27.1.21

Peregrinos (Elizabeth Gilbert)

Ficha Técnica:
Nome Original: Pilgrims and Other Stories
Autora: Elizabeth Gilbert
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Daniel Estilll
Número de Páginas: 212
Ano de Lançamento: 2007
ISBN13: 9780330351744
Editora: Alfaguara

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 4º livro lido em 2021 e foi Peregrinos (Elizabeth Gilbert). A autora famosa pelo popular Comer, Rezar, Amar, me conquistou lá no distante 2010 e após uma pequena decepção em 2012, voltei para os seus livros apenas ano passado, quando li Cidade das Garotas que se tornou um dos favoritos do ano. Empolgada com essa última leitura, parti animada para Peregrinos.

O livro nos traz uma coletânea de contos e foi a primeira obra publicada pela autora. Os contos são fluidos, com uma linguagem simples, porém, todos possuem um sentimento de “quero mais” que muitas vezes é positivo, mas podem deixar perguntas sem respostas, o que nos deixa insatisfeitos. É o que acontece com os contos inseridos no livro, alguns terminam na medida certa e outros nos deixam com muitas interrogações.


O diferencial dos contos da autora é que nenhum deles nos traz a sensação de moral da história. Ao menos, não da maneira mais habitual. Desde a primeira página somos arremessados para as histórias com um conhecimento muito vago de passado e nenhuma noção de futuro. A autora nos coloca como espectadores de momentos cruciais das vidas de seus personagens, momentos de guinadas que poderiam mudar suas vidas para sempre, mas que simplesmente passam. A moral da história fica camuflada naquilo que poderia ter sido e nunca foi. Como no conto “Nomes de Flores e Garotas” onde um jovem pintor perde a chance de um beijo em uma sedutora dançarina de cabaré e amarga essa possibilidade até a velhice ou em “Tiro ao Pombo” onde dois ex-namorados  na meia idade não conseguem se desligar de uma possibilidade finalizada décadas atrás.


O livro não traz “e foram felizes para sempre” ou algo nesse sentido, a maioria dos contos acaba junto ao momento narrado. O estilo da narrativa em si é muito gostoso, o livro é fácil de ler, mas em alguns momentos difícil de digerir. Para quem gosta de refletir sobre cada palavra escrita é uma ótima pedida, especialmente em contos como “As Muitas Coisas que Denny Brown Não Sabia (aos quinze anos)” e “O Famoso Truque do Cigarro Aceso e Cortado Que Reaparece Inteiro”.  Se você prefere o clássico começo, meio e fim com histórias onde o mocinho e a mocinha se casam no final, talvez este livro não lhe deixe muito satisfeito. “Peregrinos” não tem mocinhos, apenas pessoas comuns, em situações razoavelmente comuns que tomam os caminhos mais comuns em suas vidas: os mais fáceis. Encarar isso talvez seja realmente a parte mais difícil ao ler este livro.


Como o próprio título dá a entender, o livro apresenta contos com personagens que estão “de passagem”. Cada história se apresenta como se fosse um recorte, um “curta-metragem” da vida de alguém ou de um pequeno grupo de pessoas. Sem se valer de muitas descrições, a autora conseguiu me transportar para cada conversa, como se eu estivesse “espiando” tudo, torcendo para alguém ou alguma coisa, mas tivesse que ir embora sabendo que a vida daquelas pessoas continuaria e eu não saberia como.

Gostei demais!!!


Um pouco sobre a autora:
Elizabeth Gilbert Lambiasi nasceu em 18 de julho de 1969 e é uma americana romancista, ensaísta, escritora de contos, biógrafa e memorialista. Seus livros publicados no Brasil são:
    • Comer, Rezar e Amar
    • Comprometida
    • Sobre Homens e Lagostas
    • Peregrinos
    • O Último Homem Americano
    • A Assinatura de Todas as Coisas
    • Grande Magia – Vida Criativa sem Medo
    • Cidade das Garotas

7 comentários:

  1. Olá
    Já li Comer, rezar e amar, da autora, porém ainda não tinha lido nada a respeito desse título. Fiquei bem curiosa diante da premissa apresentada e de como a autora apresentou as descrições nos contos.
    Beijos, Fê
    http://modoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivi, tudo bem?
    Contos não são meu forte, mas as vezes leio, geralmente quando são do King.
    Não sei se essa obra me agradaria, mas não custa conferir né.
    Beijokas

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Oiee!!
    Eu não conhecia esse livro da autora e nem que era o primeiro dela. Gosto muito de contos, ainda mais se tem esse diferencial colocado pela autora e eu aprecio fazer essa reflexão diante das palavras. Gostei muito. bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Não conhecia esse livro de contos da autora, mas fiquei bem curiosa. Até porque gosto de personagens mais reais, e histórias que nem sempre trazer o final feliz. Acho que com certeza irei me identificar e refletir em algum momento, fora que adorei os títulos dos contos (pelo menos dos que trouxe!. Dica super anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Confesso que nunca li nada dessa autora, embora tenha curiosidade de ler pelo menos Comer, Rezar e Amar. Embora não saiba se irei gostar ou não do estilo de escrita dela, esse livro de contos me atraiu. Eu adoro contos, ainda mais quando são um retrato do cotidiano. Vou considerar ler esse livro qualquer dia desses!

    ResponderExcluir
  6. Olá tudo bem ?
    Eu não consigo muito ler contos, perco o foco e me perco no enredo. Nunca li nada da autora, mas gostei bastante do filme e acredito que obviamente o enredo deve ser melhor, então pretendo ler um dia.
    Achei no entanto a proposta diferente e interessante, de fazer como curtas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Ivy, tudo bem?
    Sou muito apaixonada por contos, em especial dos de terror e policiais, mas confesso que histórias mais calcadas na realidade me interessam muito. Mas admito que não esperava um livro de contos dessa autora, já que o foco dela parece ser mais voltado a histórias de viagens, ou é impressão minha.
    Um beijo de fogo e gelo da Lady Trotsky...
    http://wwww.osvampirosportenhos.com.br

    ResponderExcluir