Gótico Mexicano (Silvia Moreno-Garcia)

sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Ficha Técnica:
Nome Original: Mexican Gothic
Autora: Silvia Moreno-Garcia
País de Origem: México 
Tradução: 
Número de Páginas: 288 
Ano de Lançamento: 2021
ISBN-13: 
Editora: Darkside Books

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 81º livro lido em 2021 e foi Gótico Mexicano (Silvia Moreno-Garcia). Eu estava muito curiosa para ler este livro em função de nunca ter lido nenhum livro mexicano e embora eu o tenha ganho em maio, no meu aniversário, o guardei para ler em outubro em função da maratona de livros de horror e terror.

O livro nos traz a jovem Noemí na busca por salvar sua prima Catalina de uma estranha doença. Após se casar, Catalina foi viver na mansão do marido, High Place. Lá, foi acometida por alucinações, fraqueza e descobriu coisas que abalaram sua mente. As cartas que escrevia para a família não faziam mais sentido e, isolada de todos, parecia estar prestes a sucumbir. Noemí, embarca para o local e à medida que a história avança, lentamente descobre que High Place esconde segredos terríveis e é dominada por um mal que já consumiu seus habitantes e que tem nela seu próximo alvo.


Uma força do mal que estende seus domínios através de uma decrépita mansão. Mortes violentas, estranhas alucinações e uma família com mais segredos do que é possível guardar. Além de cogumelos, muitos cogumelos. Temos uma ficção gótica, que dessa vez não desembarca nas charnecas e vilarejos ingleses e sim no México, em um local ermo, bem afastado da civilização e vivendo sob a sombra de uma mansão tenebrosa.

O ritmo de suspense domina praticamente todos os capítulos de Gótico Mexicano, livro finalista do Bram Stoker Awards 2020 e vencedor como melhor livro de terror no Goodreads Choice Awards 2020. Em um ritmo mais lento, a história se desenvolve de forma a envolver os leitores. Sem atropelos e de um jeito que facilmente irritará aqueles que gostam de muita ação e carnificina. O que predomina aqui é o que caracteriza a literatura gótica, imortalizada em obras como O Morro dos Ventos Uivantes.

Gótico Mexicano subverte bastante o que estamos acostumados em termos de casas assombradas. Já de cara pelo México como cenário, mas não aquele ao qual estamos acostumados. A parte mexicana retratada por Silvia Moreno-Garcia é chuvosa, cinzenta, carregada de neblina e triste. É um lado pouco mostrado de um país em que normalmente só vemos explosão de cores, a tradicional festa dos mortos e uma música vibrante.


O branco, inglês, que domina High Place veio para explorar as minas de prata. Com ele, trouxe a força destruidora da colonização e despertou o mal, literalmente devorou seus habitantes, possuindo suas mentes e garantindo a sobrevivência geração após geração. Há um quê de canibalismo e muito de incesto na trama, mas tudo surge de modo sutil. Com predominância detalhada das divagações da protagonista Noemí, estranhas visões não-explicadas e um mistério amarrado até as últimas páginas. Justiça seja feita, a sequência final é alucinante e a autora ainda saca da manga túneis subterrâneos, uma quase selva de cogumelos, esqueletos e mais revelações.

Gótico Mexicano é um sopro de criatividade para as terras latino-americanas, mostrando nosso potencial para histórias tradicionalmente dominadas por europeus. A autora nos apresentou uma nova faceta do México e nos envolveu em uma trama bem amarrada e com os melhores ingredientes para satisfazer o apetite dos leitores. Os horrores que se escondem por trás não só das paredes de High Place, mas principalmente dentro de seus habitantes, são inimagináveis e com bom potencial para chocar e embrulhar o estômago.

Para concluir, Gótico Mexicano trabalha com o tema da eugenia, algo que vem ganhando mais atenção da literatura nos últimos anos, principalmente após a ascensão de regimes da extrema-direita em diversos países. No livro, os personagens donos de High Place acreditam muito na pureza da raça e em um processo de seleção e mistura para se aproximar dos “tipos perfeitos de pessoas”. Isso, aliás, está por trás de alguns dos horrores que vocês descobrirão e serve para gerar um pouquinho de reflexão sobre o quanto ainda precisamos aprender para não cairmos em discursos vazios sobre nacionalismos exacerbados. Eles podem facilmente, no futuro, virarem preconceito, perseguição e até extermínio.


Embora não seja uma conhecedora do gênero, acredito que Gótico Mexicano cumpra bem com seu papel de trabalhar tanto o gótico na literatura quanto as casas assombradas que encantam os leitores há séculos. Mas vai além e traz temas importantes, espalhados sorrateiramente ao longo da história. Um México novo, encantador e assustador, com personagens que podem povoar nossos sonhos e causar incômodas alucinações.

Eu amei!!!


Um pouco sobre a autora:
Silvia Moreno-Garcia Nascida no México e atualmente morando no Canadá, tem mestrado em Ciência e Tecnologia pela Universidade da Colúmbia Britânica, compilou diversas antologias e é editora na Innsmouth Free Press. Ela também atua como colunista para o Washington Post e faz críticas literárias para a National Public Radio. Gótico Mexicano é o seu único livro publicado no Brasil.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ivi Campos

45 anos. De todas as coisas que ela é, ser a mãe do André é a que mais a faz feliz. Funcionária Pública e Escritora. Apaixonada por música latina e obcecada por Ricky Martin, Tommy Torres, Pablo Alboran e Maluma! Bookaholic sem esperanças de cura, blogueira por opção e gremista porque nasceu para ser IMORTAL! Alguém que procura concretizar nas palavras o abstrato do coração.




.

Colunistas

sq-sample3
Kesy
sq-sample3
Kelly
sq-sample3
Laís

Facebook

Instagram

Resenhas

Meus Livros

Músicas

Youtube


Arquivos

Filmes

Twitter

Filmes

Mais lidos

Link-me

Meu amor pelos livros
Todas as postagens e fotos são feitas para uso do Meu amor por livros. Quando for postado alguma informação ou foto que não é de autoria do blog, será sinalizado com os devidos créditos. Não faça nenhuma cópia, porque isso é crime federal.
Tecnologia do Blogger.