5.11.18

Bile Negra (Oscar Nestarez)

Ficha Técnica:
Nome Original: Bile Negra
Autor: Oscar Nestarez
País de Origem: Brasil
Número de Páginas: 168
Ano de Lançamento: 2017
ISBN-13: 978-85-67191-40-9
Editora: Empíreo

Hoje vou de mais um livro brasileiro, escritor de São Paulo, e me sinto ainda mais responsável por fazer essa resenha por ser alguém que conheço pessoalmente e considero muito.

Eu nunca fui uma leitora de horror ou terror, tenho poucas leituras nesse campo. Mas sendo uma publicação de um amigo não podia deixar de ler. Demorou, mas quando peguei pra ler, foram apenas 4 horas da primeira à última página.

Na obra, conhecemos Vex, após um grande trauma familiar, que já incluía ação do sobrenatural, e tentativa de suicídio, resolve voltar à vida noturna paulistana com seus amigos Téo, Vera, Caio Graco, Môa e Sandra.

Vex se consulta com uma psiquiatra para tratar o trauma sofrido e após sair de uma consulta encontra nos corredores da clínica com outra paciente que tem um olhar sombrio, como se um fantasma negro estivesse sob seus olhos. Ele fica tão assustado que decide ligar para seus amigos para se encontrarem no bar onde sempre iam nos últimos anos.

Lá ele se diverte como não fazia há anos, bebe até ficar inebriado e acaba indo pra casa de San (Sandra) sua paixão cheia de idas e vindas. Mas dessa vez ele acha que pode ser algo diferente, pela primeira vez sente que fazem algo além de sexo, que foi mais íntimo, já que ambos passaram por um grande trauma em suas vidas desde a última vez que estiveram juntos.

Após passar o final de semana todo na casa dela, ele sente um sopro de energia e conversa com Môa, amigo e dono de uma editora, a procura de um trabalho, já que Vex é tradutor. O livro que Môa lhe entrega pra traduzir é sobre uma teoria antiga e rebatida por vários médicos, mas regatada por um escritor misterioso: teoria humoral, que trata do equilíbrio entre sangue, fleuma, bile amarela e bile negra, sendo a bile negra responsável pela melancolia. Vex fica tanto intrigado quanto curioso e decide aceitar o trabalho da tradução, inclusive porque precisa do dinheiro.

A noite, San vai para sua casa e durante a noite ele vê em seus olhos a mesma sombra que havia visto nos olhos da outra paciente na clínica, mas dessa vez muito mais intenso, ela fica paralisada como se olhasse para o nada. Ele tenta acordá-la do transe, mas ela parece inatingível, até que começa a chorar e parece despertar de um pesadelo. A noite segue conturbada, ele não dorme e ela inquieta. Na manhã seguinte ela sai pra trabalhar e ele começa a tradução do livro misterioso.

Não muito tempo depois, Vex recebe uma ligação avisando que San havia sofrido um acidente de carro e está em coma. Ele corre para o hospital e lá, novamente, vê nos olhos da mãe dela aquela sombra negra que o assusta tanto.

No dia seguinte, ao visitar San sozinho, ele vê aquela sombra tomar forma e sair de seus olhos, como uma nuvem de dor e sofrimento, como se fosse a materialização de pensamentos ruins e agressivos, do mais profundo abismo dentro de uma pessoa. Mas, com a entrada dos enfermeiros, a nuvem retorna para dentro de San.

Vex fica entre confuso e amedrontado, sabendo que algo não está bem. Por quatro vezes presenciou a ação dessa nuvem negra e não sabe o que é e o que fazer. Ele acredita que pode encontrar resposta no livro que está traduzindo, mas não avançou muito na leitura e não consegue se concentrar devido a todos acontecimentos.

Daí pra frente é um desencadear de acontecimentos bizarros. Seus amigos são um por um dominados por essa nuvem negra, parecendo possuídos por um espírito maligno, fazendo coisas que jamais fariam em seu estado normal e Vex decide fugir para o sul do país onde sua família tem uma casa afastada de tudo.

Para essa viagem ele chama Caio, o único que até agora não havia sido atingido pela epidemia. Por vários lugares onde eles passam, nuvens negras se acumulam sobre pessoas atingidas pela epidemia.

Nessa parte do livro eu já não conseguia tirar os olhos das palavras e o só consegui parar quando acabei. Foi uma leitura bem intensa, a estrutura do texto me deixou realmente ansiosa pela conclusão.

Após concluir a leitura, fiquei com a sensação de que faltou alguma coisa, não sei se foi a intensão do autor, mas me pareceu que alguns assuntos poderiam ter sido mais bem explorados. Mas isso de nada abona a obra, ao contrário, se você gosta de terror e horror, leia e se surpreenda. Em meio a tantas histórias de zumbis, acredito que essa nova visão de epidemia seja um novo respiro.

Quotes:
A mente de cada um é um universo fechado para todos os demais. Pg 17
Depois de tanto tempo ausente, narcotizado por remédios e empenhado em pacificar os tumultos que por pouco não me afastaram de vez da vida em sociedade, eu precisava me envolver nas brumas de possibilidades imorais e condenáveis – mesmo que não se cumprissem. Pg 19
Só depois de muito tempo percebi que foi amor o que fizemos naquela noite. Um amor estranho, como que profético, como se pressentíssemos que algo tremendo estava prestes a acontecer. Pg 28
O oceano de concreto absorvia o fulgor da aurora com estranho lirismo, tão estranho quanto minha própria percepção daquele amanhecer.  Ao longe, ainda indiscernível aos olhos que se projetavam pela cidade inteira e além, percebi, ou pressenti, novamente, que algo de proporções inconcebíveis operava em silêncio. Pg 80

UM POUCO SOBRE O AUTOR: Nascido em São Paulo, Oscar Nestarez é pesquisador da literatura de horror, sobre a qual já publicou diversos artigos e o estudo Poe e Lovecraft: um ensaio sobre o medo na literatura (2013). No campo da ficção, é autor das antologias Sexorcista e outros relatos insólitos (2014) e Horror adentro (2016). Bile Negra é seu primeiro romance.



Nenhum comentário:

Postar um comentário