25.1.21

Protagonistas Detestáveis em Livros Maravilhosos



Oi gente que ama livros, já aconteceu de você querer entrar no livro para dar uns tapas em um protagonista e ainda assim, amar o enredo? Comigo sim e hoje quero compartilhar com vocês algumas destas minhas experiências.

Vamos conferir?

E o Vento Levou (Margaret Mitchell) -
O livro nos traz Scarlet O’Hara, uma jovem de tradicional família de fazendeiros do sul dos Estados Unidos que sonha em se casar com o grande amor da sua vida, Ashley Wilkes que por sua vez, não tem a menor pretensão em se casar com ela. Contrariada porque Ashley se casará com Melanie, que julga ser inferior a ela, Scarlet se casa com o irmão de Melanie para causar revolta tanto em Ashley quanto em Melanie, mas ambos não estão nem um pouco preocupados com os desmandos de Scarlet. Entre uma pirraça e outra, ela conhece Rhent que se mostra interessado nela, mas Scarlet não tem olhos para qualquer outro homem que não seja Ashley, nem para o homem com quem se casou. O livro traz uma trajetória intensa e sofrida de uma mulher que não aceita ser e ter menos que aquilo que lhe disseram que merecia. Ela passa por perdas, por altos e baixos e carimba sua vida com um amor não correspondido, características que poderiam fazer dela uma personagem admirável, mas a verdade é que Scarlet O’Hara é a protagonista mais insuportável de toda a literatura lida por mim na vida. Egoísta, mimada, mentirosa e desonesta, ela segue sem amadurecer por mais de 95% da trama e é impossível ter empatia por ela, apesar de entender que alguns acontecimentos na vida dela eram realmente muito ruins. A leitura foi ruim por causa da personagem? De maneira alguma. A história é forte, bem escrita, tem nuances racistas, mas pelo recorte de época é fácil compreender as motivações da autora. Seu texto é envolvente, interessante e queria chegar ao final da história para saber como seria e também na esperança de Scarlet mudar seu jeito de ser. Nas últimas 100 páginas acontece algo desolador e me vi com o rosto molhado de lágrimas em função disso. Me senti tão comovida pela questão que quase gostei da Scarlet, quase….

Uma Escada Para o Céu (John Boyne)
- O livro nos traz Maurice Swift, um homem bonito e manipulador que deseja ser um escritor famoso, entretanto não tem talento e nem criatividade para iniciar ou se estabelecer nessa profissão. Consciente da sua deficiência neste aspecto, ele faz uso de artimanhas para alcançar o seu objetivo. No início do livro conhecemos Maurice através do olhar apaixonado de Erich Ackerman, autor alemão que ele conhece no bar do hotel onde trabalha. Erich já é um senhor de sessenta e poucos anos, que recentemente ganhou um importante prêmio literário. Seu último livro é um grande sucesso mundial e o faz viajar pelo mundo em divulgações e festivais. Erich se encanta por Maurice, o contrata como secretário e assim eles viajam juntos pelo mundo. Discretamente, Maurice faz Erich contar a história mais importante de sua vida, um segredo do passado, inconfessável e escreve um romance com esta história pessoal de Erich. Quando o livro é publicado, conta ao mundo que se trata de uma inspiração real. A carreira de Erich é destruída e Maurice segue como escritor e todo mundo que atravessa seu caminho é brutalmente abatido, seja na carreira ou na própria vida. Um protagonista odioso que me trouxe uma experiência grandiosa de leitura. Um aspecto maravilhoso do livro é esse universo literário que o autor expõe de várias maneiras. Os festivais e as premiações, bem como os trâmites de publicação são abordados dentro do enredo de forma natural, como se descrevesse uma profissão comum. Se tratando de um autor mundialmente conhecido, acredito que grande parte destas descrições tenham surgido de suas próprias experiências pessoais.

Verão em San Juan (E. N. Andrade)
- O livro nos traz Ricchie Moss, um escritor americano renomado que enfrenta um severo bloqueio criativo. Com o prazo para a entrega do seu novo original se esgotando e com a editora o colocando contra a parede, ele decide sair da badalada Nova York e se refugiar na quente San Juan para ter inspiração e concluir seu trabalho. Lá conhece Esteban que será seu guia de turismo na temporada que pretende passar ali. Ricchie e Esteban se envolvem, o que gera uma série de crises existenciais em Ricchie. Em muitos momentos da narrativa o protagonista me irritou profundamente pela sua arrogância e egoísmo, mas isso em nada me afastou da história que é consistente, bonita e deliciosa de acompanhar. Esteban é de origem mexicana, o que sempre é um ponto positivo para mim, sou apaixonada pela cultura latina como um todo e foi fácil me afeiçoar ao personagem. As descrições dos lugares, das tradições e até das comidas foi feita de modo a inserir o leitor nos cenários em que os personagens passeavam e isso me conectou muito a história, além de torcer o tempo inteiro para que Ricchie pudesse entender tudo o que poderia perder ao se esconder e se afastar da verdadeira felicidade.

Se Não Fosse Você (Colleen Hoover)
– Talvez esse livro não seja tão maravilhoso como os outros e a personagem que me irritou não é a protagonista, mas ainda assim vale estar nesta lista. O livro nos traz a Morgan, uma mulher que engravidou aos 16 anos e formou uma família ao lado de Chris, o pai da sua filha. Morgan abriu mão de uma série de coisas para se dedicar a filha Clara e a família. Embora ela não seja ressentida por essas abdicações, tem consciência que sua vida poderia ter sido diferente se suas escolhas não tivessem tido consequências tão definitivas. O livro é aberto 17 anos antes, quando Morgan e Chris descobrem a gravidez. Nessa época, Chris tinha um melhor amigo, Jonah, que namorou Jenny, irmã de Morgan e por isso eles viviam sempre juntos. Quando a história avança, descobrimos que Jonah e Jenny estão noivos, com um filhinho e em breve também formarão uma família, porém algo sério acontece, interrompe histórias e revela segredos. Clara me irritou o livro inteiro. Ela foi desenvolvida de forma a retratar toda o egoísmo e irresponsabilidade de uma adolescente comum, mas isso me irritou de maneira que a odiei durante grande parte do tempo. Chata, medíocre, inconsequente e limitada, foi uma das personagens que mais odiei conhecer. 

Esses foram livros que me fizeram odiar alguns personagens, mas nem por isso odiei os livros. E você, já leu um livro maravilhoso, com um protagonista detestável? Deixe nos comentários que vou adorar conferir.

Beijos

9 comentários:

  1. Olá
    De todos esses livros que você citou acima, só li Se não fosse você. Sobre esse livro, eu amei, mas concordo com você de que Clara foi bem irritante mesmo em vários momentos. Eu fiquei curiosa sobre o livro Verão em San Juan.
    Beijos, Fê
    http://modoliterario.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir
  2. Me identifico muito com ter odiado a personagem de Se não fosse você... e ainda digo mais, se não fosse ela o livro seria melhor, eeehe, menina mais chata

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem ? De todos os livros que você citou, eu ainda não li nenhum. Mas adoro a escrita da CH e fico pensando como uma personagem dela pode ser odiada hahahahaha, fiquei beeeem curiosa para ler agora.
    Adorei o post, é uma perspectiva incrível, afinal em muitos livros, eles nos geram antipatia mesmo.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Ivi!
    Menina já perdi a conta de quantas vezes quis fazer isso, dar uns tabefes na cara de uns personagens kkkkk
    Queria que isso fosse possível.
    Esses livros que você citou ainda não li.
    Beijos

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Mana, eu que leio VÁRIAS fantasias, sempre tem um personagem vilão ou alguém do grupinho para não cair nas minhas graças. Um que lembro agora e tomei RANÇO foi o Maven de A Rainha Vermelha! Esse fiquei com ódio com força haha mas vou falar, adoro livros que trazem essas polaridades de sentimentos. Adorei a postagem!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu nunca tinha parado para pensar nisso, mas lendo seu post lembrei de algumas personagens realmente detestáveis em livros muito bons. Eu lembrei muito da Francesca Bridgerton, de O conde enfeitiçado. Eu estava amando a leitura, mas ela é uma protagonista realmente detestável, egoísta e mimada, o que acabou me atrapalhando muito na leitura. Dos livros que você citou, o único que li foi Se não fosse você e confesso que não senti tanto ranço da Clara. Ela foi imatura mesmo, mas acho que considerando a idade dela e as circunstâncias foi algo mais compreensível para mim.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ivy! Sabe que tenho mto ranço de personagens de A Rainha vermelha? Nenhum do trio se salva. Mare, Raven, Cal... O Maven é quase um rei Jeoffrey! hahaha Ás vezes também quero bater na Becky Bloom, porque quando a gente pensa que ela está entrando na linha... lá vai. Dos livros que vc citou, ainda quero ler um dia E o vento levou.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  8. De todos que citou, li apenas E o vento levou, concordando plenamente com você em relação a personagem ser insuportável. Eu já li várias histórias com personagem ranço, mas no momento não me veio na memória.

    ResponderExcluir
  9. Oi Ivy, tudo bem?
    Eu confesso que os dois personagens que me deram mais ranço na vida foram o Jan Kmam e o Ariel Simon da série "Alma e Sangue". Pensa em dois vampiros temperamentais e filhos da puta até o talo. Passei cada raiva com esses dois que só por Deus.
    Um beijo de fogo e gelo da Lady Trotsky...
    http://wwww.osvampirosportenhos.com.br

    ResponderExcluir