15.7.19

Novembro de 63 (Stephen King)

Ficha Técnica:
Nome Original: 11/22/1963
Autor: Stephen King
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Beatriz Medina
Número de Páginas: 727
Ano de Lançamento: 2011
ISBN-13: 9788539005277
Editora: Suma de Letras
SKOOB | GOODREADS | Compre na AMAZON

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 52º livro lido em 2019 e foi Novembro de 63 (Stephen King). Geralmente eu leio um livro do autor por ano, mas depois da experiência arrebatadora de ler O Cemitério, decidi que queria conhecer mais de sua imensa lista de livros publicados e minha escolha foi este livro, elogiado generosamente por todas as pessoas que o leram.

O livro nos traz o Jake Eppings, professor de Inglês que enquanto corrigia redações com o tema “o dia que mudou suas vidas” de seus alunos do supletivo, se deparou com a chocante história de Harry Dunning, o zelador da escola. Em 1958, o pai de Harry chegou bêbado em casa e matou toda a família com uma marreta, restando apenas Harry e sua irmã mais nova que ficou em coma e morreu três anos depois. Mesmo com a simplicidade da redação e inúmeros erros quanto à gramática, Jake não conseguiu não se emocionar com aquele e relato. 


Jake tem um amigo, o Al Templeton, dono de um pub local muito conhecido pelos preços baratos de seus hambúrgueres e um dia acontece algo extremamente estranho com Al, que mostra para Jake que existe uma passagem para o passado dentro do seu estabelecimento, exatamente para 1958. Al decide mostrar aquilo com um objetivo claro: Jake precisa ir para o passado e ficar lá até 1963 para impedir o assassinato de John Kennedy, presidente dos Estados Unidos que seria morto em um ataque. É claro que Jake fica completamente cético em relação a isso, mas acaba indo para o passado para ter a prova que Al estava falando a verdade. Entretanto existem algumas regras sobre isso: toda vez que alguém vai para o passado usando aquela passagem e retorna ao tempo presente, fica impedido de ir novamente porque se for, toda e qualquer mudança que executou no passado será anulada e o tempo se reiniciará como se nada tivesse acontecido. Al tentou evitar o assassinato de Kennedy, porém não teve tempo o suficiente, precisa que alguém vá e escolhe Jake. Jake vai, mas com um objetivo diferente: impedir o massacre que matou a família de Harry Dunning.

O livro então irá se desenvolver em Jake ir para o passado, tentar salvar a família de Harry e se puder, impedir a morte de Kennedy. Não importa quanto tempo Jake fique no passado porque no tempo presente terá passado apenas dois minutos. Acreditando que tudo dará certo, Jake vai e claro, nem tudo sai como ele imaginava e muitas coisas acontecem com ele, inclusive conhecer o amor da sua vida que é casada com um homem que sofre de TOC. Como na época não existia diagnóstico para isso, a doença tem consequências sérias para todas as pessoas envolvidas.

Eu comecei a ler o livro sem saber muita coisa do enredo. Já tinha lido e visto muitos elogios para o livro, mas acreditava apenas que era uma viagem no tempo, algo um pouco parecido com tudo o que já lemos e assistimos de ficção científica, mas, na verdade, o livro é um romance histórico que esmiúça a história dos Estados Unidos no período mencionado e nos traz um protagonista maravilhoso que nos faz rir e sofrer na mesma proporção.


Jake tem dificuldades para se adaptar ao passado, mas, ao mesmo tempo, se sente muito confortável em uma época que não existiam redes sociais e que a tecnologia não interferia tão duramente na vida das pessoas, onde as pessoas confiavam mais nos seus semelhantes. No entanto, ele também encontra um país onde existe o racismo oficial e o machismo é presente em todas as esferas. Se por um lado a vida é mais saudável, por outro, a sociedade ainda é selvagem.

O livro é imenso e em alguns momentos a leitura ficou um pouco arrastada, mas quando entendi o objetivo final do autor, foi impossível não ler linha por linha, ansiosa pela conclusão e quando ela chega, é consistente e muito bem amarrada.

Os personagens são muito bem desenvolvidos e o autor não tem pressa em nos apresentar cada um deles. Jake é maravilhoso com todos os seus erros e acertos. Em sua vida no passado ele adotou um novo nome – George Amberson – e, de certa forma, uma personalidade diferente da que ele tinha. Não que ele tenha inventado completamente um personagem, mas trouxe à tona um lado que nunca conseguiu demonstrar em sua “vida real”. Eu gostei da determinação dele em salvar os Dunning e todos os outros que encontrou pelo caminho, mesmo que aquilo pudesse ter resultados trágicos no futuro. Às vezes ele era chato, arrogante, irresponsável, mas em nenhum momento foi leviano.


Os personagens que sustentam o protagonista são excelentes também. Harry Dunning desperta a sua empatia logo que aparece. Al Templeton é irritante e à princípio egoísta, mas deixa claro porque politicamente é importante que o presidente seja salvo. Sadie é uma bibliotecária por quem Jake se apaixona quando já começava a arquitetar seu plano para deter o assassino. Ela é uma mulher doce e divertida, posso dizer que foi uma das minhas personagens favoritas. Por último, Lee Harvey Oswald, o assassino. O autor se permitiu uma licença poética para compor alguém que de fato existiu e o desenvolveu de forma plana para que pudéssemos odiá-lo do começo ao fim.

Concluindo, o livro é muito bom. O enredo te ganha logo no começo e só te liberta quando você está lendo o posfácio, parte que o autor reservou para falar do intenso trabalho de pesquisa que precisou fazer para desenvolver esta narrativa. É um livro que tem aventura, perseguição, romance, sensualidade e a jornada de um protagonista com todos os elementos necessários para segurar uma trama de setecentas páginas.

Eu adorei!


Um pouco sobre o autor: Stephen Edwin King é um escritor americano, reconhecido como um dos mais notáveis escritores de contos de horror fantástico e ficção de sua geração. Os seus livros venderam mais de 350 milhões de cópias, com publicações em mais de 40 países. Alguns dos seus livros do autor publicados no Brasil:

1974 - Carrie (Carrie)
1975 – A Hora do Vampiro (Salem’s Lot)
1977 – O Iluminado (The Shining)
1978 – A Dança da Morte (The Stand)
1979 – A Zona Morta (The Dead Zone)
1980 – A Incendiária (Firestarter)
1981 – Cão Raivoso (Cujo)
1983 – Christine (Christine)
1983 – O Cemitério (Pet Sematary)
1983 – A Hora do Lobisomem (Cycle of the Werewolf)
1984 – O Talismã (The Talisman, escrito com Peter Straub)
1986 – A Coisa (It)
1987 – Os Olhos do Dragão (The Eyes of the Dragon)
1987 – Angústia (Misery)
1987 – Os Estranhos (The Tommyknockers)
1989 – A Metade Negra (The Dark Half)
1990 – A Dança da Morte (expandida) (The Stand: The Complete & Uncut Edition)
1991 – Trocas Macabras (Needful Things)
1992 – Jogo Perigoso (Gerald’s Game)
1992 – Eclipse Total (Dolores Claiborne)
1994 – Insônia (Insomnia)
1995 – Rose Madder (Rose Madder)
1996 – À Espera de Um Milagre (The Green Mile)
1996 – Desespero (Desperation)
1998 – Saco de Ossos (Bag of bones)
2001 – O Apanhador de Sonhos (Dreamcatcher)
2001 – A Casa Negra (Black House, escrito com Peter Straub)
2002 – Buick 8 (From a Buick 8)
2006 – Celular (Cell)
2006 – LOVE: A História de Lisey (Lisey’s Story)
2008 – Duma Key (Duma Key)
2009 – Sob a Redoma (Under the Dome)
2011 – Novembro de 63 (22/11/63)
2013 – Doutor Sono (Dr. Sleep)
2014 – A Casa Negra
2017 – As Belas Adormecidas
2018 – A Pequena Caixa De Gwendy
2018 – Outsider
2018 – Elevation

Um comentário:

  1. O livro é excelente, muito bom mesmo! Fizeram uma série baseada no livro entitulada de 22-11-63, porém a adaptação mudou algumas coisas e não mostrou todas as viagens no passado do George Amberson (que na série chama Jake Amberson)... enfim, o livro é muito melhor, mas vale ver a série!

    ResponderExcluir