17.12.18

Minha Versão de Você (Christina Lauren)

FICHA TÉCNICA
Nome original: Autoboyography
Autora: Christina Lauren
Tradução: Mauricio Tamboni
País de origem: Estados Unidos
Número de páginas: 352
Ano de Lançamento: 2017
ISBN-13: 9788593911057
Editora: Hoo Editora

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 82º livro lido em 2018 e foi Minha Versão de Você (Christina Lauren). Eu adoro romances com temática LGBTQ e quando li a sinopse deste livro, fiquei muito curiosa por trazer um personagem bissexual, algo que eu vi poucas vezes na literatura.

O livro nos traz o Tanner, um adolescente no seu último ano do ensino médio. Ele e sua família se mudaram da Califórnia para Utah há três anos. Na sua antiga cidade, Tanner já tinha assumido sua bissexualidade e estava bem resolvido com isso. Seus pais o aceitaram amorosamente e isso nunca foi um problema, porém, na nova cidade a situação é outra. A grande maioria dos habitantes ali são mórmons, uma denominação cristã e os pais de Tanner o orientaram a ser discreto quanto a sua realidade e ele segue o conselho, até conhecer o Sebastian, o monitor no curso de escrita. De uma hora para a outra, se sente totalmente apaixonado. 

Tanner foi parar neste curso de escrita por que sua melhor amiga Autumn o desafiou a participar e logo nos primeiros encontros, ele e Sebastian se tornam próximos em função do livro que Tanner terá que escrever. Sebastian é mórmon e além disso, filho de um dos líderes da igreja na cidade, o que fecha todas as possibilidades de envolvimento para Tanner, até que Sebastian descobre que Tanner é bissexual, resolve se abrir e dizer que se sente atraído por meninos.

O livro então irá se desenvolver no romance proibido dos dois. Em hipótese alguma eles cogitam contar para alguém que estão apaixonados e por causa disso, acabam em encontros escondidos em uma montanha da cidade. Além do romance, temos uma discussão muito inteligente sobre a fé cristã. Sebastian em momento algum duvida do amor que Deus tem por ele e sua fé não é abalada por estar apaixonado por alguém que a sua religião recrimina, mas, ao mesmo tempo, sabe que não está cumprindo com as regras e isso o deixa angustiado. Já Tanner não consegue entender um Deus capaz de julgar, reprimir a pureza do amor e não aceita viver esse amor de forma reclusa.

Eu gostei bastante da história e da forma séria que o tema central foi abordado. A escrita é extremamente respeitosa com a fé cristã e nada é tratado com extremos. As pessoas religiosas dentro da trama não são caricaturas acéfalas ou domesticadas. São pessoas com vidas dinâmicas, boas, completas, mas que infelizmente, baseiam seus preconceitos em cima da fé. Em contrapartida temos a família de Tanner, em que o pai é judeu e a mãe odeia toda e qualquer manifestação religiosa. Eles são pessoas honestas, com um conceito de moral muito incisivo, ainda que isso nada tenha a ver com religião.

Eu me identifiquei imediatamente com a mãe de Tanner e infelizmente, ela faz o papel mais radical dentro do enredo, mas seu discurso é bem argumento e inteligente. Mas de uma forma geral, todos os personagens são carismáticos e envolventes e é fácil entender suas motivações.

Acho que a bissexualidade do Tanner não foi tão bem aprofundada como merecia, mas esse foi o único ponto negativo para mim. Acho que argumentos mais profundos poderiam ter disso trazidos para o enredo, mas, apesar disso, meu envolvimento com a leitura foi muito positivo.

Para quem gosta de romances deste gênero, o livro é excelente. Temos um casal muito consistente e bem desenvolvido. Eles se apaixonam rapidamente, mas isso é bem trabalhado dentro da trama. A questão da família e do suporte que ela é para os protagonistas é bem-feito e ainda que seja difícil concordar com os pais do Sebastian, sabemos que eles não deixariam de amar seu filho em nenhum momento.

Enfim, o livro é delicioso, bem escrito, pertinente e com um final de arrancar suspiros dos mais românticos. Foi uma leitura bem gostosa e que me surpreendeu em muitos aspectos. É um livro que nos convida a pensar sobre essa coisa abstrata do amor a Deus e o respeito aos seus próprios desejos e eu acredito que representou muito bem pessoas que sentem desejo pelo mesmo sexo e acreditam em Deus. 

Eu adorei!


Um pouco sobre a autora: Christina Hobbs e Lauren Billings escrevem sob o pseudônimo de Christina Lauren (combinação de ambos os nomes). Separadas pelo incômodo Estado de Nevada, estas amigas e co-autoras se falam várias vezes ao dia, concordam que Ruby Pumps é a melhor cor de esmalte que já existiu, e, se pudessem escolher, passariam o dia todo olhando para o oceano a partir do cais de San Clemente. Alguns dos seus livros publicados no Brasil são:

  • Cretino Irresistível
  • Estranho Irresistível
  • Playboy Irresistível
  • Surpresa Irresistível
  • Minha Versão de Você

Um comentário:

  1. Oi, Ivi! Adorei saber o que você achou deste livro! :3 ainda estou no modo panfleteira dele, mas depois de tantas semanas da leitura, consigo ver melhor alguns pontos que poderiam ser melhor trabalhados (fazer o que né), mas me pareceu que foi meio uma guinada no estilo das autoras, então acho que valeu haha Beijos!

    ResponderExcluir