19.6.19

Céu Sem Estrelas (Íris Figueiredo)

FICHA TÉCNICA
Autora: Íris Figueiredo
País de origem: Brasil
Páginas: 360
Ano de lançamento: 2018
ISBN-13: 9788555340697
Editora: Seguinte

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 43º livro lido em 2019 e foi Céu Sem Estrelas (Íris Figueiredo). Desde antes do lançamento deste livro eu estava curiosa com sua história porque acho a autora muito simpática com seus leitores e pela capa percebemos que o livro traz representatividade, o que eu sempre adoro encontrar em qualquer tipo de história.

O livro nos traz a Cecília, uma garota gorda que está no seu primeiro ano na universidade, tem uma relação bem complicada com a mãe e o padrasto, mas encontra na avó e na melhor amiga um pouco de conforto para enfrentar os dias difíceis de sua vida. A protagonista tem 18 anos e acabou de entrar na universidade para cursar Desenho Industrial. Ela acaba passando por uma maré de azar. Ela deveria ir para a casa da avó, mas para não sobrecarregá-la, decide ficar na casa Iasmin, sua amiga desde a infância e que convenientemente é irmã de Bernardo, sua paixão platônica.


Bernardo é um pouco mais velho e cursa Engenharia na universidade. Ele é cercado de amigos que adoram uma festança e vez por outra tem uma garota morrendo de amor por ele. É um rapaz privilegiado, mas reflete muito sobre isso e sobre o seu futuro, não apenas como profissional, mas como ser humano e esse seu lado sensível acaba se encontrando com o de Cecilia e os dois se interessam um pelo outro.

Cecília tem a autoestima extremamente comprometida em função do seu corpo. Por ser gorda e não se sentir dentro do padrão de beleza, ela acaba inferiorizando todas as suas outras características e isso a frustra de um jeito tão intenso que ela desenvolve insegurança, medo e por conseguinte, depressão. O livro então se desenvolve sobre o romance com Bernardo e a luta constante em se aceitar, além de toda a problemática com a sua mãe.


Um dos pontos positivos de todo o enredo é o cenário. O livro se passa no Rio de Janeiro e muitos hábitos tipicamente brasileiros são inseridos na trama de maneira orgânica. É fácil se identificar com os personagens em uma série de coisas que eles fazem e sentem. Outro fator maravilhoso é a pluralidade de personagens. Além da protagonista ser de fato fora do padrão no quesito beleza, temos ainda uma personagem com deficiência física e outra negra, formando um grupo de amigas fortes, diferentes em alguns aspectos, mas iguais em outros, o que acaba gerando uma naturalidade gostosa de acompanhar.

Talvez tenha me faltado empatia, mas em diversos momentos, achei a protagonista muito dramática, exagerada e não me conectei com ela em suas necessidades emocionais. Embora eu tenha conseguido entender a motivação de sua infelicidade, achei que a autora pesou um pouco demais no drama, tornando Cecília chata e repetitiva ao longo do enredo.


Mas de um modo geral, é uma história gostosa de ler e os personagens secundários também são fortes e interessantes, dando uma dinâmica boa para o enredo. Embora o foco central seja no romance entre Cecilia e Bernardo e o amadurecimento deles, vários personagens possuem seus arcos próprios o que dá muita consistência para a história.

Eu gostei de conhecer a escrita da autora e pretendo conferir mais trabalhos seus. Acredito que este enredo pode conversar muito bem com o público mais jovem e por isso o recomendo sem medo de errar para quem gosta de romances em idade universitária, com protagonistas diferenciados.

Eu gostei!


Um pouco sobre a autora: Iris Figueiredo nasceu em 1992, na região metropolitana do Rio de Janeiro. É formada em produção editorial pela UFRJ e pós-graduada em transmídia. Já atuou em diversas áreas do mercado editorial e manteve por muitos anos o blog Literalmente Falando. Alguns de seus livros publicados são:

  • Confissões On-line 1
  • Confissões On-line 2
  • Dividindo Mel
  • Céu Sem Estrelas

Nenhum comentário:

Postar um comentário