24.10.18

Aos Perdidos Com Amor (Brigid Kemmerer)


Ficha Técnica:
Nome Original: Letters to the Lost
Autora: Brigid Kemmerer
Tradução: Fabrício Waltrick
País de Origem: Estados Unidos
Número de Páginas: 430
Ano de Lançamento: 2018
ISBN-13: 9788592783358
Editora: Plataforma21

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 61º lido em 2018 e foi Aos Perdidos Com Amor (Brigid Kemmerer). Vi a indicação deste livro no canal da Samantha Belleti e a forma emocionada como ela descreveu o livro me deixou bem interessada na leitura, por isso incluí na minha lista e na primeira oportunidade, fui conhecer este enredo.

O livro nos traz dois adolescentes americanos vivendo momentos complicados de suas vidas. Juliet perdeu a mãe há poucas semanas e está enfrentando a dor do luto. Sua mãe era uma respeitada fotógrafa que fazia a cobertura de guerras e catástrofes naturais e morreu em um acidente de carro quando retornava de uma de suas viagens. Elas eram muito próximas e Juliet a admirava intensamente, tanto que sabia que também seria fotógrafa e antes do falecimento da mãe, ela já era a fotógrafa na escola, mas agora que a mãe se foi, Juliet se sente insegura se ainda quer isso para a sua vida. Já não consegue pegar em uma câmera fotográfica e não permite que ninguém mexa no equipamento que era da mãe.

Temos também o Declan, outro adolescente que também teve sua cota de perdas na vida. Há alguns anos a irmãzinha dele morreu, também em um acidente de carro e ele se sente extremamente culpado por isso. Não era ele quem estava dirigindo, mas como não impediu que o pai alcoolizado pegasse o carro, acredita que foi responsável pela morte da irmã. O pai está preso e sua mãe reconstruiu sua vida com um novo companheiro que não se dá nada bem com Declan. Há alguns meses, Declan foi envolvido em uma confusão e quando o livro começa, ele está cumprindo uma medida socioeducativa fazendo a limpeza no cemitério da cidade.

Acontece que Juliet frequenta o cemitério quase que diariamente e escreve cartas para a mãe e ao chegar no seu túmulo em um dia qualquer, ela encontra uma resposta para a última carta que deixou lá e fica revoltadíssima com a invasão em sua intimidade. Declan havia encontrado a carta e decidiu responder porque havia se identificado muito com a dor dela e passado esse momento de raiva de Juliet, os dois passam a trocar cartas, e-mails e um interesse nasce entre eles.

Nenhum dos dois revela seu nome e nem fazem ideia que já se conhecem, pois estudam na mesma escola. Desta forma, a relação dos dois se desenvolve através desta troca de mensagens enquanto na vida real, os dois vivem em mundos muito distintos.

A princípio eu achei que era apenas mais um romance jovem adulto com um exagero na carga emocional, mas a escrita da autora me fisgou de um jeito tão forte, que apesar de o drama ser realmente pesado na narrativa, eu não conseguia desgrudar do livro e me envolvi demais com os dois personagens que amadurecem e despertam no leitor uma empatia fora do comum ao longo da história.

Além do romance entre Juliet e Declan, temos a morte da mãe dela sendo esclarecida porque tudo ficou sem explicação na época do acidente e isso sempre foi um empecilho para que Juliet começasse a aceitar essa morte. Declan também amadurece ao ponto de entender as motivações de sua mãe e entender que o padrasto não é o responsável pelo caos em sua vida.

Os amigos que cercam os dois adolescentes também são bem desenvolvidos e em especial, o melhor amigo de Declan possui um arco intenso e muito interessante que merecia um livro só dele para conhecermos a fundo suas problemáticas e motivações.

Enfim, foi um livro que me emocionou muito e que ao final, me fez suspirar porque apensar da conclusão clichê, foi bem desenvolvida e consistente.

A perda e o luto são tratados com muita seriedade dentro do enredo e para quem já perdeu alguém importante em sua vida, é impossível não se identificar. A tristeza e a necessidade de apoio que uma pessoa atravessa neste momento foi desenvolvido com muita sensibilidade e delicadeza e a maneira como a autora traz isso para a história foi o ponto alto da trama para mim.

Indico o livro sem medo de errar para quem gosta de narrativas com personagens jovens, mas enfrentando dificuldades emocionais serias. Nada é deixado na superfície e os temas abordados são desenvolvidos com credibilidade. Talvez o romance seja leve demais e alguns leitores sintam falta de um pouco mais de sensualidade, porém, ainda assim vale a pena ser lido porque os personagens nos conquistam de forma que temos a impressão que os conhecemos e torcemos para que tudo fique bem no final.

Eu adorei.


Um pouco sobre a autora: Brigid Kemmerer nasceu em Nebraska, nos Estados Unidos. Enquanto crescia, mudou-se com os pais diversas vezes, e assim conheceu muitos lugares diferentes dos Estados Unidos – do deserto de Albuquerque, no Novo México, ao lago que permeia Cleveland, em Ohio. Sua obra, dedicada aos jovens, é elogiada pela crítica estrangeira. Aos Perdidos, Com Amor é seu primeiro e único livro lançado no Brasil. Brigid Kemmerer vive em Maryland, nos Estados Unidos, com o marido e os filhos.

7 comentários:

  1. Eu também acho que o amigo de Declan merecia um livro! Me parece um personagem rico demais pra ser apenas amigo do protagonista, sabe? Essa é uma das minhas histórias favoritas e fico feliz demais em saber que você gostou.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Ahh esse livro ainda quero realizar a leitura, mas eu adoro quando temos personagens bem desenvolvidos ao longo do enredo. Lidar com perdas, trabalhar o luto é sempre algo doloroso e pode servir de inspiração para outras pessoas ler mais desses personagens.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ivi!
    Menina esse livro está na minha lista há tempos! (só não consigo parar e ler) Sempre acho a premissa de conhecer e se envolver com outra pessoa através da escrita muito bonita e interessante, principalmente quando a gente compara com os relacionamentos atuais (com tinder e etc.). Pela sua resenha deu para perceber que a autora conseguiu mesmo entrelaçar os personagens e os desenvolver de forma mais que satisfatória. Vou tentar por essa história no topo da minha pilha hehe
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Eu adoro esse tipo de história, jovem e com uma carga dramática mais intensa. É a primeira resenha que eu leio da obra e gostei bastante do que eu vou encontrar. Vou colocar na lista de leitura sem nenhuma dúvida. Não me importo do romance ser muito leve, às vezes muito romance até tira a magia do enredo.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ivi!
    Achei a premissa desse livro bem mais do mesmo, assim como vc achou inicialmente. Mas gostei da resenha e fiquei satisfeita em ver que a autora se empenhou em fazer um livro que envolvesse o leitor e que não tratasse o assunto luto de forma superficial.
    bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  6. Confesso que também achei que seria um livro carregado no drama, mas fico feliz em saber que não é bem assim e que a autora trabalha de forma satisfatoria o luto, gostei bastante da resenha e me interessei muito pelo livro
    bjos

    ResponderExcluir
  7. Amei esse livro e gostaria de saber se vai ter algum livro sobre o amigo do personagem principal??

    ResponderExcluir