17.12.19

Alta Fidelidade (Nick Hornby)

Ficha Técnica:
Nome Original: High Fidelity
Autor: Nick Hornby
País de Origem: Inglaterra
Tradução: Christian Schwartz
Número de Páginas: 264
Ano de Lançamento: 1995
ISBN-13: 9788532508881
Editora: Rocco

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 95º livro lido em 2019 e foi Alta Fidelidade (Nick Hornby). Este livro chegou para mim através do clube de leitura Literatour, eu não sabia absolutamente nada sobre o livro e talvez por isso parti para essa leitura com a expectativa bem baixa, mas já adianto que foi uma deliciosa surpresa.

O livro nos traz Rob Fleming, ex-DJ e dono de uma loja de discos quase falida. Rob não consegue se firmar em nenhum relacionamento amoroso e não entende o motivo de tantos rompimentos. Sua última e inesperada separação foi com Laura e apesar de já ter sido deixado outras vezes, Rob não se conforma pois ainda tem sentimentos fortes por ela. Vivendo sem saber se deve se acostumar a ser solteiro novamente ou reconquistar Laura, Rob se confronta para saber o que tem feito de errado enquanto lida com o trabalho em sua loja, seus velhos amigos e novas amizades.
As pessoas se preocupam que as crianças brinquem com armas e que os adolescentes joguem videogames agressivos; assusta que possam ser dominados por algum tipo de cultura de violência. Mas ninguém se incomoda que esses jovens ouçam milhares - literalmente milhares - de canções sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda.
Rob é totalmente obcecado por discos e vive fazendo listas de coisas aleatórias preferidas. Ele só pensa em música e julga as pessoas diretamente pelos cantores e bandas que elas ouvem. Isso pode ser bem chato e claramente é prejudicial para sua vida social, mas é óbvio que ele mesmo ignora esse fato e gosta de ser como é. Sua mãe o pressiona por causa de seus relacionamentos e por seu trabalho, o que o afasta dos pais. Rob é engraçado e irônico, isso gera conclusões e diálogos bem engraçados, mas analisando friamente o personagem, Rob é problemático, chato e preconceituoso. Inseguro e infiel, ele sufoca suas namoradas, o que talvez seja o motivo por nunca manter a paixão acesa em suas parceiras.


O livro ainda traz Barry e Dick, os funcionários de Rob na loja de discos chamada Championish Vinil. Os dois são muito engraçados, Barry é mais arrogante, metido a durão e Dick parece sempre se manter na defensiva, mais contido e discreto.
“Você tem algo de melancólico?”, uma moça pergunta na tarde seguinte. Depende, sinto vontade de responder; tem dias que sim, outros que não. Uns dias atrás não tinha; agora tenho muita melancolia, demais, mais do que consigo administrar. Queria poder distribuí-la melhor, quero dizer a ela, com mais equilíbrio, mas parece que não sou capaz de me organizar. Vejo que a moça não está interessada nos meus problemas de controle interno de estoque, porém, então simplesmente aponto a seção de soul, bem perto da saída da loja, junto à de blues.
Sem dúvida, a melhor personagem é Laura, mesmo que no começo tenhamos uma visão nada confiável dela apresentada por Rob que está profundamente magoado com ela. Conforme a narrativa avança, Laura se mostra uma mulher muito legal, decidida e empoderada.


O livro se passa na década de 90 e colecionar discos de vinil era uma obsessão até para quem não era tão ligado em música naquela época. Os CDs invadiam aos poucos o mercado musical e por isso discos de vinil de bandas que já haviam encerrado seus trabalhos eram muito valiosos. 

A música está muito presente neste enredo e embora eu não curta músicas em inglês, em várias partes do livro me vi pesquisando as que eram citadas na história para entender o contexto em que o autor as inseriu, o que foi uma experiência bem divertida para mim.
Normalmente gosto do meu aniversário, mas hoje não estou no clima. Deviam cancelar o aniversário da pessoa em anos como este: devia haver uma lei, dos homens, senão da natureza, pela qual a idade da gente só pudesse aumentar com as coisas indo bem na vida. Pra que vou querer chegar aos trinta e seis num momento desses? Não quero. Não é conveniente. A vida de Rob Fleming está em suspenso, e ele se recusa a ficar mais velho. Por favor, guardem todos os cartões, bolos e presentes para outra ocasião.
É um livro leve, engraçado, mas aborda também temas muito intensos como relacionamentos, términos, amores impossíveis e fidelidade. Durante a leitura me senti lendo um chick lit, com personagem masculino.


Eu gostei!!!


Um pouco sobre o autor: Escritor inglês que costuma abordar em seus livros assuntos como futebol, músicas, relações amorosas e paranoias de seus personagens. Em seus textos, a ironia e sarcasmo andam lado a lado com um humor ácido e impecável, que costuma costurar seus livros. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:

  • Educação
  • Juliet, Nua e Crua
  • Frenesi Polissilábico
  • Slam
  • Uma Longa Queda
  • 31 Canções
  • Falando Com o Anjo
  • Como Ser Legal
  • Um Grande Garoto
  • Alta Fidelidade
  • Febre de Bola

Nenhum comentário:

Postar um comentário