de vinte e poucos anos que desde a infância é uma cantora amada no Brasil. Ela sempre fez sucesso e arrebatou os fãs, sendo empresariada pelo pai que infelizmente, após alguns investimentos mal sucedidos, perdeu muito dinheiro e para se reequilibrar precisa que Yasmin se mantenha  fazendo sucesso, porém isso acontece quando ela decide que está na hora de reinventar sua própria carreira e descobrir sua verdadeira posição no mundo. O livro ainda traz um romance interessante e nos prende da primeira a última página. A maneira como essa história nos é contada me pegou desprevenida porque através de um diário é praticamente entrar na alma da protagonista e conhecer todos os seus segredos e isso traz uma proximidade singular com todo o enredo. Eu adorei a experiencia!! 




Essas foram as minhas indicações de livros em forma de diário e eu particularmente adoro este tipo de estrutura para me contar uma história. Pode ser romance, drama ou qualquer outro gênero, este formato sempre me desperta curiosidade. 

Já leram alguns desses livros? Esqueci de citar algum? Deixe nos comentários quais são os seus livros favoritos em forma de diário porque vou adorar conferir.

Beijos

13 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi, oi, Ivi!

    Estou louca pra ler Flores para Algernon. Todo mundo que leu se inundou em lágrimas e faz muito tempo que não me emociono com um livro. Mas além disso, pelas resenhas que li sobre ele, é um livro muito mais que emocionante, mas muito humano. Eu amo livros assim, sabe? Então esse é um livro que me despertou curiosidade recentemente e eu não fazia ideia de que ele é em formato de diário.
    Bridget Jones, só pelo filme, dou boas risadas, imagina lendo o livro. Hahaha Espero ter a oportunidade de ler um dia, deve ser uma leitura super gostosa depois de uma ressaca literária ou pra se distrair mesmo. Ás vezes é bom ter um livro mais descontraído.

    Recentemente li o clássico Drácula de Bram Stoker que é escrito através de diários das personagens, recortes de jornais e etc. Não me lembro de ter lido outro livro assim, pra ser sincera, então foi uma experiência diferente pra mim. Ainda nesse formato, estou com o Diário de Anne Frank na lista de leitura, outro clássico.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ivi,

    Ainda não li nenhum desses livros, nem mesmo O Diário de Bridget Jones, apesar de ter o livro em casa. kkkk
    Mas estou muito interessada em ler Flores para Algernon. Estão comentando muito bem sobre esse livro.
    Aliás, não lembro de nenhum livro que eu tenha lido recentemente que tenha sido em forma de diário.

    ResponderExcluir
  4. Olá,Ivi.

    Eu já li vários livros nesse estilo, pena não vir nenhuma indicação na cabeça no momento.
    O livro da Esther é muito emocionante e a edição é maravilhosa!

    ResponderExcluir
  5. Olá Ivi!
    Não me recordo de livros que eu li que são inteiramente neste formato, mas nas obras A Paciente Silenciosa e Garota Exemplar as protagonistas possuem diários e eu gostei muito desse recurso para a exposição de ideias dos personagens, pois além de ser fácil acaba sendo mais intimista.
    E com essas dicas não parece ser diferente! O Diário de Bridget Jones é bastante elogiado e parece ser uma leitura bem divertida e leve. A Filha Ideal também me chamou atenção, até porque a Aione é uma querida.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ivi!
    Dos livros que você citou só li o da Bridget, e foi nesse ano! Eu adorei, é muito engraçado mesmo e super atual. Confesso que o filme não me agradou tanto assim, mas estou ansiosa para ler as continuações. Estou extremamente tocada com a história de A Estrela que Nunca Vai se Apagar, não sabia da relação com o livro do John Green! Ah, e já quero ler Flores para Algernon também. Não posso deixar de citar Diário de um banana, que foi uma das primeiras séries literárias que eu li, e O diário de Nisha, uma história muito emocionante sobre a Partição da Índia.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Nunca li nenhum livro nesse tipo de formato, apesar de ter vontade de ler algum. Ainda não li nenhum nesse estilo por não achar nenhum livro que eu verdadeiramente me veja interessado. No entando, já li no formato de cartas, que foi o caso de As Vantagens de Ser Invisível, e amei!

    ResponderExcluir
  8. Já li algumas obras nesse formato e agora o próximo que preciso ler urgente é "Flores para Algernon" que está na minha estante. Essas leituras são rápidas e me atraem demais.

    ResponderExcluir
  9. Eu não sou muito fã de livros com esse formato. Já li uns 2 e outro em doendo de cartas e achei meio chato.
    Acho que vai de leitor para leitor né?
    Mas gostei de ver as dicas aqui no seu blog. Tô vendo muita gente falando super bem desse Flores para Algernon... Quem sabe eu não arrisco e acabo mudando de ideia?!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ivi.
    É engraçado, O Diário de Zlata eu li no ônibus, vindo do interior para SP, grávida de 7 meses da minha primeira filha. Chorei a viagem toda!! Quando minha filha fez 14 anos eu dei o livro para ela ler. Ela amou. Quando tava lendo sua resenha, foi como fazer essa viagem de novo! Maravilhosa experiência. Flores para Algernon está na estante. Esse ano acredito que não vou conseguir ler, mas pretendo encaixá-lo no ano que vem.

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/2020/09/resenha-o-livro-do-cha_5.html

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ivi! Tudo bem?
    Já conhecia todos os livros que você citou, mas confesso que ainda não li nenhum. Na verdade, os únicos livros que lembro de ter lido que são em formato de diário foram os da série O diário da princesa e O diário de Mr. Darcy. Dos que você citou, estou muito curiosa para conhecer Flores para Algernon, que é muito elogiado, e o da Aione Simões. Adorei o post e as indicações.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Que eu me lembre, o único que li nesse estilo foi O Diário de Bridget Jones que gostei muito. Os demais conheço so ppr nome, mas são ótimas opções. Ahh, outro que li foi O diário de Anne Frank e me marcou muito.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Ivi!
    Acredito que nunca li livros em forma de diário, pelo menos não me recordo no momento... Das suas cinco indicações conheço apenas O Diário de Bridget Jones e A Filha Ideal, confesso que não tenho interesse em ler esse primeiro mas quero ler esse segundo, acompanho a Aione Simões pelo seu blog e canal no YouTube e tenho muita curiosidade em conhecer sua escrita... Abraços!

    ResponderExcluir