17.11.20

O Sol Mais Brilhante (Adrienne Benson)

Ficha Técnica:
Nome Original: The Brightest Sun 
Autora: Adrienne Benson
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Eliza Nazarian
Número de Páginas: 317
Ano de Lançamento: 2020
ISBN13: 9780778331278
Editora: Tag Inéditos

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 91º livro lido em 2020 e foi O Sol Mais Brilhante (Adrienne Benson). Este livro veio pra mim através da Tag Inéditos e foi o livro de maio de 2020 e só agora consegui fazer a leitura.

O livro nos traz três mulheres protagonizando este enredo. Começamos com Leona, uma antropóloga americana que decidiu viver o mais longe possível de sua família, escolhendo assim estudar o povo massai, no Quênia. Em seus primeiros momentos no país, ela conhece um homem — queniano descendente de ingleses — e acaba passando a noite com ele, mas corta relações no dia seguinte e segue para a manyatta, seu objeto de estudo. Lá, ela descobre que está grávida e, imediatamente, sabe que não quer ter a criança. Entretanto, a sua tentativa de abortar fracassa e, mesmo tentando esquecer aquela situação ao se enterrar no trabalho, ela acaba tendo uma menina junto às mulheres massai.


Na manyatta, conhecemos Simi, que após anos casada não consegue ter um filho — todas as gestações não chegaram ao fim e, por causa disso, ela temia perder o seu papel de mulher massai e seu lugar na tribo. Isso mudou com a chegada de Leona, já que Simi era a única mulher a falar inglês, passando assim a ser intérprete da estrangeira. O relacionamento das duas evolui para uma amizade verdadeira. Quando Leona tem sua filha — e passa a rejeitá-la — Simi toma a responsabilidade de cuidar da menina e, para sua surpresa, Leona entrega sua filha em cerimônia de adoção. É assim que Simi começa a gozar a vida que ela sempre quis: a de ser mãe.

A terceira mulher que acompanhamos é Jane, uma americana que, ao se formar em biologia, foi trabalhar para uma ONG de proteção aos elefantes, no Quênia, onde também tem sua vida marcada pelo país — é lá que conhece o seu futuro marido, homem que foi seu maior apoio em um momento de medo e perda. Jane, como Leona, estava fugindo de uma responsabilidade que ela não queria tomar para si, cuidar de um irmão com esquizofrenia, mas não por causa do irmão em si, mas por sentir que falhou com sua mãe, morta há alguns anos.


Todas as três mulheres têm seus medos de não pertencerem a lugar nenhum e, assim, buscam um lugar para realmente chamar de lar. Enquanto procuram compreender suas próprias identidades, elas seguem suas vidas em meio ao trabalho e a maternidade. Leona se muda para a cidade com a filha e torna-se uma mãe distante, algo que ela odiava quando era pequena por sua mãe também ser distante e fria. Jane mergulha no papel de mãe e esposa de diplomata, deixando de lado os seus sonhos e sua vida profissional. Já Simi continua na manyatta, mas como uma mulher ciente que está ali por um motivo maior, que ela ainda não compreende plenamente, mas sente em seu corpo.

O livro trata de um romance sobre a tristeza da perda, a luta para encontrar o seu lugar no mundo e a busca pelo significado de família e lar


O livro é bom, com uma história emocionante, sem ser clichê, com uma prosa fluida e cativante, que nos faz torcer pelas personagens e que elas tenham um final feliz! Mas para mim, a grande qualidade do livro é conhecermos uma cultura tão distante da nossa e sentirmos a vontade de estar lá, no meio das mulheres massai e entender seus costumes e tradições.

Gostei!


Um pouco sobre a autora:
Adrienne Benson cresceu na África subsaariana. Filha de agentes humanitários, eles moraram em Zâmbia, Libéria, Quênia e Costa só Marfim. Voluntária do Corpo da Paz, ela vive atualmente em Washington, D. C., com os três filhos. O Sol Mais Brilhante é o seu único livro publicado no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário