O Livro dos Negros (Lawrence Hill)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

Ficha Técnica:

Nome Original: The Book of Negroes
Autor: Lawrence Hill
País de Origem: Estados Unidos
Tradução: Dina Blaj Schaffer
Número de Páginas: 408
Ano de Lançamento: 2007
ISBN10: 0393351394
Editora: Primavera Editorial
SKOOB | GOODREADS | Compre na AMAZON

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 110º livro lido em 2022 e foi O Livro dos Negros (Lawrence Hill). Este livro foi a minha décima primeira escolha para compor minha TBR especial de novembro, composta apenas de autores negros que desenvolveram suas narrativas com protagonistas negros.

O Livro dos Negros se passa em 1745, em uma África onde os conceitos de escravidão estão aquém da nossa concepção de interpretação nos moldes contemporâneos. Época em que os escravos eram considerados mercadorias. Baseado em documentos históricos, o autor abordou com maestria uma temática rica em detalhes e a transformou em realismo cruel e visceral. É possível sentir na pele a dor da protagonista Aminata Diallo.


O autor nos transporta para 1745, época marcada pela dor e pelas atrocidades causadas pelos brancos sobre os negros. Utilizando-se da narrativa através da vida de Aminata Diallo ainda criança,  seus relatos começam em Bayo, no continente africano, exibindo como era a vida entre seu povo, suas culturas, crenças e toda a forma de manter a cultura de sua época. Nessa época, sua mãe era parteira e seu pai, joalheiro da aldeia e Aminata já tem habilidades surpreendentes que a transformam em uma garota de valor inestimável para sua família e sua comunidade.


Contudo, quando viajava com sua mãe para fazer mais um parto na aldeia vizinha, foi raptada por sequestradores ingleses, que a amarraram e a trataram como um animal selvagem. Daí para frente, Diallo se vê perdida e sozinha e sua trajetória rumo a uma viagem sem volta para um caminho que até então era desconhecido por ela. Foi doloroso ler como os negros eram tratados naquela época.
“Se a mãe é escrava, então você é escravo. Se o pai é escravo, então você é escravo. Qualquer traço negro em você é escravo. É tão claro quanto à luz do dia”.
Sobretudo, a força de Aminata sobressai a cada relato por ela narrado nessa obra. Ela cita que pessoas morreram, a fome, o frio e o cansaço derrubaram muitos dos viajantes negros, entretanto, ao olhar ao redor e reconhecer que não estava sozinha e pessoas de sua aldeia estavam ali naquela jornada, a deixou aliviada e com esperança de sair daquele navio que as levariam ao outro lado do grande rio. 

Inegavelmente, rebeliões foram feitas na chegada ao navio, onde negros foram duramente maltratados e jogados a pura sorte dos brancos. Porém, Aminata usou um pouco de seu conhecimento herdado por Mamadu Diallo, seu pai, que havia lhe ensinado a ler e a escrever e tal façanha a beneficiou em se manter viva. Ali na nova terra que pisara atravessando o grande mar, era mais conhecida como Meena.

Em toda a história de Aminata, o que a fez ser destaque entre os demais de seu povo, foi o fato de saber ler, justamente numa época em que mulher não poderia ter conhecimento da língua e deveria ser totalmente submissa aos homens, principalmente quando se é uma escrava:
“Ler era como um sonho diurno em terra secreta. Ninguém além de mim sabia chegar lá, e ninguém além de mim era dono daquele lugar”.
O fato de que Aminata sabia ler despertou curiosidade no seu senhor que a estuprou pelo fato de sentir ciúmes da belíssima negra trazida para suas terras. Ela sentiu medo, viu a morte em seu encalço e achou forças para superar esse trauma. Era mais forte ante a qualquer atrocidade causada a ela e seu povo, pois era mais inteligente do que qualquer outro ali e até mais do que muitos brancos. Encontrou homens de bem e paz. Ajudou homens e mulheres, ensinou muitos a ler e a escrever, e ainda ajudou seu senhor a controlar as despesas da casa, tamanha era seu conhecimento e inteligência. 


O Livro dos Negros vai além de qualquer obra de prestígio, portanto, ler um recorte de fatos que marcaram uma geração onde a história da humanidade, mais especificamente a história dos africanos, foi totalmente transformada após a escravidão dos negros e, como a história de muitos africanos foi reformulada com a atitude de Aminata e sua força de vontade em querer mudar o mundo com seu conhecimento.

Surpreendentemente, um dos fatos bem marcantes de O Livro dos Negros foi saber que mesmo quando foi abolida, Aminata nunca se sentiu livre, pois a abolição foi apenas fachada para interesse entre nações.
“Os abolicionistas podem até me chamar de sua igual, mas seus lábios ainda não pronunciaram meu nome e seus ouvidos não ouviram minha história”.
O Livro dos Negros é uma obra que te transforma. Recomendo!


Um pouco do autor:
Lawrence Hill é um escritor canadense, ensaísta e memorialista nascido em 1957 no Canadá. Filho de imigrantes americanos - um pai negro e mãe branca - que se mudaram para o Canadá em 1953. O Livro dos Negros é o seu único livro publicado no Brasil
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ivi Campos

46 anos. De todas as coisas que ela é, ser a mãe do André é a que mais a faz feliz. Funcionária Pública e Escritora. Apaixonada por música latina e obcecada por Ricky Martin, Tommy Torres, Pablo Alboran e Maluma! Bookaholic sem esperanças de cura, blogueira por opção e gremista porque nasceu para ser IMORTAL! Alguém que procura concretizar nas palavras o abstrato do coração.




.

Colunistas

sq-sample3
Kesy
sq-sample3
Kelly
sq-sample3
Laís

Facebook

Instagram

Resenhas

Filmes

Meus Livros

Músicas

Youtube


Arquivos

Twitter

Filmes

Mais lidos

Link-me

Meu amor pelos livros
Todas as postagens e fotos são feitas para uso do Meu amor por livros. Quando for postado alguma informação ou foto que não é de autoria do blog, será sinalizado com os devidos créditos. Não faça nenhuma cópia, porque isso é crime federal.
Tecnologia do Blogger.