25

O Mistério do Cinco Estrelas (Marcos Rey)

Ficha Técnica:
Nome Original: O Mistério do Cinco Estrelas
Autora: Marcos Rey
Ilustração: Alê Abreu
País de Origem: Brasil
Número de Páginas: 128
Ano de Lançamento: 1983
ISBN-13: 9788508018963
Editora: Ática

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 53º livro lido em 2016 e foi O Mistério do Cinco Estrelas (Marcos Rey). Este livro foi a minha primeira escolha para a minha Maratona de Releituras e eu estava ansiosa para reencontrar este enredo e estes personagens que tanto me cativaram na infância.

O livro nos traz o Leo, um adolescente de 16 anos que está feliz da vida com o seu primeiro emprego. Ele é mensageiro no Emperor Park Hotel, um luxuoso hotel em São Paulo. Já nos primeiros dias do emprego, Leo fez amizade com a maioria dos funcionários e conhece um pouco da rotina dos hóspedes permanentes e sendo assim, um destes hóspedes, Oto Barcelos conhecido como Barão, pede para que ele compre um jornal para ele e quando Leo vai buscar o dinheiro, vê dentro do quarto dele um homem no banheiro. Isso não chama muito a atenção do menino, apenas quando ele retorna com o jornal para o barão, ele percebe que existe um corpo embaixo da cama e o roupão do barão está sujo de sangue.


Leo fica então muito cismado com aquilo e compartilha a informação com o Guima, velho amigo da família do Leo e porteiro no Hotel e eles acabam vasculhando o quarto do Barão. O problema é que descobrem essa curiosidade do Leo e o incriminam por roubo. O livro então irá se desenvolver em descobrir de quem era aquele corpo embaixo da cama e provar a culpa do Barão.

Com uma linguagem muito simples e uma narrativa rápida, que não se detêm em divagações ou descrições desnecessárias, encontramos Leo dentro de um suspense e com a ajuda dos amigos, Guima, Gino e Angela, Leo precisa provar a sua inocência e descobrir o verdadeiro culpado.


A primeira vez que li este livro, eu tinha 12 anos e foi uma leitura obrigatória para a escola e tenho a lembrança que adorei a história. Achei empolgante a questão do mistério, das pistas e como o assassinato seria revelado. Desta vez, li o mesmo exemplar, fiz a leitura do livro já consciente que todo este suspense, era para o público infantojuvenil e ainda assim, adorei a forma como o autor colocou o mistério como o fio condutor dentro da narrativa e nisso, alinhavou alguns temas interessantes.

No livro temos o personagem do Gino, um cadeirante, inteligentíssimo que como bom enxadrista, consegue entender as pistas e orientar Leo em cada passo desta aventura. O personagem do Gino, discretamente, levanta alguns temas que são bem pertinentes, como a acessibilidade dentro de uma metrópole. Gino deixou de participar de campeonatos de xadrez porque o local onde eram realizadas as disputas, não tinha rampas. Em um determinado ponto da história, ele compartilha com Leo o desejo de ser arquiteto e trabalhar para que todos os prédios e repartições públicas, tenham rampas. Achei essa representatividade muito bem inserida no livro.


Outra questão interessante no texto, é o pai do Leo que já ganhou dinheiro com marceneiro e hoje vive fazendo estatuetas de madeira e as vende em uma feira hippie, porque acredita que a felicidade é melhor que o luxo. Achei muito apropriado a oportunidade de se refletir sobre isso e sobre ser feliz fazendo aquilo que se gosta, não apenas para se ganhar dinheiro.

Desta forma, vemos os personagens coadjuvantes, se movimentando ao redor de Leo e trazendo uma pitada de reflexão sobre algumas questões, mas tudo isso, de forma muito suave, sem grandes aprofundamentos, mas que poderiam ser bem aproveitados por um professor em uma discussão de sala de aula.


Outra coisa que me chamou a atenção, foi perceber o contexto dos anos 80 no enredo. Não existia internet ou celular e isso fez com que os personagens se desdobrassem mais para alcançar os objetivos.

O livro traz a possibilidade de um romance entre Leo e Angela, mas isso não ocupa nem 10 por cento da trama, porque o enredo é todo baseado na solução do mistério.

Mais uma vez, adorei a leitura e as 128 páginas passaram por mim de forma rápida e fluida, como se eu estivesse assistindo a um bom filme dentro deste gênero. Apesar de todo o contexto diferenciado, super recomendo a leitura para leitores que estejam entre os 10 e 16 anos, porque o texto é envolvente e os personagens muito carismáticos.

Além disso, o livro traz ilustrações com um traço muito simpático e leve e as ilustrações nos transportam para o enredo sem grandes dificuldades.

Eu adorei!!!

Observação: A leitura deste livro cumpre com o item 18 do Desafio Literário 2016. O item 18 seria a leitura de um livro que tivesse feito parte da minha infância, e este aqui, foi parte de uma época em que a leitura já era um grande vício para mim.
Se vocês tiverem sugestões para os outros itens, aguardo ansiosamente!!!


Um pouco sobre o autor: Edmundo Donato é o verdadeiro nome de marcos Rey, que nasceu em São Paulo no dia 17 de fevereiro de 1925 – São Paulo e faleceu em 1 de abril de 1999. Marcos foi também redator de programas de televisão, adaptou os clássicos A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo em forma de telenovela e o Sítio do Picapau Amarelo. Também foi colaborador em episódios do antigo programa Cabaret Literário, exibido no início da década de 80 pela RTC de São Paulo. Marcos usava sua cidade natal, São Paulo, como cenário de várias de suas obras. O autor se dedicou principalmente às obras voltadas ao público juvenil. Escreveu crônicas, contos e se destacou escrevendo romances. Escreveu também várias obras literárias adultas. Durante os anos 1970, foi roteirista de diversos filmes do gênero pornochanchada produzidos na Boca do Lixo, em São Paulo, como As Cangaceiras Eróticas e O Inseto do Amor. No gênero ficção infantil estreou com Não Era Uma Vez, drama de um garoto à procura de sua cadela perdida nas ruas. Na década de 1990 tornou-se colunista da revista Veja, São Paulo e em 1999, após voltar de uma viagem à Europa, foi internado para uma cirurgia, não resistindo às complicações. Alguns de seus livros publicados são:
  • Entre sem bater (romance, 1961)
  • Grandes Crimes da História (paradidático, 1967)
  • Memórias de um gigolô (romance, 1968)
  • Ópera de sabão (romance, 1978)
  • Malditos paulistas (romance, 1980)
  • O Mistério do Cinco Estrelas (mistério, 1981)
  • Código 2 (mistério, 1982)
  • Um cadáver ouve rádio (mistério, 1983)
  • O Rapto do Garoto de Ouro  (mistério, 1981)
  • Bem-vindos ao Rio (romance policial1986)
  • O roteirista profissional (ensaio, 1989)
  • Na rota do perigo (romance, 1991)
  • Os crimes do olho-de-boi (romance, 1995)
  • Cão da meia noite (contos, 1998)
Comentários
25 Comentários

25 comentários:

  1. Olá Ivi
    Eu ja tinha visto esse livro em algum lugar, só não me recordo de onde. Mas acho que a sua resenha é a primeira que leio a respeito e gostei bastante de seus comentários. Fiquei bem curiosa a respeito dos personagens e de como foi desvendado o mistério sobre o corpo também. Legal que você leu na escola e que voltou a reler, é sinal de que foi uma leitura bem válida. Deve ser uma leitura bem rápida e ao mesmo tempo envolvente. Dica anotada!

    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivi, tudo bem?
    Eu confesso que adoro livros de suspense, e sempre ouvi falarem muito bem desse livro. Eu gostei muito da sua resenha, pude conhecer um pouco mais da historia e dos personagens, e devo dizer que estou muito ansiosa para saber o desfecho dessa historia, eu necessito saber se o Leo vai conseguir sair dessa.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ivi, tudo bom?

    Ainda não conhecia essa livro, a historia parece ser fluida, né? Nessa semana mesmo eu estava selecionando alguns livros de mistério para ler, e vou aproveitar a dica para inclui-lo nela. Espero gostar tanto dessa leitura quanto você.

    Abs,
    http://perdidoemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Então, o Marcos Rey que me trouxe para o "mundo literário", eu li o livro dele 12 Horas de Terror e fiquei curioso para ler outros livros. O livro 12 Horas de Terror eu não terminei, mas vivo atrás dele.
    Eu voltei a ler a pouco tempo, desde o início do ano eu estava de ressaca literária, mas agora voltando com tudo e conhecendo mais uma boa história do Marcos, vou fazer de tudo para ler! :D

    http://desencaixados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ivi

    Coleção Vagalume <3 <3 <3
    Eu tinha varios livros dessa coleção, inclusive a minha primeira leitura da vida (tirando gibis) foi O Caso da Borboleta Atiria, da Lúcia Machado de Almeida!
    Li também O Mistério do Cinco Estrelas, mas eu devia ter uns 10/11 anos quando li, não me recordo muito da história, obrigada por refrescar um pouco minha memória!
    Pena que nem posso reler, pois todos os livros da coleção foram comidos por cupins! :( Eles ficavam em uma estante e deu infestação de cupim no fundo dela, quando minha mãe descobriu já era tarde demais.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ivi. Eu não conhecia a obra e me pergunto o porque também não foi uma leitura obrigatória quando eu estava na escola, teria sido uma experiência maravilhosa ler naquela época. Ainda assim, eu gostei bastante da trama e até fiquei curiosa para poder saber mais.

    ResponderExcluir
  7. Olá Ivi.

    Assim como você, eu amo minhas releituras. Simplesmente adorei o enredo da história escolhida por ti, por se tratar de suspense.
    Não conhecia esta obra ainda, mas tenho alguns títulos desta coleção.
    Nunca tive leituras obrigatórias de escola que me encantassem. Mas tenho certeza que se fosse uma história como esta, eu ficaria muito feliz. Talvez um amor à primeira vista kk.
    Vou colocar este título na minha lista de desejos. Estou certa de que sua opinião não vai me decepcionar. Obrigada por compartilhar um pouquinho desta história conosco.

    Abraços, Amanda!

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro mas ele parece ser ótimo. O Leo parece ser bem curioso, achei bem legal a questão do Gino ter vontade de ser arquiteto pra colocar rampas, e também sobre o pai do Leo. Esse tipo de livro nos faz refletir bastante sobre vários tamas e o tipo de coisa que queremos em nossa vida. Adorei a filosofia do pai do Leo. Vou anotar a dica aqui, assim que puder vou comprar a obra pra efetuar a leitura dela haha

    ResponderExcluir
  9. Oie...
    Nossa! Você já leu 53 livros esse ano! Quem me dera ter lido tantos assim kkk...
    A premissa do livro é bastante interessante e promete uma leitura leve, acho que por se passar nos anos 80 deve trazer uma ambientação bastante interessante, acho que ainda não li algum livro assim. Porém, apesar de ter encontrado vários pontos legais não fiquei com vontade de ler, pois, estou longe da facha etária (22 anos) e isso pode tornar a leitura maçante.
    Adorei sua resenha.
    Bjo

    ResponderExcluir
  10. Oiii!

    Eu sou louca para ler essa série! Eu já assisti ao Escaravelho do Diabo que é um dos livros da série mas não tive a oportunidade de ler. Acho que são livros que são mega conceituais e podemos ler a qualquer momento que ficaremos bem informados.
    Gostei da sua resenha e de ver mais um tiquizinho na sua lista!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi... tudo bem? Minha nossa, já passou dos 50 livros em seis meses!!! Olha, eu lembro desse livro no meu tempo de escola, mas não me recordo se cheguei a lê-lo (faz um bom tempo que saí da escola...) Hoje meu gosto caminha para leituras mais densas; entretanto, como você mesma pontuou essa obra é indicada para os jovens em fase escolar. E acredito que é um livro que eles adoram, pois tem ilustrações (eu detestava quando tinha que ler um livro sem figurinhas [risos]).
      Parabéns pela resenha!

      www.livroselegendas.com

      Excluir
  11. Oo Ivi, esse livro ei não conhecia mas li vários outros dessa mesma série quando eu era mais nova. É tão gostoso fazer essas releituras não é mesmo? Tenho certeza que enquanto relia lembrava de muita coisa dos seus doze anos!
    BJ

    ResponderExcluir
  12. Oi... tudo bem? Minha nossa, já passou dos 50 livros em seis meses!!! Olha, eu lembro desse livro no meu tempo de escola, mas não me recordo se cheguei a lê-lo (faz um bom tempo que saí da escola...) Hoje meu gosto caminha para leituras mais densas; entretanto, como você mesma pontuou essa obra é indicada para os jovens em fase escolar. E acredito que é um livro que eles adoram, pois tem ilustrações (eu detestava quando tinha que ler um livro sem figurinhas [risos]).
    Parabéns pela resenha!

    www.livroselegendas.com

    ResponderExcluir
  13. Oiii Ivi!!
    Que bacana, um livro que você leu a tanto tempo atras e que ainda te encanta... amei a proposta do livro e fiquei curiosa... quem foi que o conde matou? muito instigante... e eu também levo esse conceito na minha vida, não faço coisas só por dinheiro, faço por que eu amo fazer e acho que ser feliz e minha unica meta na vida e mais nada kk
    Beijocas...
    https://westfalllivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Que legal fazer essa releitura de tanto tempo atrás, achei o livro muito interessante, ainda mais esse fato que você citou que a gente consegue ver bem os anos 80 no contexto e eu tenho muita curiosidade, pois ainda não era nascida nessa época e não sei como era essa dinâmica. Fiquei com muita curiosidade!
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  15. Oiee Ivi ^^
    É tão bom reler um livro que marcou a gente na infância, né? Eu ainda não conhecia este, mas confesso que não fiquei curiosa para lê-lo, pois histórias com pistas, mistério e assassinatos não são as minhas favoritos, então não animei para ler. Os personagens e a história parecem ter sido bem desenvolvidos, isso é muito interessante, já que o livro é curtinho.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Essa coleção marcou a infância da maioria das pessoas, né? Meu sonho era ter na minha estante todos os livros! ♥ Li poucos da coleção, mas sempre que vejo uma resenha me dá vontade de reler e ler os outros!
    Eu adoro tramas com mistérios, assassinatos e tudo o mais, então a leitura me interessou, ainda mais sendo curtinha assim.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  17. Olá, tudo bem? :)
    Nunca fui de ler esse tipo de livro, no entanto, tenho tido alguma vontade de reler alguns dos livros que eu gostava quando era mais nova, para ver como me sentiria agora que sou mais velha e penso de maneira um pouco diferente. Quero fazer disso uma meta, mas talvez para o ano, porque este já está complicado ahahaahaha Não conhecia esse livro, e como disse antes, não é dos meus géneros favoritos, mas achei aqueles pontos que salientaste muito interessantes. Mesmo sem ler já gostei do Gino.
    Beijinhos
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Que bacana esse livrinho!
    Achei muito legal ele ter sido uma leitura obrigatória na sua escola, e mesmo assim vc tenha gostado na época, e hoje relendo ainda goste da história.
    Gostei muito dos temas que o autor abordou na história, como a falta de acessibilidade, pois se hoje ainda é difícil, imagina nos anos 80.

    ResponderExcluir
  19. Oie!
    Eu lembro quando os livros eram obrigatórios na escola, e ainda dizíamos que não gostávamos, rs. Hoje lemos tranquilamente, com aquele sentimento saudoso da época. Esse livro eu não lembro de ter lido, mas li outros da coleção.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  20. Oi Ivi, adorei a resenha. Adoro suspense, sendo assim a premissa do livro chamou minhaa atenção. Irei procurar pra ler e espero ter as mesmas impressões que você <3

    ResponderExcluir
  21. Amo reler livros, é sempre uma experiência nova, adoro suspense então já sei que irei amar o livro, principalmente pela narrativa simples e ágil, até porque irrita quando os autores começam a dar descrições desnecessários apenas para colocar páginas a mais, achei interessante colocar o tema da acessibilidade, que é importante para todos reconhecermos, e o fato da falta de tecnologia é que deixa a história mais instigante.

    ResponderExcluir
  22. Oi Ivi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, e para ser sincera eu não me agradei muito com ele, então acredito que eu não leria no momento. Talvez pelo gênero que não estou muito acostumada, mas gostei muito da sua resenha e de ver a sua opinião e de ver que foi uma releitura muito boa. Talvez um dia dou uma chance a ele e quem sabe mudo de ideia né?

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  23. Revivi minha infância com sua resenha, eu amava essas edições e ainda tenho algumas aqui! Sou fã do Marcos Rey, tenho alguns livros dele, mas esse eu ainda não li, não sei se vou encontrar para comprar, mas vou procurar pq quero muito ler! Adorei a resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Olá Ivi,
    Ainda não conhecia essa obra e confesso que fiquei bem curiosa com ela. Achei bacana o livro representar bem a época dos anos 80 e não termos a tecnologia que temos atualmente, obviamente, era de se esperar isso pela data em que foi escrito, mas acho mais bacana por conhecermos isso.
    Mesmo não estando na faixa etária que você disse, fiquei curiosa para ler o livro e acho que vou apreciar a leitura.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir

 
♥ Meu Amor Pelos Livros ♥ - Todos os direitos reservados © 2014