24.6.20

LGTBQ – um livro para cada letra – 2020



Oi gente que ama livros, hoje venho indicar livros com muita representatividade, usando a sigla LGBTQ para trazer livros com universos diferenciados dentro do movimento. Fiz um post igual em 2018 e hoje trago novas indicações.

Vamos conferir?

L – Livro com personagem lésbica: Dolls (A. S. Victorian). O livro nos traz duas adolescentes, Jaqueline e Edeline que passamos a chamar de Jack e Ede. As duas se conheceram na infância e ainda muito novas conseguiram se apoiar em uma situação de conflito dentro da escola. Mesmo vivendo em mundos muito diferentes (Jack vem de uma família com maior poder aquisitivo e Ede de uma família humilde) existe uma conexão forte entre as meninas. Anos se passaram e na adolescência começamos a entender a vida delas: Jack se tornou uma moça muito bonita e é modelo enquanto Ede escreve muito bem, desenvolveu uma grande facilidade com as palavras e sonha em viver de seus escritos no futuro. Além disso, percebemos que a vida das meninas é muito complicada porque Jack sofre abusos físicos gravíssimos dentro de casa e por falta de confiança se envolve em situações muito humilhantes. Já Edeline precisa entender e apoiar o pai alcoólatra enquanto sua mãe se esforça ao máximo para mantê-la em um bom colégio e acreditar que o futuro da filha será melhor. As duas se reaproximam porque Ede procura Jack para que ela lhe ensine matemática, pois está mal na escola e sofre uma pressão absurda do professor. A partir disso, as duas se aproximam e com o passar das páginas, percebemos um envolvimento romântico entre elas, ainda que ambas não entendam direito o que está acontecendo.

G – Livro com personagem gay: Vermelho, Branco e Sangue Azul (Casey McQuiston). O livro nos traz o Alex em seu último ano de faculdade e ele seria apenas um jovem comum se não fosse o filho da atual presidenta dos Estados Unidos, que concorre à reeleição. Alex é o queridinho da América: bonito, carismático e com um futuro político que será marcado por políticas públicas que tenham como objetivo principal fazer o bem a todos. O livro começa com a família da presidenta indo ao casamento de um dos príncipes reais na Inglaterra e Alex está apreensivo com isso, pois o irmão mais novo do noivo, Henry, é um desafeto seu e não quer ter que interagir muito com ele. Os dois se envolvem em uma confusão hilária assistida pelo mundo inteiro e para solucionar isso, as duas famílias e suas assessorias de imprensa decidem que eles devem ser vistos juntos como amigos e eles se aproximam muito mais do que imaginavam. Henry sempre soube que era gay, mas nunca pôde se assumir diante da família ou dos amigos porque afinal de contas, um príncipe real “precisa” ser hétero para dar continuidade ao legado da família. Porém, a paixão dos dois é inegável, além de divertida e muito quente. Não se engane com essa capa fofinha porque o livro traz cenas sensuais bem descritivas da intimidade de Alex e Henry e é bem gostoso acompanhar o nascimento e o crescimento desta paixão que os deixa cegos e os faz esquecer que suas famílias não podem passar por nenhum tipo de constrangimento.

B – Livro com personagem bissexual: Os Sete Maridos De Evelyn Hugo (Taylor Jenkins Reid) O livro nos traz a Evelyn Hugo, atriz que arrebatou multidões para os cinemas nos anos de 1950 e 1960 com filmes inesquecíveis e sua atuação brilhante. Evelyn veio de uma família humilde de origem latina. Sua mãe morreu quando ela era ainda muito nova e Evelyn confiava pouquíssimo no pai, por isso quando fugiu e teve a oportunidade de se tornar atriz, não pensou muito sobre o assunto. O livro começa quando Evelyn convida uma repórter para uma entrevista, depois de muitos anos em silêncio usufruindo sua aposentadoria. Monique Grant é uma jornalista de projeção profissional bem discreta, por isso foi com grande surpresa que sua chefe recebeu o convite para a entrevista e até tentou enviar alguém mais competente aos olhos dela para executar esse trabalho, mas Evelyn Hugo fazia questão que fosse Monique e assim, decidiu contar toda a sua vida para esta jornalista. O livro se desenvolve com Evelyn contando toda a sua vida dentro e fora das telas e assim compartilha a motivação de ter tido 7 casamentos: alguns mais longos, outros que duraram a velocidade de um relâmpago, mas todos em momentos cruciais da vida da atriz. Evelyn compartilha detalhes de sua vida íntima com Monique que ninguém jamais imaginou, como sua bissexualidade que a fez amar intensamente a amiga Celia St. James e sofrer sua vida inteira por não ter vivido esse amor plenamente da maneira que sempre quis.

T – Livro com personagem trans: E Se Eu Fosse Puta (Amara Moira). 
Ainda não li, mas deixo a sinopse para vocês: E se eu fosse puta é o quê? Você, leitor, que me diz. Tem de tudo um pouco, mas sobretudo verdade, dessas que a gente gosta só debaixo do tapete, bem escondidinha, o dia a dia da rua, a barganha, a cama, o homem depois de gozar. Amara se vê travesti e descobre a vida que teria a partir de então, puta aonde quer que fosse, para cuspir, para perguntar discretamente o preço ("tudo no sigilo, sou casado, sabe?"). Corpo que não tem lugar, corpo que se fazia à revelia das regras, das normas, corpo que se prestava para sombra, essa era eu e não fazia sentido, sequer sabia aonde eu queria chegar. Quem me entendia? Esse livro é sobre a escolha que não faz sentido, é sobre buscar porquês. E se eu fosse puta? E se eu fosse você? Escritora, doutoranda, travesti e prostituta. Amara narra sua vivência entre todos esses adjetivos no livro que surgiu de seu blog. Sua escrita de maneira crua e visceral conta a história de sua transição, suas descobertas e vivência sexuais em sua profissão. Além de seus relatos, a autora traz ainda uma discussão importante acerca do mundo da prostituição e seu lugar na luta feminista contemporânea, em um relato vivido de assuntos tabus que precisam ser discutidos.

Q – Livro com personagem Queer*: Menino de Ouro (Abigail Tarttelin). Aqui temos um menino que é um exemplo para toda a comunidade: bom filho, excelente irmão e aluno exemplar. Além de ter um comportamento nota 10, ele também é muito bonito e várias garotas da escola suspiram por ele, mas o que ninguém sabe é que Max nasceu com os dois sexos e é uma pessoa interssexual. Este é um livro que pode assustar o leitor já nas primeiras páginas por uma cena de violência sexual fortíssima que ocupa algumas páginas, mas se você puder passar por isso e seguir com a leitura, encontrará um personagem forte mesmo em meio à confusão de sua vida e uma família cheia de amor que as vezes toma decisões equivocadas para protegê-lo. Eu li em 2013, quando foi lançado no Brasil e nunca mais esqueci a sua história, porque além de ter sido bem escrito e com uma dose de drama eficiente em arrancar lágrimas de mim, o livro também traz um conflito que muitas pessoas acham que não existe. É uma história forte e sensível, que merece ser lida e divulgada.



Essas foram as minhas escolhas para responder este post e gostaria de saber quais seus livros favoritos abordando estes temas. Deixem nos comentários porque vou adorar conferir.

Beijos

*Queer é uma palavra inglesa, que em português significa excêntrico. É uma palavra usada para designar pessoas que não seguem o modelo de heterossexualidade ou binaridade de gênero.

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Nossa, anotei todas as dicas! Acredito que é muito mais fácil, atualmente, achar livros que trazem enredos com lésbicas e gays, sendo mais dificultoso as outras diversidades. Desde o boom, sempre tive curiosidade com Os Sete Maridos De Evelyn Hugo, por isso fiquei surpresa em saber que temos uma personagem bissexual, o que agora me faz querer ler o mais rápido possível haha. Ótima postagem!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito das dicas! Tenho ouvido falar muito bem de "Vermelho, branco e sangue azul".

    Os únicos livros com temática LGBTQ+ que me recordo de ter lido foram: O Retrato de Dorian Gray (do Oscar Wilde), Orlando (da Virginia Woolf) e Me Chame pelo Seu Nome (André Aciman). Tenho outros na minha lista interminável de futuras leituras.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ivi.
    Apesar de não ter um interesse específico pela temática, já li alguns livros bem interessantes com personagens homossexuais, como a duologia Ele, da Elle Kennedy. Não curti "Vermelho, Branco e Sangue Azul", mas estou curiosa para ler "Os Sete Maridos de Evelyn Hugo".
    Muito bacana a sua lista!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir