20.2.19

A vida de Francisco: O Papa do Povo (Evangelina Himitian)

Ficha Técnica:
Nome Original: Francisco, el papa de la gente
Autora: Evangelina Himitian
Tradução: Michel Teixeira e Maria Alzira Brum
País de Origem: Argentina
Número de Páginas: 254
Ano de Lançamento: 2013         
ISBN: 978-85-390-0486-7
Editora: Objetiva
Compre na Amazon

Dando continuidade aos livros de temática argentina, decidi escolher um que abordasse a vida do Papa Francisco, a quem admiro pelo acolhimento demonstrado e pela coragem em abordar temas polêmicos para a igreja católica.

O livro é narrado em terceira pessoa, com capítulos entre presente e passado e se inicia com a descrição da viagem de Jorge Mario Bergoglio, então arcebispo da cidade de Buenos Aires à Roma em 26/02/2013 para participar do conclave em que seria eleito o novo papa, após a renúncia de Papa Bento XVI.  Em determinado capítulo, consta descrição da Capela Sistina e dos procedimentos de votação, o que eu achei bem interessante.

Nascido em 1936, o primeiro de cinco irmãos, tem a avó como influência por tê-lo ensinado a rezar, gosta de ler, de futebol (torcedor declarado do time argentino San Lorenzo) e colecionador de discos de tango. Trabalhou em um escritório contábil com o pai, se apaixonou por Amália aos 12 anos e aos 18 anos, sentiu o chamado de Deus ao entrar na igreja. Viajou para o conclave em classe econômica por sua escolha e levou poucas roupas, pois acreditava que estaria de volta para celebrar a missa do Domingo de Ramos daquele ano.

Gosta de caminhar pela cidade e rompe protocolos para se aproximar das pessoas, pois quer ser ponte que aproxima as pessoas de Deus. O livro relata fatos curiosos, atitudes inesperadas e conta com relatos de pessoas de diversas religiões ou ateus que também o apoiam, o que demonstra o esforço dele em buscar apoio e união entre as religiões, assim como relatos de pessoas que foram ajudadas ou consoladas em diferentes situações. O desafio do Papa está em buscar o renascer da espiritualidade e da necessidade de levar a igreja onde as pessoas estejam, sem exclui-las.

A maior parte do livro me pareceu tendenciosa, justificada pelo capítulo em que a autora descreve o encontro com o padre Jorge Bergoglio em 2012, em que ela fazia parte da equipe de imprensa do evento e pode comer graças a atitude dele ao perceber por conta própria que a quantidade servida não era suficiente para todos. O fato de ser tendencioso não me importou pela minha admiração pelo papa, mas acredito que possa incomodar outros leitores.

Por outro lado, o livro também aborda a polêmica que envolve as atitudes de Jorge Bergoglio durante a ditadura, no desaparecimento de dois missionários jesuítas, Orlando Yorio e Francisco Jalics em 1976 de forma imparcial, com o relato de Alicia Oliveira (advogada, lutadora pelos direitos humanos e amiga do atual papa) e com a transcrição judicial do caso Yorio e Jalics.

Há algumas fotos de momentos importantes na vida de Jorge Bergoglio: desde a infância, com a família e já como padre, celebrando missas em lugares inesperados ou em encontros com líderes religiosos ou presidentes, além da primeira aparição como papa, em que utiliza a mesma cruz desde que se tornou padre, o que enriquece a leitura. Há inclusive a imagem de uma carta (escrita em 1960, com máquina de escrever e endereçada à irmã dele).

Recomendo para quem queira saber mais da vida de Jorge Bergoglio (atualmente Papa Francisco) ou tenha curiosidade sobre os procedimentos para eleição de um novo papa.

Eu gostei!


Um pouco sobre a autora: Jornalista e escritora argentina, Evangelina Himitian é formada pela Universidad de Ciencias Empresariales y Sociales e esteve por seis anos à frente da cátedra de jornalismo ambiental desta universidade. Desde 1999 trabalha no jornal La Nación, nas seções de informação geral e sociedade e se especializou em pesquisar temas relacionados à pobreza, à família e a diferentes fenômenos sociais no âmbito da justiça civil. Há cinco anos é responsável por um programa de rádio. Em 2005, ganhou uma bolsa da Fundación Nuevo Periodismo Internacional, dirigida por Gabriel García Márquez, em Cartagena das Índias, na Colômbia. Em 2007, recebeu uma distinção da Asociación de Entidades Periodísticas de Argentina na categoria de interesse geral e, em 2009, ganhou o primeiro prêmio desse certame na categoria direitos humanos. Desde 2006, trabalha na equipe de imprensa dos encontros ecumênicos que já foram promovidos pelo padre Jorge Bergoglio, entre outros. “A vida de Francisco: O Papa do Povo” é seu único livro publicado no Brasil.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário