30.9.20

A Rede de Alice (Kate Quinn)

FICHA TÉCNICA
Nome original: The Alice Network
Autora: Kate Quinn
Tradução: Rogério Alves
País de origem: Estados Unidos
Número de páginas: 518
Ano de Lançamento: 2019
ISBN-13: 9788576867951
Editora: Verus

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 67º livro lido em 2020 e foi A Rede de Alice (Kate Quinn). Fiquei interessada no livro ao saber que duas mulheres protagonizavam a história com o pano de fundo histórico da primeira e segunda guerra mundial. O número considerável de elogios que a obra recebeu também me instigou a fazer a leitura.

O livro nos traz a Charlotte St. Clair, que prefere ser chamada de Charlie. Ela é uma jovem que se descobriu grávida e ao contar para a mãe, essa decidiu que ela deveria abortar e para isso, pretende levá-la para fazer o procedimento fora da cidade onde moram nos Estados Unidos para que ninguém saiba o embaraço que a filha criou para a família. Apesar da situação de Charlie, sua maior preocupação não é essa. Sua prima e melhor amiga está desaparecida na Europa e ela pretende encontrá-la a todo custo ou pelo menos esclarecer como ela morreu. Charlie foge da mãe e em Londres conhece Eve Gardiner, uma senhora que foi espiã na primeira guerra mundial e traz cicatrizes profundas no corpo e na mente e uma forte necessidade de vingança. Charlie e Eve são mulheres muito diferentes, mas ambas nos conquistam em poucas páginas, ainda que Eve seja rabugenta e Charlie muito ingênua. Junto com Finn, um funcionário de Eve, as duas seguem juntas para objetivos diferentes e conhecemos um pouco da vida de cada uma delas.


Eve foi espiã na primeira guerra mundial em uma sociedade chamada A Rede de Alice. Muito inteligente, se infiltrou em locais apenas ocupados por alemães e tornou-se amante de um deles com o objetivo de obter informações sobre os avanços estratégicos do inimigo na guerra. Seu trabalho teve consequências seríssimas para ela e para outras mulheres e mesmo após tantos anos Eve acredita que precisa fazer justiça por si mesma e por todas as mulheres que foram atingidas na época.

Charlie tem ambições um pouco mais egoístas, mas, ainda assim, um senso de justiça muito afinado com Eve. Embora não entenda as motivações da companheira de busca, sabe que ela pode lhe ensinar muito sobre o ambiente inóspito da guerra.


O livro traz uma narrativa envolvente, instigante e muito informativa. Descreve o esquema de espionagem realizado por mulheres que impedidas de lutarem na guerra, precisavam ajudar de alguma maneira e se colocavam em situações de exploração e violência para que a primeira guerra não avançasse. A autora usou a verdadeira história de mulheres reais para inspirar na construção de suas protagonistas e com isso, o livro traz um enredo forte, intenso e de empoderamento feminino pouco falado sobre essa época.

A peregrinação das duas personagens é emocionante e não existe um único momento em que eu não tenha torcido intensamente por elas, com direito a reviravoltas e revelação de segredos importantes, o que tornou a leitura visceral. Era como se eu estivesse naquela época, ouvindo as histórias de Eve, sentindo o medo de Charlie e nenhum dos dois sentimentos me fez pausar a leitura.


Para quem gosta de romances com fundo histórico, esse livro é perfeito. Além do enredo original, temos uma verdadeira aula de história, o que sempre agrega muito a leitura.

Eu adorei!!!


Um pouco sobre a autora: KATE QUINN é autora best-seller dos jornais The New York Times e USA Today. Seus romances históricos vão da Roma antiga ao século XX. Kate vive em San Diego com seu marido e dois cães. A Rede de Alice é o seu único livro publicado no Brasil.

7 comentários:

  1. Oi, Ivi!
    Fiquei mais interessada na história de Eve - com o seu desejo de justiça para ela e outras mulheres - do que na história de Charlie... Se eu fosse ler A Rede de Alice leria só por causa disso, e olha que nem curto livros com fatos históricos... Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Ivi!
    A obra parece ser daquelas que vai virar favorito na estante e a gente nem espera, né? Realmente, pouco se vê sobre a atuação de mulheres quando o assunto são as Grandes Guerras, e por desenvolver isso tão bem neste livro Kate Quinn acaba impressionando o leitor.
    Além de ricamente trabalhada no aspecto histórico (percebe-se que a autora estudou realmente o assunto para compor a trama), a obra apresenta protagonistas fortes e que não são de desistir frente a obstáculos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Que genial!! Ainda não tinha ouvido falar desse livro, mesmo amando conteúdo de espionagem. Além do conteúdo do livro, eu adorei ver que as protagonistas do livro são duas mulheres. O livro parece ser daqueles que você devora rapidinho, ainda mais sabendo que a história tratada foi baseada em histórias de mulheres reais.

    ResponderExcluir
  4. Adoro livros que se passam na época das guerras, tanto a primeira quanto a segunda. Ainda mais quando temos espionagem envolvida. Aí já me atraiu de vez. Com certeza esse é um livro que quero muito ler, já coloquei até nos meus desejados.

    ResponderExcluir
  5. Olá Ivi!
    Para tudo que eu adorei a resenha desse livro, preciso dele pra ontem! Como falei numa resenha anterior, adoro romances históricos, principalmente com temas das Grandes Guerras. Achei interessante como a autora conseguiu unir duas personagens tão diferentes e com propósitos tão fortes. Pela minha experiência de leitura eu nunca tinha ouvido falar de algo como a Rede de Alice, adoro quando os autores fazem uma pesquisa tão intensa para escrever os livros. Adicionado na lista de leituras com certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ivi!

    Lendo sua resenha, acredito que o maior ponto positivo do livro é o fato da autora ter se baseado em histórias reais, sobre mulheres reais. Acho isso extremamente importante, porque em todos os períodos, revoluções, guerras e outros eventos, sempre houve uma mulher a frente ao seu tempo que fez história e que, infelizmente, muitas vezes isso não é reconhecido. Então acho que o período o qual o romance se passa, juntamente com essa inspirações, deduzo que seja o que acharia mais interessante na história. Além disso, percebo que há um assunto bem polêmico para a época e até mesmo hoje em dia, que é o aborto. Não conhecia a autora, mas se houver oportunidade, olharei com bons olhos seus livros. Aliás, eu amei a capa do livro, editora Verus arrasou na arte.

    ResponderExcluir
  7. Livro com mulheres fortes, é o tipo que preciso no momento para sair da zona de conforto. Gostei do que foi apresentado e vou procurar na próxima vez que eu for a livraria.

    ResponderExcluir