27.5.19

Olga (Fernando Morais)

FICHA TÉCNICA
Autor: Fernando Morais
País de origem: Brasil
Número de páginas: 332
Ano de Lançamento: 1985
ISBN-13: 9788571642508
Editora: Círculo do Livro

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 35º livro lido em 2019 e foi Olga (Fernando Morais). Queria ler este livro há muito tempo, mas foi aquela leitura que a gente vai empurrando para outra oportunidade. Porém, senti vontade de ler uma biografia e decidi que este era o momento de ler esta história.

O livro é a biografia de Olga Benário, nascida em Munique (Alemanha) filha de um renomado advogado com fortes opiniões de direita, alinhado ao capital e poder vigente. Porém, desde seus quinze anos, a filha Olga se encontrava ligada ao comunismo – partido voltado à esquerda – onde o proletariado tomava o comando. Demonstrando-se apropriada para a liderança mesmo tratando-se de uma mulher, Olga assumiu vários protestos e cargos no partido e se tornou uma comunista a ser treinada, prioridade por ter se transformado em uma valiosa “arma” que poderia, posteriormente, atingir os países que ainda não haviam adotado o comunismo como regime.


Em uma de suas missões, Olga invade uma prisão falsamente armada para resgatar seu namorado Otto Braun, preso por “traição à nação Alemã”. Procurada por seu país de origem, encaminha-se junto à Braun para a Rússia, onde poderia permanecer em liberdade sem a intervenção da Alemanha. Mas é na Rússia que Olga se separa de Otto e recebe uma missão muito importante: o Partido Comunista manda a revolucionária para o Brasil, na companhia de Luis Carlos Prestes, responsável por iniciar revoluções contra governo autoritário e populista de Getúlio Vargas.

É nessa longa viagem para América do Sul que Olga e Prestes se casam e aproveitam suas estadas nos países em que paravam, antes que a difícil tarefa começasse. Já no Brasil, fazem os preparativos para a “tomada do poder” com a ajuda de vários estrangeiros treinados e enviados pelo partido comunista.

Quando a melhor oportunidade aparece, os comunistas tomam frente e invadem várias sedes do exército brasileiro. Entretanto, Vargas parecia preparado demais para deixar-se cair. Os capitães da “revolta” foram presos e então iniciaram-se as buscas pelo comandante Prestes, que se refugiara em um apartamento simples com Olga, a fim de que nunca fossem encontrados. Contudo, Prestes e Olga foram descobertos assim que o exército encontrou o apartamento que se instalaram. Foram presos e mandados para presídios diferentes. Dias depois, Olga se deparou com uma surpresa: estava grávida.

Vargas e o comandante Filinto Muller viram uma grande oportunidade de penalizar Prestes ao enviar sua esposa grávida para seu país de origem, onde Hitler prendia todos os comunistas e judeus. Além de comunista perigosa, Olga infelizmente também era judia alemã. Desse modo, a jovem revolucionária parte para o seu terrível destino e quando desembarca na Alemanha, dá à luz à sua filha Anita Leocádia – que depois de amamentada por meses até que o leite de Olga secasse – foi entregue à avó paterna.

Sem o marido, a filha ou qualquer lei que a protegesse do nazismo, Olga se encontra em um campo de concentração, onde é torturada e forçada a trabalhos cansativos e sem fim. Mas é em 1941 que os nazistas encontram uma lei que os autoriza – indiretamente – a matar todos os presos. Muros de fuzilamento, câmaras de gás e outras artimanhas são criadas para dar fim aos “criminosos”, como eram vistos os judeus. E é aí que Olga percebe que nunca mais veria seu marido, nunca mais sentiria sua filha em seus braços.

O livro possui uma narrativa um pouco lenta no início, mas conforme a história de Olga se entrelaça com a história brasileira, a leitura ganha ritmo e é impossível largar o livro. Sabemos como será o final da história, mas isso não diminui o interesse na narrativa que se conclui de forma muito triste.


Para quem quer conhecer um pouquinho da situação do Brasil enquanto a segunda guerra mundial acontecia na Europa, o livro tem datas, nomes e situações muito importantes. É uma leitura triste, mas importante e traz um recorte na história bem relevante para entendermos a ditadura e a importância da democracia.

Eu gostei bastante.


Um pouco sobre o autor: Fernando Morais nasceu em Mariana-MG em 1946. É jornalista desde 1961 e trabalhou nas redações do Jornal da Tarde, Veja, Folha de S. Paulo e TV Cultura. Recebeu prêmios importantes no jornalismo e foi deputado estadual durante oito anos pelo MDB-SP e depois pelo PMDB-SP. Foi também secretário da Cultura e da Educação do Estado de São Paulo. Seu lado artístico se revelou sendo o roteirista de minisséries documentais. Alguns de seus livros publicados são:
  • Transamazônica 
  • A Ilha 
  • Olga
  • Chatô, o rei do Brasil
  • Corações sujos
  • Cem quilos de ouro
  • Na toca dos Leões 
  • Montenegro

6 comentários:

  1. Olá!
    Acho comovente toda a história. Acabei de ler um livro do género. Conhece A Rapariga que Roubava Livros? Também é sobre o nazismo e a segunda guerra mundial. Deixo-lhe a dica :)
    Beijinhos :*


    http://tudosoblinhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ivi.
    Sempre tive muita dificuldade em ler biografias, ainda mais de pessoas que tiveram uma história tão sofrida! Apesar da sua resenha ser super positiva, vou deixar a dica passar porque eu fico muito triste! Já vi um filme sobre a Olga e sei que é melhor não ler o livro para não me acabar de chorar!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Acho que esse tipo de leitura é interessante pra conhecermos um pouco mais da história daquele tempo realmente, mas acho que o fato de ser uma biografia eu acabaria não lendo. Não faz muito o meu gênero e quando opto tem que ser porque realmente me chamou atenção.
    Mas gostei de saber suas considerações sobre essa triste leitura.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li, mas tenho curiosidade. Gostei de saber que mesmo tendo achado o começo mais lento depois você se envolveu tanto que achou impossível largar o livro. Gosto disso. Espero poder ler em breve.

    ResponderExcluir
  5. Eu ainda não li esse livro, mas fiquei bem interessado,pois gosto demais de literatura histórica. Fiquei bem curioso com para saber agora desse conteúdo. Anotei a dica.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Nossa que história né, eu fico fascinada com essas histórias, essa luta e como a história é rica e mega importante. Irei colocar esse livro aqui na lista de leituras e espero ler muito em breve. ótima resenha!

    beijos!

    ResponderExcluir