30.7.20

Indicação de livros sobre o Tráfico Humano


Oi gente que ama livros, hoje, dia 30 de julho é o dia mundial de enfrentamento ao Tráfico Humano

Sob promessas de oportunidades de trabalho remunerado, homens e mulheres, jovens e adolescentes veem seus sonhos serem substituídos por trabalho forçado, exploração sexual, escravidão e até remoção de órgãos. Esta é a realidade das vítimas de organizações criminosas que atuam no tráfico de pessoas em várias partes do mundo, inclusive no Brasil. Ambições saudáveis, como a busca por sucesso profissional e conquistas financeiras, transformam-se em iscas ideais para as quadrilhas que chegam a movimentar mais de 30 bilhões de dólares, com a exploração de aproximadamente 2,5 milhões de pessoas, segundo dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime.

Pensando nesse dia, me dei conta que nunca li um livro que abordasse essa temática e quero compartilhar com vocês algumas indicações com as sinopses de livros de ficção e não ficção que garimpei pela internet.

Vamos conferir?

De Olho no Tráfico Humano (Fernando Carrara)
Um tema bastante discutido na atualidade, o tráfico de pessoas encontra na proposta desse livro um meio adequado para dialogar com os jovens, fazendo com que enfrentem essa questão com criatividade e boa vontade. Após assistir a alguns vídeos com relatos de pessoas vítimas de tráfico humano, o professor Edson tem a ideia de usar sua profissão como ferramenta para praticar alguma ação eficiente e possível contra esse terrível crime.  Propõe um trabalho para que seus jovens alunos enfrentem essa questão com criatividade e boa vontade, seja por meio de produção de textos, da participação em alguma ONG e até da internet.






O Ano Em Que Trafiquei Mulheres (Antonio Salas)
Com sangue frio, lutando contra seus próprios sentimentos, Antonio Salas se fez passar por traficante de mulheres durante um ano em busca das peças para montar o quebra-cabeça que este livro desvenda: o sórdido e lucrativo (para alguns) mercado do sexo. Com uma câmera oculta, aproximou-se de cafetões e prostitutas de todos os níveis para revelar o que acontece dentro e, principalmente, fora das quatro paredes. Salas levou a experiência ao extremo: chegou a negociar a compra de mulheres e até de meninas virgens de 13 anos.








Que eu Seja a Última (Nadia Murad) 
Nestas intimistas memórias de sobrevivência, uma ex-prisioneira do Estado Islâmico conta a sua angustiante e inspiradora história. Em 15 de agosto de 2014, quando Nadia tinha apenas 21 anos de idade, sua vida terminou. Os terroristas do Estado Islâmico massacraram o povo de sua aldeia, executando os homens que se recusaram a se converter ao Islã, e as senhoras idosas demais para se tornarem escravas sexuais. Seis dos irmãos de Nadia foram mortos, e pouco depois, sua mãe. Os corpos foram jogados em valas comuns. Nadia foi transportada à força a Mossul e, junto com milhares de outras moças iazidis, vendida como escrava pelo Estado Islâmico. Nadia fora mantida em cativeiro por vários terroristas e passou a ser continuamente estuprada e espancada. Contudo,  conseguiu fugir pelas ruas de Mossul, encontrando guarida no lar de uma família muçulmana sunita, cujo filho mais velho arriscou a vida para contrabandeá-la a um local seguro. Hoje, a história de Nadia — como testemunha das atrocidades do Estado Islâmico, sobrevivente de estupro, refugiada, iazidi — forçou o mundo a prestar atenção ao genocídio em andamento no Iraque. É um chamado à ação, um testamento à vontade humana de sobreviver e uma carta de amor a um país perdido, uma comunidade frágil e uma família destroçada pela guerra.

Sempre (J.M. Darhower)
Haven Antonelli e Carmine DeMarco cresceram em mundos completamente diferentes. Haven é uma adolescente de 17 anos que nunca conheceu a liberdade. Desde a infância, ela e sua mãe são escravas, vítimas de uma rede de tráfico humano. Carmine, nascido em uma família rica da máfia, viveu uma vida de privilégios e excessos. Agora, uma reviravolta do destino faz com que seus caminhos se cruzem. Apesar das diferenças aparentes, algo mais sutil os une. Da tênue amizade entre os dois floresce uma paixão inesperada e arrebatadora. Enredados numa teia de segredos e mentiras em que o poder e o dinheiro ditam o jogo, o jovem casal logo percebe que é preciso se sacrificar para conquistar a liberdade e o direito ao amor.



Tráfico de Anjos (Luiz Puntel)
Quem diria, um recém-nascido acaba de desaparecer da maternidade! O que aconteceu? Para onde foi levado? A partir deste intrigante começo, Luiz Puntel escreveu Tráfico de anjos - uma história eletrizante que vai empolgar você com as peripécias de Aquiles, repórter de televisão, e Flávia, sua namorada. Empenhados em desvendar o misterioso desaparecimento de bebês, eles seguem todas as pistas e descobrem coisas de cair o queixo. Afinal, para onde vão os anjos? É você mesmo quem vai responder a esta pergunta, depois de sentir muita emoção com esta aventura fascinante.







Ainda não li nenhum dos livros, mas coloquei todos na minha lista de leitura e espero que seja proveitoso e esclarecedor. Vocês já leram algum livro que abordasse esse crime? Se sim, deixe a dica nos comentários para mim, vou adorar conferir.

Beijos

5 comentários:

  1. Acredita que eu nunca li nenhum livro com essa temática? Sem dúvidas, ele deve abordar tudo de uma forma bem impactante e até mesmo angustiante. Deixei as dicas anotas e espero ler alguma em breve.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Não sabia que existia um dia sobre isso, e confesso que nunca li nenhum livro com essa temática. Adorei as dicas, tentarei ler em breve!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    O livro Sempre eu tenho já há algum tempo, mas nunca parei pra ler.
    Gosto desse tipo de conteúdo, é uma realidade monstruosa, que infelizmente vem ganhando ainda mais campo pelo mundo, pela facilidade do dinheiro que esses tráficos lhe beneficiam.
    Blog Manuscrito de Cabeceira
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ivi!!!
    Eu tenho um problema com essa temática por causa que eu acho um tema forte e bem pode causar algumas sensações por conta do tema mesmo.
    Eu sei que tem um filme brasileiro que trata sobre isso e que não lembro nome, mas que trata do tráfico de meninas (crianças) para que elas sejam vendidas para serem objetos sexuais (o que até hoje me dar embrulho no estômago).

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Ivi, tudo bem?
    De todos esses livros que tu garimpou pela internet desse tema, só li "Tráfico de Anjos" quando eu era bem mocinha. Lembro que fiquei bem horrorizada com o fato de que existia, e existe, gente capaz de comprar uma criança com o intuito de adotar. Se por um lado eu entendo a burocracia que existe no processo de adoção em várias partes do mundo, por outro fica difícil aceitar que há seres capazes de achar aceitável ganhar dinheiro à custa de explorar outros seres humanos dos jeitos mais variados e horríveis.
    Um beijo de fogo e gelo da Lady Trotsky...
    http://wwww.osvampirosportenhos.com.br

    ResponderExcluir