23.4.18

América do Sul Sobre Rodas (Max Fercondini e Amanda Richter)

Ficha Técnica:
Nome Original: América do Sul sobre Rodas
Autores: Max Fercondini e Amanda Richter
País de Origem: Brasil
Número de Páginas: 240
Ano de Lançamento: 2017
ISBN: 978-85-8163-471-5
Editora: Novo Conceito
Compre Amazon

Em um dia comum, simplesmente procurando algo para assistir na TV, me deparei com o programa América do Sul sobre Rodas, exibido pelo canal Mais Globosat. Como adoro viajar e tenho preferência declarada por países de língua espanhola, já me encantei pela proposta do programa de mostrar o casal Max Fercondini e Amanda Richter em uma viagem de 180 dias pela América do Sul.

Ao procurar mais informações sobre a viagem, percebi além dos 10 episódios do programa, havia também um livro, o que me deixou bem empolgada. Com prefácio escrito pela família Klink (conhecida pelas inúmeras viagens aventureiras), o livro apresenta várias dicas e detalhes numéricos da viagem, que percorreu 21 mil quilômetros entre os países visitados. Traz ainda alguns conteúdos exclusivos dos episódios em QR Codes. Narrado alternadamente entre o casal, o livro destaca a importância do planejamento da viagem, tanto financeiro como o da rota a ser percorrida e relata detalhes do motorhome, veículo utilizado por eles na viagem.


O primeiro país visitado é o Uruguai, tido como um dos países mais seguros da América do Sul. Como não houve gravação de nenhum programa por lá, permaneceram somente por 4 dias e o relato é curto, mas o casal não deixa de indicar algumas cidades e pontos turísticos, como Montevidéu, Punta del Este e Cabo Polônio.

A chegada a Argentina foi diferente: de barco, diretamente da cidade de Colonia do Sacramento a Buenos Aires, com o motorhome também no barco e permaneceram no país por 33 dias. O primeiro ponto de gravação é em El Calafate e suas geleiras, mas durante o caminho são relatadas as dificuldades deles com o idioma, a responsabilidade das gravações e da produção do programa, o trânsito agitado e motoristas estressados da cidade de Buenos Aires, além da maior colônia de pinguins em Punta Tombo e o encantamento de Max e Amanda ao finalmente chegar ao Parque Nacional Los Glaciares, onde tiveram a oportunidade de caminhar sobre as geleiras.

A segunda gravação é na cidade de Neuquén, na qual apresentam o projeto Dino com o paleontólogo Jorge Calvo e relatos bem interessantes. Nem tudo é perfeito na viagem: próximo da fronteira com o Chile, o motorhome ficou “atolado” e o casal só conseguiu sair da estrada com a ajuda de um motorista que passava por ali.

No Chile, país mais estreito do mundo em que estiveram por 30 dias, mostram o vulcão Villarica, na cidade de Pucón, tema do terceiro programa. Em meio a expectativa e ao medo de erupção, escalam o vulcão. A primeira diferença entre o livro e o programa foi notada aí: no programa, aparece como só Max tivesse escalado (enquanto isso, Amanda mostra as Termas Geométricas e suas águas termais com algumas dificuldades narradas somente no livro), sendo que na verdade o casal está junto em todos os lugares. 

Assim como na Argentina, Max e Amanda também param na capital chilena (Santiago) e enquanto Amanda visita uma amiga, Max aproveita para fazer uma revisão no veículo, demonstrando a importância da manutenção da “casa sobre rodas” como eles denominam o motorhome. Eles seguem na estrada em direção ao Deserto do Atacama para o quarto programa e relatam uma situação em que quase foram ludibriados. Mostram o observatório (ESO), o maior conjunto de telescópio do mundo e ficam deslumbrados com o céu estrelado do Atacama.

O próximo país da viagem é o Peru, onde estiveram por 32 dias. Se impressionaram com a força de trabalho do povo e descobriram o museu da totora (planta aquática que cresce no Lago Titicaca, tema principal do quinto programa), são recebidos pelas pessoas que vivem nas ilhas flutuantes (Uros) e conhecem o artista Omar, que os ensina uma grande lição.

Chegam a cidade de Cusco e por acaso participam da procissão do “Senõr de los Temblores”, uma das manifestações religiosas mais importantes da cidade. Já em Macchu Picchu, cumprem com a expectativa de mostrar algo inédito do local no sexto programa. Além disso, há relatos sobre as linhas de Nazca e informações sobre Lima, a capital peruana.               

A próxima fronteira é a do Equador: numa viagem de 35 dias com chegada turbulenta: identificaram multas para o veículo, o que impossibilitava a entrada ao país. Na cidade de Cuenca (patrimônio cultural pela Unesco e tema do sétimo programa), conhecem as “toquilleras”, que fazem os chapéus-panamá de forma artesanal e sentiram o terremoto mais forte dos últimos 37 anos no país.

O programa seguinte é gravado em Ayanque, com mergulho, visualização do Cristo submerso e de mantas gigantes. A praia é conhecida como “piscina do Pacífico". Explorando a gastronomia equatoriana, há um relato divertido e criativo sobre a preparação de uma lagosta, além da curiosidade sobre a linha do Equador.

O último país visitado pelo casal é a Colômbia, por 45 dias. A foto que abre o capítulo do país já ganhou meu coração, a “Ciudad Amurallada” de Cartagena, local em que estive em 2016. Retrata  também semelhanças entre a cidade de Cali e o Rio de Janeiro, sendo o povo colombiano conhecido como um dos mais alegres do mundo. O oitavo programa retrata a cidade de Medellín, uma das mais violentas do mundo antes do acordo de paz entre o governo e a oposição (FARC), com suas pinturas em grafite e obras do artista Fernando Botero.

O último programa apresenta Cartagena, Max e Amanda demonstram encantamento pela cidade e dificuldades pelo clima, com sol intenso. Essa foi a parte que mais gostei do livro, pois revivi praticamente todos os pontos turísticos que visitei (Ciudad Amurallada, Castelo de San Felipe de Barajas e a Ilha do Rosário, de águas cristalinas). A viagem é encerrada com uma visita rápida a Bogotá, capital colombiana.

Há também um bônus sobre a viagem aérea de Max e Amanda pelo Brasil, na qual ele pilotava um avião monomotor, que também virou um programa “Sobre as asas”, exibido também pelo canal Mais Globosat. Para finalizar o livro, constam receitas típicas de cada país pelos quais passaram, com dicas de preparo e acompanhamentos indicados.

O único ponto negativo do livro é que nas dicas de frases importantes em espanhol numa viagem há alguns erros, o que me decepcionou. Se a intenção é ensinar e ajudar, acredito que seria imprescindível um pouco mais de cuidado nesse aspecto. 

Por outro lado, o livro apresenta muitas dicas, fatos históricos e curiosidades interessantes, além de inúmeras fotos lindas que ilustram perfeitamente cada lugar. Tive vontade de conhecer todos os pontos abordados e retornar aos que já tive oportunidade de visitar. As reações e impressões do casal durante o trajeto também se destacam, já que eles não hesitam em relatar medo, insegurança, indecisão e momentos de perigo, o que enriquece bastante a leitura.


Eu adorei e super recomendo para quem goste de viajar e principalmente para quem queira conhecer mais sobre os países da América do Sul. Outras informações sobre a viagem, os programas e o livro podem ser encontradas AQUI.


Um poco sobre os autores:          
Max Fercondini é natural de São Paulo e iniciou sua carreira na televisão com 14 anos de idade. A partir daí, trabalhou como ator em diversas produções, entre elas novelas, minisséries e filmes, o que lhe garantiu um olhar amplo sobre a narrativa audiovisual. Sua experiência como apresentador e diretor de TV também foi essencial para a produção do que viria a se tornar o América do Sul Sobre Rodas. Aos 22 anos, habilitou-se como piloto privado de avião, o que instigou ainda mais seu interesse por novas aventuras. Na expedição pelas estradas do sul do continente, suas principais funções foram “pilotar” o motorhome e dirigir o quadro exibido na TV. Como não contava com equipe, Max acumulou ainda as atividades de editor, diretor de fotografia e cinegrafista.

Amanda Richter nasceu na cidade catarinense de Joinville e aos 14 anos de idade resolveu alçar voos mais altos em São Paulo. Os caminhos profissionais a levaram a experiências ainda mais peculiares, como quando morou em Taipei (Taiwan) e em Bangcoc (Tailândia), ambas na Ásia. O contato com múltiplas culturas e o desafio de ter de lidar sozinha e muito jovem com questões do dia a dia foram de suma importância para o papel que desempenhou no livro. Além de apresentar o programa ao lado de Max, foram atribuídas a ela as funções de cinegrafista, assistente de direção e produtora local.

12 comentários:

  1. Oi Kelly, tudo bem? Lembro que na época de lançamento o livro não me chamou muita atenção, mas depois da sua resenha acho que parece bem interessante, mesmo pq eu adoro os países da América do Sul, amo Buenos Aires e tenho muita vontade de conhecer Cartagena e Macchu Picchu! Tanto o programa quanto o livro parecem ser bem bacanas!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi Kelly! Maravilhoso não é? O sonho da minha vida é sair viajando pelo mundo conhecendo muitos países e culturas diferentes, mas não sei se teria coragem de ir num trailer, por estradas desconhecidas, encontrando de tudo pelo caminho. Sou muito medrosa! Mas achei tudo fantástico, e se for acompanhada do marido, melhor ainda! Foi uma pena no livro terem algumas dicas erradas, porque pode confundir quem tem um plano desses e não entende muito da língua. Adorei a matéria!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Kelly.
    Sou apaixonada por viagens e faz tempo que estou programando algo pela América do Sul, principalmente pelo Chile. Adorei a sua dica e acho que o livro pode me ajudar bastante, mesmo sendo um relato da viagem do casal e não um guia propriamente dito!!
    Uma pena que existem esses errinhos...
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Oii Kelly, tudo bem? Essa foi sem sombra de dúvidas a resenha mais completa que li do livro. Ficou ótima! Parabéns. E que bom que gostou da leitura. Não faz muito meu estilo, mas certamente darei uma folheada caso vá para uma viagem pela América do Sul :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Deve ter sido uma experiência maravilhosa para os dois viajarem por aí e documentarem tantas coisas e conhecer as culturas dos países.
    Quem não gosta de realizar viagens né.
    Só não sei se leria pois não faz muito meu estilo de leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Olá, Kelly!

    Primeira vez que ouço falar do livro.kkkkkk... Eu nunca saí do Brasil, infelizmente. Nunca viajo, só fui uma vez para a Bahia, passei meses lá e depois nunca mais saí do RJ para estado algum, muito menos outro país. :( Quero muito um dia ter a oportunidade de realizar viagens e se tem um lugar que quero imenso conhecer é a Argentina, por causa da minha autora amada Florencia Bonelli. Também adoraria pisar no Chile, Colômbia, Peru... Um dia realizo esse sonho.rsrs

    Não sei se leria esse livro, pois não tenho o hábito de ler livros sobre viagens, documentando viagens realizadas pelas pessoas, mas que fiquei com vontade de conhecer esses lugares que você mencionou na resenha, isso fiquei!rsrs

    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente esse não é o tipo de programa que me chame a atenção, o mesmo se dá ao livro. Uma pena a revisão não ter corrigido os erros ortográficos, por outro lado a riqueza em informações culturais e históricas do lugar são boas. Quem sabe um dia dou uma chance pelo menos ao programa.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Acompanhei pelo instagram o lançamento desse livro e não tinha me interessado.
    Sua resenha foi um bom plot twist para meu preconceito, achei muito interessante e um ótimo guia para viagens futuras.
    Beijos
    www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, Kelly!
    Isso é o que eu chamo de livro de road trip. rsrs
    Embora seja mais voltado para a experiência que o casal teve do que qualquer outra coisa, deve dar boas dicas do que vai encontrar durante a viagem. Realmente uma boa opção de leitura para quem pretende viajar.
    bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  10. Olá Kelly,
    Não conhecia nem o programa e nem o livro e me surpreendi por descobri que o autor é o Max. Gostei muito do teor educativo que o livro tem e das coisas que ele apresenta. É bem interessante para quem tem intenção de ir a algum desses destinos - ou vários -, mas é uma pena que na parte de dicas de frases, os autores não tenham tomado cuidado com a forma correta de escrever :(
    Adorei sua resenha, mas, como não curto muito esse tipo de livro, não fiquei interessada em ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá, adorei sua resenha assim como adorei conhecer este livro. Achei bem diferente trazer tudo sobre as viagens do casal, e sempre em lugares tão lindos. Dica anotada, espero ler logo.

    ResponderExcluir
  12. Olá ♥
    Não sou muito fã de livros assim, mas como amo viajar fiquei interessada no livro. Assim que li Cartagena o olho até brilhou, pois é um lugar que pretendo ir em breve fico babando nas praias de lá. Não conheço o programa, mas estou curiosa. Estamos acostumadas a vê o Max em ação nas telonas da globo e fiquei feliz em saber que ele que escreveu o livro e ao mesmo tempo curiosa. Amei sua resenha, beijos!

    ResponderExcluir