26.9.21

Suzane – Assassina e Manipuladora (Ulisses Campbel)

Ficha Técnica:
Nome Original: Suzane – Assassina e Manipuladora
Autor: Ulisses Campbel
País de Origem: Brasil
Número de Páginas: 280
Ano de Lançamento: 2020
ISBN-13: 9788582306178
Editora: Matrix

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 71º livro lido em 2021 e foi Suzane – Assassina e Manipuladora (Ulisses Campbel). Muito curiosa pelo conteúdo do livro se tratar de um dos crimes mais explorados pela mídia brasileira no início dos anos 200, quis ler o livor pra saber se eu lembrava dele e também porque esse fim de semana estreia no Prime Video o filme baseado nessa história e eu queria estar mais a par deste enredo da vida real.

Suzane Louise Olberg das Dores, ou Louise das Dores. Muita gente nunca ouviu falar nela, mas descobrirá, em meio a tantas outras revelações, que essa é a nova identidade com que uma das assassinas mais famosas do Brasil deve se apresentar depois do casamento com um marceneiro do interior de São Paulo. Mas seu nome verdadeiro é Suzane von Richthofen – criminosa de classe média alta que mandou matar pai e mãe para herdar os bens e viver uma suposta história de amor. Ela é a personagem central deste livro.

Os pais foram mortos a pauladas pelo namorado de Suzane na época, Daniel Cravinhos e o irmão dele, Cristian. O trio foi condenado a penas que beiram 40 anos de cadeia. Essa é a história que o Brasil testemunhou em detalhes pela mídia desde que a polícia desvendou os homicídios, a partir da confissão dos culpados.

O que o leitor vai encontrar nas páginas que compõem o livro, é um relato das profundezas do inferno em que desceu Suzane quando teve a iniciativa de se livrar dos pais e as trevas por onde continuou circulando nos 18 anos de pena que cumpriu em cadeias de São Paulo.

Um dos valores inequívocos do livro assinado por Campbell é o relato detalhado que ele faz dos personagens que orbitam a vida de Suzane pós-assassinato dos pais. A obra estampa em sua capa o nome e a foto da criminosa de rostinho angelical. Mas poderia muito bem apresentar a alcunha de mais de uma dezena de homicidas, latrocidas, pedófilos, infanticidas com as quais a história de Suzane se entrelaça.

O relato dos crimes que explicam o destino das mulheres e homens que cruzaram o caminho de Suzane, Daniel e Cristian na cadeia é aterrador e surpreendente. 

De assassina a sobrevivente de rebelião, o perfil psicológico de Suzane vai sendo construído tijolo a tijolo até o leitor chegar ao ponto de constatar que o impulso matador de Suzane não pode ser atrelado a uma personalidade psicopata. Neste caso, os assassinatos tiveram muito mais a ver com a reunião de pessoas egocêntricas, de caráter fraco e turbinadas pela coragem circunstancial que as drogas injetam.

O livro é fruto de três anos de pesquisa. Como poderia o autor reproduzir falas, trejeitos, juras de amor em momentos íntimos, confissões não expostas no processo com exatidão na descrição de comportamentos físicos e temperamentos sem que nunca tivesse feito uma entrevista com Suzane? Campbell explica: “Apesar de se tratar de um livro reportagem, ou seja, não ficção, é todo escrito no estilo do jornalismo literário. O comportamento de Suzane, por exemplo, é reconstituído no livro por meio de depoimentos, entrevistas, laudos psicológicos”. Foram três anos de pesquisa, 56 entrevistas com presidiários de cadeias masculinas e femininas, acesso aos processos e laudos, dezenas de consultas a psicólogos forenses.

Recheado de bastidores eletrizantes, que fazem o livro ganhar o ritmo de séries de suspense, o livro tem o valor contido em tramas bem contadas: a vontade dominadora de a gente assistir a um capítulo depois do outro.

A leitura é fluida, rápida e as vezes assustadora pela frieza, mas estranhamente viciante.

Gostei.

Um pouco sobre o autor: Jornalista, Ullisses Campbell nasceu em Belém do Pará. Atuou nos jornais A Província do Pará, O Liberal, Folha de São Paulo e Correio Braziliense. Na Editora Abril, passou pelas revistas Superinteressante e Veja. Atualmente, escreve para a revista Época. Em 25 anos de profissão, sempre exerceu a função de repórter. Ao longo da carreira, ganhou três prêmios Esso de Reportagem e um Embratel de Jornalismo. 

Seus livros publicados são:

  • Suzane: assassina e manipuladora 
  • Elize Matsunaga: a mulher que esquartejou o marido

Um comentário:

  1. Pode ser um bom livro, mas não tenho vontade de ler sobre uma criatura tão fria capaz de cometer uma barbaridade contra os próprios pais.

    Danielle Medeiros de Souza
    danibsb030501@yahoo.com.br

    ResponderExcluir