12.12.18

Asiáticos Podres de Ricos (Kevin Kwan)

Ficha Técnica:
Nome Original: Crazy Rich Asians
Autor: Kevin Kwan
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Ana Carolina Mesquita
Número de Páginas: 490
Ano de Lançamento: 2018
ISBN-13: 9788501114099 
Editora: Record

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 80º livor lido em 2018 e foi Asiáticos Podres de Ricos (Kevin Kwan), o primeiro volume de uma série que leva o mesmo nome do primeiro livro. Ouvi e li elogios excelentes sobre este livro e como ele foi adaptado para o cinema e já está em cartaz aqui no Brasil, fiquei bem curiosa para ler e me divertir com a leitura.

O livro nos traz a Rachel uma mulher chinesa que foi para os Estados Unidos com apenas 6 meses de vida. Filha de mãe solteira que batalhou muito para ter uma vida confortável, nossa protagonista se tornou uma acadêmica extremamente inteligente, simples e que alimenta apenas o desejo de ter paz e tranquilidade na vida. Há dois anos ela namora com o Nick, de origem asiática como ela e que também está fazendo carreira na área acadêmica. Reservado em relação a família, mas muito apaixonado pela namorada. Então surge a oportunidade dos dois de irem até Cingapura, onde o melhor amigo do Nick se casará e ele será o padrinho. Nick leva Rachel com ele com o objetivo de apresentá-la para a família e depois seguirem aproveitando o verão pela Ásia e é aí que toda a problemática do livro começa: Rachel não sabia que Nick é literalmente podre de rico.

O livro então irá se desenvolver em Rachel tentar entender os motivos que fizeram Nick omitir sua realidade, bem como lidar com toda a arrogância da família dele em não esconder que ela não é boa o suficiente para o filho. Ao redor disso, outras subhistórias se desenvolvem, algumas interessantes, outras nem tanto, dando um movimento interessante a narrativa e nos apresentando diversos aspectos da cultura oriental.

O começo do livro é interessante e a premissa me envolveu facilmente, mas quando o casal chega na Ásia e a história começa a se desenvolver, o livro começou a me irritar profundamente.

Temos uma série de pessoas que gastam demais. Elas têm muito dinheiro que vem de trabalho, investimentos ou herança, mas tudo é extremamente exagerado e isso me deixou muito desconfortável porque o autor descreveu marcas, lugares e grifes como um editorial de moda sendo prolixo e entediante.

Como se isso não fosse o suficiente, essas descrições se dão também em relação às pessoas. Mais de uma vez o autor se referiu as mulheres com ou sem “pedigree”, como se fossem animais, boas ou não para se relacionar. Achei grosseiro e de extremo mau gosto.

Mas o mais preocupante de todo o enredo foi a forma superficial que ele descreveu as mulheres. Todas as ex-namoradas de Nick eram idiotizadas na narrativa, sendo mulheres vazias e ignorantes. Para se ter uma vaga ideia do que estou falando, o ápice do livro se dá na cerimônia de casamento do amigo do Nick e a noiva está mais preocupada com a marca da roupa das pessoas do que com o dia em que se comprometerá com o homem que ama.

Já nas páginas finais, o livro traz um plot twist sobre a vida pessoal de Rachel que eu gostei bastante, mas chegou no momento do livro que eu já o estava descartando. A história dela e de sua mãe são bem interessantes e sem sombra de dúvida deveria ter ocupado mais páginas no livro, que por sinal, poderia ter umas 300 a menos. 

Acho que este enredo vai funcionar bem no cinema, mas no livro foi cansativo e com momentos de vergonha alheia. Um deles quando mulheres tentam armar um bullying para Rachel. Isso funcionaria se as personagens fossem adolescentes e inconsequentes, mas se tratando de adultas, foi desnecessário e não agregou em nada à história.

Enfim, foi uma decepção porque eu queria e estava predisposta a gostar, mas sem dúvida, foi uma leitura pouco prazerosa e pertinente. 

Tentando encontrar um ponto positivo na leitura, acredito que algumas descrições sobre a cultura agregaram um pouco. Eu desconheço quase tudo o que se passa do outro lado do mundo. Tenho uma visão estereotipada dos asiáticos e em alguns momentos isso foi desconstruído no livro. Mas ainda assim, saliento que o enredo é fraco, machista e com alto nível de misoginia nas descrições.

Quero ver o filme porque acho que o enredo pode funcionar na telona, mas o livro foi um grande desapontamento.

Não gostei.


Um pouco sobre o autor: Kevin Kwan nasceu em Cingapura, onde passou a infância e a adolescência. Atualmente mora em Manhattan, nos Estados Unidos. Seus livros publicados no Brasil são:

  • Asiáticos Podres de Ricos
  • Namorada Podre de Rica

2 comentários:

  1. É o tipo de livro que eu passo longe. Só de ler a sua resenha já imagino o quanto ficaria com raiva ao ler um livro que retrata de forma tão machista as mulheres. Não sabia que iria virar um filme, então acredito que talvez eles modifiquem muita coisa. O título do livro me atraio bastante, já que tenho bastante curiosidade a respeito da cultura asiática, porém acredito que essa é o tipo de história que passo longe rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Eu também achei meio cansativo em algumas partes, mas até gostei do livro e da história. Também quero assistir o filme para ver se ficou legal, pelo trailer parece que ficou bem interessante a adaptação.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir