10.2.21

Surtei Mas Passo Bem – Book Tag


Oi gente que ama livros, hoje venho com uma tag divertida que tem como objetivo associar livros a características de surtos. Eu amei responder e espero que vocês gostem de conferir.

Bora?

1 - O Surto Veio: Um livro com final inesperado

Mentirosos (E. Lockhart): O livro nos conta sobre a rica e perfeita família Sinclair e um quarteto adorável: Cady, Gat, Mirren e Johnny. Eles passam todos os verões juntos em uma ilha da família e adoram essa época porque podem ficar juntos o tempo inteiro, porém alguma coisa acontece no verão dos quinze anos. Cady sofre um acidente, perde a memória referente ao que aconteceu, tem enxaquecas fortíssimas como sequela do acidente e em função disso fica dois anos sem passar o verão na ilha e longe dos seus amados. O livro é narrado sob o ponto de vista da Cady, desta forma, o leitor também desconhece o que aconteceu. Conforme a narrativa avança, comecei a desconfiar que o livro e a forma envolvente da escrita da autora estava me enganando, ou seja, o livro fluía, a leitura era gostosa, mas nada mais poderia me surpreender, até que Cady se lembra do que aconteceu e eu levei um susto. No momento que o segredo é revelado, tudo começa a fazer sentido e eu percebi que a autora deu várias pistas durante a história, mas de certa maneira, não chamava a atenção para isso. Um livro diferente, bem escrito, bonito e impactante com uma narrativa viciante.

2 - Coração bateu mais forte: Um casal apaixonante

Pássaros Feridos (Colleen McCullough): O livro começa no início do século XX, no interior da Nova Zelândia e nos traz a Meghann, que chamaremos de Meggie. Ela é a única filha de uma família modesta e trabalhadora. Os pais e os irmãos vivem da maneira que podem para cuidar da terra enquanto ela e a mãe cuidam da casa e dos irmãos menores. Desde muito pequenina, Meggie é incumbida de ajudar nas tarefas domésticas e de certa forma, toda a família passa por certa privação. Até que a tia de Meggie, uma mulher muito rica e sem filhos, decide ajudar o pai dela e manda buscar toda a família para morar em sua propriedade no interior da Austrália. Ao chegar a Gilly (cidade onde a tia de Meggie vive), são recebidos pelo padre Ralph, um homem muito bonito, inteligente e ambicioso. Quando os pais e irmãos de Meggie se instalam na fazenda Drogeda, o padre Ralph se torna grande amigo da família e mentor para Meggie, o que no futuro resultará em uma paixão. É um amor proibido, cheio de culpas, mas completamente intenso. Acompanhar e torcer pelo casal foi uma aventura para mim.

3 - Dormir para quê? Um livro que te fez virar a noite lendo

Lembra Aquela Vez (Adam Silvera): O livro nos traz o Aaron, um adolescente de 16 anos que está vivendo um momento bem triste de sua vida. Seu pai cometeu suicídio há alguns meses e isso foi tão avassalador, que ele próprio tentou se matar algumas semanas depois. Apesar deste período turbulento, Aaron tenta seguir a vida da melhor forma possível. Ele tem um grupo de amigos divertidos, uma namorada muito apaixonada – Genevieve - e quer focar nessas coisas boas para não desistir da vida. Porém a namorada foi aceita em um curso de arte em outro estado e eles ficarão três semanas longe um do outro. Nesse período, Aaron conhece Thomas, um adolescente que mora próximo e eles se aproximam tanto que Aaron se apaixona por Thomas. Como o sentimento não é recíproco, Aaron se interessa por um procedimento chamado Leteo que promete apagar lembranças de sua mente e acredita que se apagar o sentimento que tem por Thomas, sua vida pode voltar ao normal quando Genevieve voltar. Foi uma leitura muito intensa, que me consumiu uma noite de sono e tenho certeza que carregarei Aaron e todos os personagens no do meu coração por muito tempo. Este é aquele tipo de livro que acredito ser necessário dentro das escolas para que a discussão sobre homofobia e intolerância seja realmente transformadora. Traz personagens muito críveis que te envolvem de forma que você não para de pensar neles nem por um momento.

4 - Fazendo birra: Um personagem chato

Recentemente fiz um post aqui no blog sobre protagonistas detestáveis e sem dúvida a campeã da categoria é a personagem do livro E O Vento Levou ((Margaret Mitchell). O livro nos traz Scarlet O’Hara, uma jovem de tradicional família de fazendeiros do sul dos Estados Unidos que sonha em se casar com o grande amor da sua vida, Ashley Wilkes que por sua vez, não tem a menor pretensão em se casar com ela. Contrariada porque Ashley se casará com Melanie, que julga ser inferior a ela, Scarlet se casa com o irmão de Melanie para causar revolta tanto em Ashley quanto em Melanie, mas ambos não estão nem um pouco preocupados com os desmandos de Scarlet. Entre uma pirraça e outra, ela conhece Rhent que se mostra interessado nela, mas Scarlet não tem olhos para qualquer outro homem que não seja Ashley, nem para o homem com quem se casou. O livro traz uma trajetória intensa e sofrida de uma mulher que não aceita ser e ter menos que aquilo que lhe disseram que merecia. Ela passa por perdas, por altos e baixos e carimba sua vida com um amor não correspondido, características que poderiam fazer dela uma personagem admirável, mas a verdade é que Scarlet O’Hara é a protagonista mais insuportável de toda a literatura lida por mim na vida. Egoísta, mimada, mentirosa e desonesta, ela segue sem amadurecer por mais de 95% da trama e é impossível ter empatia por ela, apesar de entender que alguns acontecimentos na vida dela eram realmente muito ruins. A leitura foi ruim por causa da personagem? De maneira alguma. A história é forte, bem escrita, tem nuances racistas, mas pelo recorte de época é fácil compreender as motivações da autora. Seu texto é envolvente, interessante e queria chegar ao final da história para saber como seria e também na esperança de Scarlet mudar seu jeito de ser. Nas últimas 100 páginas acontece algo desolador e me vi com o rosto molhado de lágrimas em função disso. Me senti tão comovida pela questão que quase gostei da Scarlet, quase…

5 - Na base do grito: Um livro que te deu vontade de gritar de raiva

Libertada (Michelle Knight): O livro traz a história de vida da autora que foi uma das três mulheres mantidas sequestradas por mais de 10 anos em Cleveland, Ohio. Este crime chocou o mundo quando em 2013 este cativeiro foi estourado pela polícia, libertando as reféns. Michelle foi a primeira a ser levada para viver enclausurada por Ariel Castro, um homem que na ocasião do sequestro tinha quarenta anos e decidiu colocar em um livro a experiência absurdamente violenta vivida naquele inferno após sua libertação. Quando Michelle completava um ano de cativeiro, outra jovem (Amanda Berry) se juntou a ela e embora elas tenham ficado em quartos separados nos primeiros anos, Michelle sempre soube que a violência infringida era igual para as duas. Alguns meses depois de Amanda estar presa na mesma casa de Michelle, Ariel Castro sequestrou uma terceira jovem, Gina DeJesus e esta dividiu o mesmo quarto com Michelle, as mesmas correntes e inclusive assistiam os estupros constantes executados por aquele monstro. Apesar de pequeno e da narrativa bem fluida, o livro é extremamente difícil de ser lido. Eu parei em vários momentos para me desconectar da história porque em algumas cenas, eu me flagrei chorando desesperada por causa da situação destas meninas.

6 - O segredo foi revelado e: o personagem surtou e o leitor também

Tempo de Partir (Jodi Picoult): O livro nos traz a Jenna, uma garota de 13 anos procura sua mãe desaparecida há 10 anos. Sua avó tem poucas respostas e seu pai está internado em uma clínica para doentes mentais, por isso ela decide ir até Serenity Jones, uma mulher que foi uma médium reconhecida por encontrar diversas pessoas desaparecidas, porém cometeu alguns erros e teve que abandonar essa profissão. Jenna também procura ajuda de Virgil Stanhope, o detetive que na época investigou o desaparecimento de sua mãe, Alice. O livro se desenvolve nesta busca de Jenna pela mãe e enquanto isso acontece conhecemos a vida de Alice. Ela era uma pesquisadora de elefantes, após conhecer o pai de Jenna e compartilharem o amor por elefantes, Alice decide viver com ele em uma reserva para pesquisar os animais e ajudá-lo na administração do local. O livro traz um suspense muito interessante. Conforme a leitura avança, é inevitável não levantar hipóteses do paradeiro de Alice, porém toda vez que eu chegava perto de alguma conclusão pessoal, essa linha de pensamento era derrubada por algum indício que me levava a pensar em outra conclusão. Por mais possibilidades que levantei durante a leitura, não estava preparada para o desfecho do desaparecimento de Alice e a busca de Jenna. No momento em que tudo começa a se elucidar, me senti extremamente enganada e ao mesmo tempo feliz porque realmente o final foi muito consistente, a autora deixou pistas ao longo do caminho que eu só entendi no momento que nos revela toda a verdade. Eu fiquei tão chocada com o final da busca de Jenna que comecei a rir sozinha porque não imaginei que era aquilo, mas ao mesmo tempo fazia muito sentido.

7 - Chorei, mas passo bem: Um livro que fez você chorar muito

Uma Vida Pequena (Hanya Yanagihara): O livro nos traz Jude, Willen, Malcom e JB que se conheceram na faculdade e se tornaram bons amigos. O livro começa quando eles precisam encontrar um novo apartamento barato para morar, não podem se dar ao luxo de gastarem muito pois estão começando a vida profissional e encontram um imóvel que se encaixa nesse requisito na rua Lispenard em Nova York. A partir deste momento em que conhecemos a interação inicial entre os quatro jovens entendemos quem é quem. Willen é um rapaz bonito que sonha em se tornar ator, vem de uma família de origem escandinava e é ótima pessoa. Malcon é arquiteto, o único que vem de uma família que vive de forma confortável financeiramente. JB é negro, difícil, um pouco sem noção e artista plástico. As primeiras páginas do livro nos levam a acreditar que teremos a história destes quatro jovens no decorrer do enredo, mas em um dado momento, percebemos que Jude é o protagonista da narrativa e os outros orbitarão ao redor dele. O livro é intensamente triste e violento. A forma como nos apegamos aos personagens nos faz sofrer ainda mais porque a todo momento desejamos que aquela sequência de infortúnios tenha fim e isso não acontece. Sinto-me na obrigação de dizer que o livro é triste do início ao fim e ainda que exista uma parte dele com o título de Tempos Felizes, essa felicidade é temperada com lembranças de tempos horríveis e o passado não dá trégua ao personagem.

8 - O surto foi épico: o livro mais intenso que você já leu

Todo Dia A Mesma Noite (Daniela Arbex): O livro traz uma reportagem sobre a tragédia de Santa Maria que aconteceu na madrugada do dia 27 de janeiro de 2013, na qual 242 jovens morreram após o incêndio da boate em que estavam. A boate Kiss, uma das favoritas da juventude da cidade, pegou fogo após um membro da banda que se apresentava acender um sinalizador no palco, que atingiu a espuma que revestia o teto do local para abafar o som. Em função do local não ter saídas de emergência e da dificuldade da multidão encontrar a saída, uma vez que as luzes se apagaram, a grande maioria das mortes ocorreu devido a fumaça tóxica que a queima da espuma gerou. A narrativa é contundente ao demonstrar o quão alto foi o custo para todas as pessoas que se envolveram naquele 27 de janeiro. Muitos familiares, amigos, profissionais de saúde, policiais e bombeiros seguem em tratamento psiquiátrico. Casais se separaram ante a ruína de suas famílias. Doenças mentais eclodiram e tentativas de suicídio foram a via final de um sofrimento tão profundo em que não é possível ver o fim da dor. Aqueles que generosamente compartilharam suas histórias, a despeito de todo sofrimento que elas suscitam, são abordados com camadas suficientes para que sejam, de fato, homens e mulheres identificáveis, críveis, inseridos em um cenário de abandono e reagindo humanamente a ele. A autora também não esconde a pior face do ser humano em passagens protagonizadas por aproveitadores baratos, religiosos insensíveis ao sofrimento dos pais e homens públicos que colocam “a política na frente da dor”. Existe respeito e dignidade, muito pertinentes nas descrições e no carinho com o qual o texto do livro se desenvolve.

Essas foram as minhas escolhas para responder a tag e não sei se repararam, mas escolhi alguns livros que já li há algum tempo, procurando diversificar as indicações e talvez trazer algo novo para vocês. Quero saber quais seriam as suas escolhas para cada quesito, deixem suas respostas nos comentários porque vou adorar conferir.

Beijos

7 comentários:

  1. Olá
    Adorei a tag e especialmente poder conferir as suas respostas. Dos livros que você citou já li Mentirosos e Lembra aquela vez. Gostaria de poder conferir Tempo de partir.
    Beijos, Fê
    Modoliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi!!!

    Ai que tag legal ahahaahah não conhecia e adorei!
    Desses que você citou, só li Mentirosos que eu gostei, mas nem tanto, na metade do livro eu meio que previ o final e foi meio frustrante porque eu gosto de ser pega de surpresa, mas é bem legal!
    Esse livro da Daniela que você citou é muito forte mesmo, na verdade todos os livros dela são fortes, esses livros de não ficção costumam ser muito intensos e doloridos de ler, eu leio bastante esse tipo de livro e sempre saio "machucada". Adorei suas respostas!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem ?
    Mentirosos é simplesmente um dos melhores livros que li na vida, eu não imaginava que era o que havia sido, na verdade, pensava algo completamente diferente do que foi, então adorei.
    Dos demais livros que citou, ainda não li nenhum.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    É verdade, você indicou livros que eu não conhecia e que nunca visto pelo blogosfera. Estou louca para ler Mentirosos, esse livro está na minha lista faz tempo e você me deixou animada falando sobre esse final. Adorei essa tag!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ivi! Tudo bem?
    Amei a tag e fiquei com vontade de responder também. Ainda não li nenhum dos livros que você citou, mas fiquei muito curiosa por Pássaros feridos, que eu ainda não conhecia. Mentirosos eu já vi muitos comentários de que o final é surpreendente mesmo e tenho curiosidade de ler por causa disso, porém, tenho um pé atrás porque já li outro livro da autora e me decepcionei demais. Mas quem sabe um dia dou uma nova chance né?
    Amei a tag e vou anotar algumas indicações para ler depois.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Adoro posts assim de tags literárias, sempre fico torcendo pra alguém postar posts assim rs Dos que você citou conheço a história de E o vento levou e sim a protagonista tem hora que dá nos nervos e tenho vontade de ler Pássaros Feridos, os outros não me lembro de ter passado por eles antes, se passei acho que não prestei tanta atenção assim.

    ResponderExcluir
  7. Oie, tudo bem? Ah, eu amo responder tags. Quanto mais criativas melhor. Um livro que me fez virar a noite? Acredito que vários do Harlan Coben, da Agatha Christie, do Sidney Sheldon, ah, e nos últimos dias As sombras de outubro. Que livro! Quase 500 páginas que eu não consegui largar haha Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir