6.9.19

O Feminismo É Para Todo Mundo (Bell Hooks)

Ficha Técnica:
Nome Original: Feminis Is For Everybody: Passionate Politcs 
Autora: bell hooks
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Ana Luíza Libânio
Número de Páginas: 176
Ano de Lançamento: 1999
ISBN-13: 9788501115591
Editora: Rosa dos Campos

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 64º livro lido em 2019 e foi O Feminismo É Para Todo Mundo (Bell Hooks). Este livro era a leitura do mês do clube do Livro Leia Mulheres Santo André, que comecei a participar em agosto. Foi uma experiência maravilhosa porque este é um livro que eu não leria se não fosse pela leitura em conjunto e já adianto que o livro me deixou muito satisfeita e ao mesmo tempo incomodada em função da sua simplicidade em falar sobre temas tão pertinentes a realidade de todo mundo.

A proposta do livro é muito clara desde o início: levar o leitor a entender o quanto o feminismo é benéfico para todas as pessoas, independente de sua origem, classe ou raça e a autora faz uso de seus muitos títulos acadêmicos para explicar isso de forma didática e fluida e explicar ao leitor os aspectos positivos de ser feminista.

O livro atravessa as ideologias políticas, de religião e comportamento, nos esclarece o quanto temos a ganhar quando nos posicionamos e ao mesmo tempo o quanto precisamos desconstruir nosso modo de viver, pensar e agir para que nosso discurso seja harmonioso para com as nossas atitudes de vida.

Dois pontos em especial me chamaram muito a atenção na leitura. O primeiro foi quando a autora relata o alinhamento político que precisamos ter ao nos assumir feministas. Com exemplos, ela esclarece o quanto não é coerente sermos coniventes com políticas que alimentem a diferença de classes e ao mesmo tempo, desejar e lutar por direitos iguais entre homens e mulheres. É necessário ter uma consciência política em que a sociedade dê as mesmas oportunidades para todas as pessoas e que os privilégios não sejam critérios para que as pessoas conquistem seus espaços.

Outra questão foi quando ela citou a fé como um elemento de manutenção da sociedade machista e opressora. Tendo sua estrutura baseada em uma sociedade patriarcal em que as mulheres são propriedades dos homens, principalmente o cristianismo não pode apoiar a causa feminista em que o empoderamento feminino é a base para uma sociedade justa e livre. 

A questão do corpo é também discutida de forma muito pertinente pois a sociedade ocidental estimula a liberdade das mulheres, mas as aprisiona em um padrão de beleza cruel em que somos levadas a nos odiar se não conseguimos nos ver representadas nas modelos que estampam as revistas e nas atrizes que estrelam as produções cinematográficas.

A leitura do livro foi uma experiência grandiosa para mim porque embora eu me entenda como feminista, não tinha pensado no quanto expor todos estes pontos para as pessoas que me cercam pode ser elucidador no processo que termos uma realidade mais igualitária, tanto no mercado de trabalho quanto dentro da minha própria casa. De uma maneira simples, mas não simplista, a autora conseguiu visitar muitos temas e dar exemplos práticos de como ser feminista não diminui ninguém, apenas torna nossa sociedade mais forte e humana em todas as esferas.

Eu recomendo o livro porque como o próprio nome diz, Feminismo é Para Todo Mundo e sua leitura pode esclarecer pontos que, geraram dúvidas e preconceito sobre o tema durante muito tempo.

Para mim foi um livro maravilhoso e me despertou desejo de ler ainda mais coisas sobre o tema para que meus argumentos sejam bem baseados.

Eu adorei!!!


Um pouco sobre a autora: bell hooks é o pseudônimo de Gloria Jean Watkins, escritora norte-americana nascida em 25 de setembro de 1952, no Kentucky – EUA. O apelido que escolheu para assinar suas obras é uma homenagem a tataravó Bell Blair Hooks. A justificativa do nome ser escrito todo em letras minúsculas é servir a duas funções: distinguir-se de sua parente homenageada e estabelecer a importância do conteúdo de seus textos em comparação com a sua biografia. bell hooks usou a própria vida como fonte dos seus primeiros estudos sobre raça, classe e gênero, sempre buscando nesses três elementos os fatores da perpetuação dos sistemas de opressão e dominação. A autora, feminista e ativista social assumida, foi premiada com um 'The American Book Award', um dos prêmios literários de maior prestígio em seu país. Entre as influências de hooks, além de Martin Luther King, Malcom X e Eric Fromm, figuram a feminista Sojourner Truth (cujo discurso 'Ain't I a Woman?' inspirou uma das obras de hooks), o educador Paulo Freire, o teologista e padre dominicano Gustavo Gutierrez, Lorraine Hansberry, o monge Budista Thich Nhat Hanh, o escritor James Baldwin, e o historiador guianense Walter Rodney. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:
    • Meu Crespo Tem História
    • Olhares Negros
    • Erguer a Voz
    • Minha Dança Tem História

10 comentários:

  1. Olá Ivi!
    A obra parece ser bem esclarecedora sobre o ato de ser feminista, nos permitindo refletir sobre a verdadeira motivação por trás do movimento, que, incompreendido por muitas pessoas, acaba sendo rechaçado.
    Estar engajado politicamente é, sem sombra de dúvidas, algo fundamental, principalmente porque sempre é exigido mais da mulher, que na sua posição deve estar preparada para lutar e defender o objetivo da vertente.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Uau, eu preciso desse livro!
    Amo leituras com essa temática, porque sempre temos mais a aprender.
    Bom saber que apesar da narrativa didática, a leitura é fluida.
    Gostei de saber dos pontos que a autora aborda, e são pontos que eu concordo.
    Feliz que a leitura coletiva tenha te proporcionado a chance de ler esse livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Um livto bem interessante mesmo e que foca em vários pontos importantes e controversos. Política, religião, o uso da fé, as diferenças que ainda hoje existem entre gêneros e os benefícios de cada...fala de coisas boas pra abrir os olhos e fazer entender a importância do movimento não só para a mulher, mas para todo mundo mesmo. Bem legal, leria. Parece um livro bem rico.

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Essa é a segunda resenha que leio sobre essa obra e a vontade de ler ele vem aumentando. Interessante que seja um livro quase didático. Um dos meus maiores sonhos é que não precisemos mais falar/explicar o feminismo.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  5. Olá! ♡ Eu ainda não conhecia a autora, mas sinto que preciso ler este livro, pois de fato, o feminismo é para todo mundo! ♡
    Eu simplesmente adorei a proposta do livro e estou bem animada para ver a maneira com que a autora explicou sobre os aspectos positivos do feminismo.
    É verdade, não tem como apoiarmos o feminismo se ao mesmo tempo também apoiamos políticas que pregam exatamente o contrário do que o próprio feminismo prega.
    Acho extremamente importante essa questão do corpo ser abordada, pois a sociedade implanta padrões sobre como nosso corpo deve ser, acabamos odiando nosso próprio corpo e muitas vezes nos vemos recorrendo a métodos absurdos e desnecessários para conseguir o "corpo perfeito" que a sociedade tanto impõe.
    Com certeza vou querer ler, essa é uma leitura muito necessária ♡
    Obrigada pela indicação! Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Já me sentia traida pelo liveo só pelo titulo. Acredito que o feminismo precisa ser comentado em livros ainda mais dessa forma, explicando cada detalhe, tirando dúvidas. Mostrando o que o feminismo realmente é, pois muitas pessias tem uma ideia errada sobre isso. Esse livro esta repleto de informação necessária e importante por isso estou muito afim de ler.

    ResponderExcluir
  7. Olá Ivi!
    Que bacana esse clube de leitura, sempre quis participar de um, deve ser muito enriquecedor trocar experiências de leitura pessoalmente. O livro trata de um assunto bem atual e polêmico, pois ainda há muito preconceito por aí. Não tinha parado para pensarem como esse padrão de beleza vai contra o feminismo, mas faz muito sentido. Há também muita desavença entra as mulheres, quando deveríamos nos unir e apoiar umas as outras. É uma leitura mais do que necessária pra toda a sociedade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ivi!
    Então, minha relação com o feminismo é bem complicada, a ponto de gerar um pequeno debate. Não falo que sou feminista pois não quero ser associada a uns atos por aí. Mas, ao mesmo tempo, acho que temos que agir, levantar e fazer nosso "trabalho". Estudar, entrar aonde quisermos, trabalhar como o que quisermos isso depende de nós. Minha mãe criou 2 filhos sozinha, foi auditora aos 16 anos, quando praticamente não existia mulheres na área, foi servidora pública, e tudo o mais, mas não se considera "feminista".
    Enfim, são opiniões, talvez eu leia, talvez não.

    ResponderExcluir
  9. Um livro forte e reflexivo, algo que todos nòs temos que ler e ver que certas questões não são somente no Brasil e sim em todas as partes do mundo. Esse é um livro que gostaria muito de ler, pois vai me acrescentar bastante.

    ResponderExcluir
  10. Oiii ❤ Gostei muito da proposta desse livro de mostrar para as pessoas como o feminismo é benéfico não só para as mulheres, mas sim para toda a população.
    Realmente, não faz sentido que apoiemos políticas que são contra o feminismo e que são a favor de injustiças sociais. Os direitos precisam ser iguais para todos independente de etnia, classe social e tudo mais.
    É bem contraditório que o Ocidente incentive as mulheres a se empoderarem, mas mesmo assim imponha padrões de beleza as mulheres.
    Preciso ler esse livro!
    Beijos ❤

    ResponderExcluir