21.6.21

A Gangue dos Sonhos (Luca di Fulvio)

Ficha Técnica:

Nome Original: La gang dei sogni
Autora: Luca di Fulvio
País de Origem: Itália
Tradução: Reinaldo Francisco
Número de Páginas: 592
Ano de Lançamento: 2019
ISBN-13: 9788554126278
Editora: Vestígio
SKOOB | GOODREADS | Compre na AMAZON

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 42º livro lido em 2021 e foi A Gangue dos Sonhos (Luca di Fulvio). Meu interesse pelo livro surgiu ao ver a indicação dele no canal da Vitória Dozzo. Eu estava em busca de um livro que não se passasse nos Estados Unidos ou na Inglaterra e como o autor deste livro é italiano, decidi arriscar, porém, embora os protagonistas sejam de fato italianos, 95% do livro acontece nos Estados Unidos. Isso me desapontou? Quando me dei conta disso, já estava envolvida demais no enredo para pensar neste detalhe. 

O livro nos traz Cetta Luminita, uma garotinha filha de camponeses do interior da Itália. Com o passar dos meses, a mãe de Cetta percebe que ela se tornará uma linda mulher e com medo que a filha seja abusada pelo patrão que já a olha com malícia, simula que Cetta manca após um acidente. Isso não salva Cetta da violência masculina porque ela é violentada por um outro homem e esse estupro gera uma gravidez. Muito assustada com tudo isso, Cetta decide fugir da Itália para os Estados Unidos e embarca em um navio que cruza o oceano. Ela sonha com uma vida melhor na América com o filho batizado com o nome de Natale, mas que recebe o nome de Christmas ao chegar nos Estados Unidos e Cetta tenta de todas as maneiras dar uma vida digna ao filho, por mais impossível que isso possa ser.


O enredo se desenvolve sob três linhas temporais: Cetta chegando aos Estados Unidos e tendo que se prostituir para sustentar a si e ao filho. Christmas na adolescência, driblando a violência do gueto em que mora e tentando fundar sua própria gangue. E Bill, grande vilão da história que cruzará o caminho de Christmas ao espancar e violentar uma menina, Ruth, salva por Christmas, que se apaixona por ela.

O livro é um romance histórico que traz muita violência ao contar a história do começo do século XX nos Estados Unidos com um grande êxodo de europeus para o novo continente, bem como de países latinos que veem nos Estados Unidos a realização do sonho de viver bem, com trabalho e dinheiro. O livro desenvolve a história de Cetta, Christmas e Bill inserindo detalhes históricos interessantes na vida deles como a evolução da indústria automobilística e o surgimento do cinema e do sonho de muitos se tornarem astros de Hollywood.

O livro é extremamente gráfico ao descrever a violência de uma sociedade que tenta se erguer sem regras e respeito e talvez por isso eu tenha dado quatro estrelas para o livro, mesmo tendo adorado a história. Por exemplo, sabemos que Bill tem um comprometimento mental seríssimo, resolve tudo com muita violência e suas ações são sempre descritas no livro, o que o torna repetitivo. Sabemos que qualquer personagem que se colocar entre ele e seu objetivo vai sofrer muito e o autor deixou isso bem claro. Além da violência cometida pelo antagonista da trama, vemos a violência em todas as outras relações, bem como a ignorância que a acompanha. 


O livro humaniza determinados personagens que fora de contexto seriam massacrados pelo leitor e em contrapartida nos faz analisar o que leva o ser humano a acreditar em seus sonhos e a não desistir deles.
Foi uma leitura intensa, forte, avassaladora e que me envolveu do começo ao fim. Este é mais um daqueles livros que eu não sei não são divulgados e promovidos, pois tem uma história bem contada, com base histórica relevante e traz reflexões humanas muito pertinentes a qualquer época da vida. O livro também coloca o racismo e a xenofobia no centro da trama e nos leva a pensar sobre o quanto isso foi e continua sendo muito negativo para o mundo.

Eu adorei!


Um pouco sobre o autor:
Luca Di Fulvio é um dramaturgo italiano, nascido em Roma em 1957. Escreveu dez romances, dois dos quais foram adaptados para o cinema (L’impagliatore – Olhos mortais no Brasil – e La scala di Dioniso). Tornou-se um fenômeno internacional com os sucessos de A gangue dos sonhos, La ragazza che toccava il cielo [A garota que tocou o céu] e, mais recentemente, Il bambino che trovò il sole di notte [O menino que encontrou o sol à noite]. No Brasil, apenas A Gangue dos Sonhos foi publicado.

3 comentários:

  1. Oi Ivi!

    Não tenho muito hábito de ler romances históricos, mas o pouco que li as histórias foram incríveis. Estou conhecendo este livro através da sua opinião e fiquei com muita vontade de lê-lo. Ainda mais sabendo que a leitura foi forte e avassaladora, com temas importantes que merece atenção. Valeu pela dica. Adorei!

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ivi! Tudo bem?
    Eu já tinha visto a capa desse livro e me chamou a atenção porque me lembrou de outro que li há muitos anos. Mas lendo sua resenha percebi que os dois não têm nada em comum. Pelo que vi da sua resenha, parece ser uma leitura muito intensa e tocante. Como eu ando muito sensível nos últimos tempos, não sei se conseguiria ler agora. Mas fiquei muito curiosa para conhecer essa história e vou anotar a dica para ler em outro momento. Amei a indicação e conhecer sua opinião sobre a leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá Ivi, tudo bom?
    De cara o pano de fundo histórico desse livro já me agrada muito e só por este eu já daria uma chance a história. Agora, após ler sua resenha, sabendo que por alguns detalhes o livro não foi cinco estrelas, a vontade de ler só aumenta.
    Curti muito saber da humanização desse personagem que em outro contexto seria massacrado. Já coloquei o livro na minha lista de futuras leituras.
    Beijos!

    ResponderExcluir