13.7.20

Os Miseráveis (Victor Hugo)

Ficha Técnica:
Nome Original: Lés Miserables
Autor: Victor Hugo
País de Origem: França
Tradução: Regina Célia de Oliveira
Número de Páginas: 1512
Ano de Lançamento: 1862
ISBN-13: 9788544000007
Editora: Martin Claret

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 47º livro lido em 2020 e foi Os Miseráveis (Victor Hugo). Eu quero ler este livro há muito tempo, mas nunca tive a oportunidade em função de não tê-lo e também pelo livro ser muito caro, até que me permiti gastar uma pequena fortuna nessa edição linda e me aventurar nesta história.

O livro nos traz Jean Valjean um homem que rouba um pedaço de pão levado pelo desespero e por isso foi condenado a trabalho forçado nas galés (que podemos entender como uma penitenciária) e teve que cumprir uma sentença de dezenove anos por causa de inúmeras tentativas de fuga. Quando termina sua pena e é colocado em liberdade, percebe que a condição de ex-prisioneiro nunca o abandonará e decide mudar de nome. É então que conhece Fantine, uma mulher que também teve uma vida difícil, tendo que deixar sua filha, Cosette aos cuidados de estranhos. Antes que Jean possa ajudá-las, o inspetor Javert se coloca no encalço dele, determinado a levá-lo a justiça por novos delitos. Anos depois, a vida destes personagens se cruza com o jovem Marius, um estudante engajado com a Revolução de 1832. 


A primeira observação que faço antes de entrar propriamente na resenha do livro é que esse resumo do parágrafo anterior é relativamente pobre se pensarmos na profundidade desta trama, bem como em todas as camadas que este enredo nos traz.

O primeiro fator que chama a atenção é como a narrativa do autor é fluida e envolvente, não dá a menor impressão de ser um livro publicado há mais de cento e cinquenta anos. Assim, mesmo que o início do livro demore cerca de cem páginas para realmente engrenar, o leitor não sente essas páginas pesarem, ainda mais por apresentarem um personagens interessantíssimos.
“O que é essa história de Fantine? É a sociedade comprando uma escrava. De quem? Da miséria. Da fome, do frio, do isolamento, do abandono, da privação. Dolorosa negociação. Uma alma por um pedaço de pão. A miséria oferece, a sociedade aceita. [...]. Dizem que a escravidão desapareceu da civilização europeia: é um erro. Existe ainda, mas não pesa senão sobre a mulher, e chama-se prostituição.” (página 229)
Quando Hugo começa a desenvolver o plote principal da história, a aventura se torna intensa e frenética, com paradas estratégicas para nos dar um panorama da sociedade da época, bem como do cenário político que a França atravessava. O autor faz uma reflexão sobre a miséria sem poupar o leitor, mostrando como os mais diversos personagens perdem sua humanidade pouco a pouco. A partir do momento em que se é ignorado socialmente e as necessidades mais básicas não são atendidas, o ser humano regride aos seus impulsos mais selvagens. E quem pode julgá-lo? É com uma narrativa sutil e tocante que somos apresentados a um quadro doloroso, sendo impossível não sentir um aperto no coração vendo dramas tão intensos e injustos. 


O ponto alto do livro certamente é a crítica social contundente que acompanhamos ao longo da jornada dos personagens, expondo diversas feridas de nossa sociedade como a pobreza, a criminalidade, a injustiça, o abuso infantil, a prostituição e a forma como tratamos pessoas menos favorecidas. Apesar do autor não dar nenhuma lição de moral, a trama é tão forte e impactante que equivale a uma sucessão de “tapas na cara”. Ao mesmo tempo em que emociona, Os Miseráveis também causa desconforto por revelar uma realidade amarga para a qual fechamos os olhos muitas vezes. 

A construção dos personagens também merece destaque. É impressionante como o autor consegue criar personagens tão reais e vívidos, de modo que o leitor entende suas motivações e ações. Protagonista e antagonista nas pessoas de Jean e Javert são os que mais me deixaram satisfeitas com seus desenvolvimentos. Conseguimos ver as nuances entre o herói e o vilão, sendo que nem um e nem o outro podem ser definidos por estes rótulos. Jean não é perfeito e Javert não é o demônio.
“De sofrimento em sofrimento, chegou, pouco a pouco, à convicção de que a vida é uma guerra; guerra em que o vencido era ele. A única arma que possuía era seu ódio. Resolveu afiá-la na prisão e levá-la consigo quando fosse embora.” (página 129)
Um ponto que pode incomodar muitos leitores são as chamadas digressões do autor para explicar determinadas coisas que não estão ligadas diretamente a história dos personagens. Existem capítulos imensos para explicar batalhar e condições políticas que podem cansar o leitor mais afoito por aventura e ação. 

O livro é imenso e essa talvez seja a maior característica que afaste os leitores. O fato de ser um clássico universal também é algo que muitos leitores não simpatizam, porém, a leitura é avassaladora em muitos aspectos e ainda que a história possa te consumir dias e até semanas, te garanto que a experiência será grandiosa. Temos uma história rica que traz uma discussão importantíssima sobre consciência de classe.

Enfim, é um livro que vale a pena cada uma das 1512 páginas que esta edição possui. 

Eu amei!!!


Um pouco sobre o autor: Poeta, dramaturgo e romancista, Victor Hugo é um dos mais importantes escritores franceses do período romântico. Terceiro filho de um major que, mais tarde, se tornaria general do exército napoleônico, Victor Hugo passou a sua infância entre Paris, Nápoles e Madrid. Em 1821, ano do seu casamento com uma amiga de infância, Adèle Foucher, publicou o seu primeiro livro de poemas, com o qual ganhou uma pensão, concedida por Louis XVIII. Um ano mais tarde publicaria o seu primeiro romance. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:
    • Os Trabalhadores do Mar
    • Os Miseráveis
    • O Corcunda de Notre Dame
    • Noventa e Três
    • A Lenda do Belo Pecopin e da Bela Bauldour
    • Almas Crucificadas
    • O Homem Que Ri
    • O último dia de um condenado à morte
    • Conversando Com a Eternidade
    • Do Grotesco e do Sublime
    • O Solar de Apolo
    • Na Sombra e na Luz
    • Redenção
    • O Ogro da Rússia
    • Dor Suprema

11 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Eu tenho bastante curiosidade de ler esse livro, mas confesso que o tamanho me assusta, hahaha. Adoreia resenha e as fotos!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Oii!!

    Uau, que legal ler sobre essa obra nos dias de hoje. Eu confesso que clássicos não são minha praia, mas normalmente é o problema é a escrita que acaba sendo rebuscada demais e acaba me afastando.

    É engraçado e triste que algumas criticas em livros tão antigos ainda caibam nos dias de hoje né?

    Gostei da resenha.

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ai que inveja de ler esse livrão, ta um clássico que quero ler, mas ao mesmo tempo morro de preguiça confesso hahaha e essa edição é maravilhosa....
    https://quemevcbrubs.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Já li esse livro, mas não lembro mais de seus detalhes, só lembro que na época amei a leitura. Lendo sua resenha me despertou a vontade de reler ele, embora seja um calhamaço de respeito.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Realmente para mim, em Os Miseráveis existem dois obstáculos: o número de páginas e o fato de ser um clássico. Enfim, ainda espero em uma férias da vida conseguir pegar ele para ler, porque posso ver que será uma experiência única. A edição é realmente linda né?! Fico babando nela haha Adorei a sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oizinho, tudo bem? O tamanho do livro realmente assusta, mas penso eu que não é uma leitura de ler de uma vez assim, tendo que absorver tudo que é falado. É ler aos poucos mesmo, até chegar ao final. Eu conheço o livro, por ser um clássico, e tenho muita vontade de ler. Beijos!

    www.livroapaixonado.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Olha admiro quem lê obras assim tão gigantes. Acredito que nunca li nada parecido. O máximo que consegui foram 600 páginas mas era um thriller então quando piscamos os olhos o livro já acabou. Bem diferente desse que traz tantos temas delicados como crítica social e miséria. É preciso ler absorvendo pedacinho. Quem sabe um dia tente novamente. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  8. Olha, confesso que o livro me deixa "com um pé atrás" pela quantidade de páginas apresentadas, mas sempre que vejo alguma resenha, me chama atenção, assim como a sua. Fiquei realmente intrigada para conhecer mais sobre a obra, principalmente por saber das críticas sociais que o livro apresenta. Quem sabe, um dia, eu dê uma chance e me conquiste tanto assim!

    ResponderExcluir
  9. Eu acho essa edição da Martins Claret de uma riqueza sem tamanho, é linda demais! Queria ter coragem de ler mas o tamanho acaba me assustando, sabe? Espero tomar coragem porque parece ser incrível.

    ResponderExcluir
  10. Olá Ivi, tudo bom?
    AAA, fico tão feliz em saber que gostou desse livro, que é um dos meus favoritos da vida ♥ Concordo plenamente com tudo o que disse. A construção dos personagens, a crítica social, a forma como Victor Hugo consegue levar o enredo, tudo é incrível ♥ Em relação as digressões, elas realmente podem ser um problema para muita gente (por 'saírem' da história e por serem extensas), mas eu, como a pessoa estranha que sou, achei bem interessante kkk
    Sua resenha ficou incrível ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Comecei uma leitura coletiva da obra, mas não consegui acompanhar. Irei fazer um projeto solo da obra, ano que vem e irei tentar ler de janeiro até maio. Preciso ler esse livro, sinto que estou perdendo uma leitura e tanto, pois o pouco que li, já me deixou fascinado.

    ResponderExcluir