9.10.19

Uma Noite na Praia (Elena Ferrante)

Ficha Técnica:
Nome Original: La spiaggia di notte
Autora: Elena Ferrante
País de Origem: Itália
Tradução: Marcello Lino
Número de Páginas: 40
Ano de Lançamento: 2016
ISBN-13: 9788551000366
Editora: Intrínseca

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 73º livro lido em 2019 e foi Uma Noite na Praia (Elena Ferrante). Este livro foi a leitura do mês de setembro do Clube do Livro Leia Mulheres de Santo André do qual participo. Elena Ferrante é uma autora que me intimida, pois ouço e leio tantos elogios para com seus livros e de pessoas tão cultas que sempre tive medo de conhecer sua obra e não absorvê-la. Por isso quando vi que a leitura seria de uma obra dela e que o livro se tratava de uma história infantil, confesso que fiquei muito empolgada porque acreditei que seria um excelente começo para mim.

O livro nos traz uma boneca como protagonista, a Celina, esquecida por sua dona Mati na praia. Celina terá que enfrentar a escuridão, o vento frio e possíveis perigos até que o dia amanheça, ela seja encontrada e volte ao conforto do carinho e do amor da criança dela.

Mati é uma garotinha de cinco anos que não vivia sem Celina. Ela era cuidadosa e muito amorosa com sua boneca, mas isso começou a mudar quando a menina ganha um gato, o Minu e por causa dele, acaba esquecendo a boneca na praia.
O livro tem uma linguagem muito simples e o desenvolvimento do enredo é rápido e fácil, mas é claro que essa história singela tem outra interpretação quando lida por um adulto. Se para as crianças pode ser usada apenas como uma ilustração de como elas precisam ser responsáveis por suas coisas, os adultos podem perceber outras linhas de pensamento.

O livro traz a reflexão sincera e real sobre amizade, apego, lealdade e expectativa com o cuidado dos outros. Traz também a questão de não sabermos o que cada um sente ou espera de nós e sobretudo, nos faz pensar sobre coragem, superar nossos limites e acreditar que todo este esforço e desgaste pode ser recompensado por algo bom.

É uma leitura rápida, mas tensa. Ao concluir o livro, eu o li novamente para poder entendê-lo, absorvê-lo e deixar o poder desta história ficar mais tempo no meu coração.

Sem dúvida foi uma excelente porta de entrada para conhecer a autora. Ainda me sinto intimidada, pois se para uma criança ela conseguiu construir um a história tão boa e consistente, o que ela não fará por adultos? Ainda assim, quero me arriscar e me deixar seduzir pela intimidade que ela tem com as palavras e quem sabe me tornar mais uma de suas admiradoras.

Eu adorei.


Um pouco sobre a autora: Elena Ferrante é o pseudônimo de um(a) autor(a) que ainda não se pronunciou sobre sua real a identidade. Uma polêmica investigação jornalística supõe que seja Anita Raja e, talvez, de Domenico Starnone. Ele(a) teria nascido em Nápoles e apreciado profundamente Tchekov e Austen; a única certeza é que sua carreira editorial iniciou em 1991. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:
    • Uma Noite na Praia
    • Um Amor Incômodo
    • A Filha Perdida

4 comentários:

  1. Olá!

    Não sabia que a autora escrevia livros infantis, fiquei surpresa agora.
    Parece ser uma história que traz alguns aprendizados, mas achei muito madura para uma criança ler. Tenho muita curiosidade em conhecer a escrita da autora, leio comentários super positivos a respeito de suas histórias.
    Acredita que eu não sabia que a verdadeira identidade dela não é revelada? Bateu uma curiosidade enorme a respeito.

    ResponderExcluir
  2. Eu ouço falar muito dos livros da Elena Ferrante e, como você, também sinto certo medo de não conseguir absorver as histórias, de não ser capaz de compreendê-las.

    Achei muito válido começar por uma obra infantil da autora (acho que vou fazer o mesmo), embora pareça um livro como O Pequeno Príncipe: quando lido em nossa fase adulta é melhor compreendido.

    Gosto de histórias que provocam reflexões sobre assuntos e sentimentos importantes e fico me perguntando qual será o final da bonequinha Celina.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ivi!
    Não conhecia essa autora, mas fiquei intrigada com o que você comentou sobre quão profundo ela pode intimidar mesmo em livros infantis, vou procurar saber mais dela, obrigado pela dica. Gostei de saber que mesmo nesse livro infantil temos lições a aprender pois tudo é um aprendizado. Parabéns pela resenha você transformou em palavras tudo o que estava sentindo e consegui captar suas emoções. Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Olá, amei saber o que achou desse seu primeiro contato com a autora, sou bem curiosa para ler algo dela e ainda não sabia que ela tinha escrito uma história infantil. Interessante como adultos e crianças podem interpretá-los de forma diferente.

    ResponderExcluir