14

Filmes e Realidade


Oi gente que ama livros, hoje vou falar de dois filmes que eu gostaria que fossem reais, que suas premissas fossem verdadeiras dentro da nossa realidade.
O Amor é Cego - 2002
Sinopse: Hal (Jack Black) é um homem que segue à risca o conselho de seu pai e apenas se interessa por mulheres que tenham um físico perfeito. Mas tudo muda quando ele por acaso se encontra com Anthony Robbins, um guru de autoajuda que o hipnotiza e faz com que ele apenas possa visualizar a beleza interior das mulheres, em detrimento de seu físico. Sem saber que está sob o efeito de hipnose, Hal então se apaixona por Rosemary (Gwyneth Paltrow), uma mulher obesa que é vista por ele como se fosse uma verdadeira deusa. Até que, após ser retirado da hipnose por seu amigo Mauricio (Jason Alexander), ele passa a ver como Rosemary é de verdade fisicamente e precisa tomar uma decisão sobre seu relacionamento com ela. 

Este filme que tem como objetivo maior, divertir os espectadores, mas também traz a oportunidade de uma discussão muito pertinente para os nossos dias. No filme, o personagem do querido Jack Black, passa por uma transformação sobrenatural e só consegue enxergar beleza nas pessoas, que são realmente "bonitas por dentro". Ou seja, as pessoas que são boas, honestas, inteligentes e relevantes, aparecem para ele dentro do padrão de beleza constituído na nossa sociedade ocidental. Já as pessoas mesquinhas, invejosas e desonestas, parecem pra ele destituídas desta beleza.


Quem dera se fosse assim do lado de cá da telona do cinema. Se nós pudéssemos realmente ver quem é bonito de verdade e quem é feio, nossa vida seria bem mais leve. A começar de nós mesmos que em vez de nos escravizar em academias, dietas, cabeleireiros e ditadura da moda, nos esforçaríamos em ser pessoas que fazem o bem, que se preocupam de verdade com causas sociais e que querem a felicidade alheia tanto quanto queremos a nossa. Sem dúvida, o mundo seria um lugar muito melhor.
Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças - 2004
Sinopse: Joel (Jim Carrey) e Clementine (Kate Winslet) formavam um casal que durante anos tentaram fazer com que o relacionamento desse certo. Desiludida com o fracasso, Clementine decide esquecer Joel para sempre e, para tanto, aceita se submeter a um tratamento experimental, que retira de sua memória os momentos vividos com ele. Após saber de sua atitude Joel entra em depressão, frustrado por ainda estar apaixonado por alguém que quer esquecê-lo. Decidido a superar a questão, Joel também se submete ao tratamento experimental. Porém ele acaba desistindo de tentar esquecê-la e começa a encaixar Clementine em momentos de sua memória os quais ela não participa.

Este filme é na minha opinião, o melhor filme do caricato Jim Carrey. Um filme bem fora do padrão hollywoodiano, porém com uma abordagem bem interessante. Imagine que você pode apagar uma pessoa da sua memória. Alguém que te magoou, um amor não correspondido ou uma amiga falsa. Imagine nunca mais lembrar que a pessoas fez parte da sua história de vida e por conseguinte, nunca mais lembrar da dor que ela lhe causou? Pois é disso que o filme trata e eu, sinceramente, já teria passado pelo procedimento que o filme propõe, se ele fosse real aqui fora.


Sei que nem todo mundo concorda comigo e por isso eu quero saber como você reagiria se estes filmes fossem reais. Você gostaria se ser enxergado pelo seu interior? Ou, você gostaria de apagar alguém da sua vida, definitivamente?

E você? Qual filme gostaria que fosse real? Qual filme que traz uma ideia que se funcionasse na nossa vida, melhoraria a nossa existência? Deixem nos comentários as suas sugestões!!!
Comentários
14 Comentários

14 comentários:

  1. Oie. Eu gostaria que o filme sobre o cara que só queria mulher bonitas se tornasse real, já o outro nem tanto, porque embora as vezes pareça ser a melhor solução deletarmos as lembranças, mas elas fazem parte do que somos e daquilo que nos tornamos, então não acharia isso bom

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivi, eu já assisti aos dois filmes e achei sua postagem ótima, ainda mais com essas indicações. Ainda assim, se fosse permitido escolher um só, meu preferido seria O amor é cego, amo esse filme, sem contar que traz lições valiosas também.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ivi

    Eu adoro a mensagem que o filme O Amor é Cego passa. Realmente seria muito bom se nós fôssemos capazes de enxergar aquilo que a pessoa é por dentro, né? A gente ia evitar muitas desilusões por causa disso. Sempre que o filme passa na TV à cabo eu assisto.
    Eu nunca assisti Brilho Eterno...acho que mais por causa do Jim Carrey, não consigo levá-lo a serio, e como esse é um filme mais dramático acho que não conseguiria comprar o personagem dele, mas só vendo para ter certeza, né?
    Mas respondendo a sua pergunta...não, eu não apagaria nada nem ninguém da minha vida.
    Sou dessas pessoas que acham que tudo aquilo que acontece, mesmo as coisas ruins, têm um propósito. Ninguém pode ser 100% feliz e ter memórias 100% lindas. As decepções fazem parte da nossa vida e nos tornamos pessoas mais fortes com elas.

    Adorei a postagem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que postagem mais linda.
    Eu amo o filme O Amor é Cego e concordo com tudo o que você falou sobre ele. Já o Brilho Eterno eu ainda não conhecia e adorei saber sobre ele, lógico que me deu vontade de assistir. Obrigada por me apresentar esse filme.

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? O filme "O amor é cego" eu já assisti e adoro, é muito bom e divertido. O segundo filme eu ainda não conhecia, mas vou tentar assistir em breve, parece ser bom.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  6. Olá Ivi,
    Acho que o primeiro filme seria perfeito vermos na vida real, pois é muito difícil alguém ver a verdade que já dentro de cada um e esse filme mostra muito bem isso.
    Já o segundo não conheço, mas seria muito legal vermos ele na vida real pelo que você disse.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi
    Desses filmes que você falou só assisti O Amor é Cego. Concordo contigo, seria maravilhoso se as pessoas enxergassem a verdadeira beleza. Vivemos em um mundo onde as aparências são tudo e acho isso, tão, tão errado.
    Fiquei com vontade de assistir o outro filme, vou procurar na Netflix ehhehe
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Oie Ivi ^^
    Eu sempre gostei do filme "O amor é cego", infelizmente, a beleza é sempre o que chama mais a atenção, não é mesmo? Eu também gostaria que o filme se tornasse realidade, que as pessoas passassem a se importar mais com o caráter do que com a beleza :/ O outro filme eu ainda não conhecia *-*
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oie! Nunca assisti nenhum dos filmes, mas achei a proposta da publicação bem interessante e fiquei curiosa para conhecer a história de cada um deles. Sobre "O Amor é Cego", eu concordo plenamente com o comentário de que seríamos pessoas bem melhores se desejamos mais a beleza interior e, consequentemente, o mundo seria completamente diferente. Sobre o segundo filme, não acho que seria certo apagar completamente. Em minha opinião, são todas as coisas que já aconteceram que fazem de nós o que somos atualmente. As dores nos fizeram mais fortes. Cabe a nós aprendermos com isso e não chorarmos quando virmos amores e amizades erradas se acabarem.

    Beijos,
    Fernanda Goulart.

    ResponderExcluir
  10. Oie. Dia filmes citados só assisti o Amor é Cego e realmente é um filme muito bacana além de divertido nos faz refletir sobre o fato de que devemos amar mais do que a aparência.
    O outro filme eu não conheço mas vou procurar assistir.
    Bj

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Faz tempo que vi brilho eterno de uma mente sem lembranças, e nem lembro mais da história, preciso muito ver de novo porque sei que a história é linda.
    O amor é cego realmente é algo que deveria acontecer mais, principalmente porque no mundo hoje há muita gordofobia, e é triste ver mulheres tão talentosas e inteligentes serem descriminadas por seu peso

    ResponderExcluir
  12. Olá Ivi

    Achei fantastico esse post e bem reflexivo se pararmos para pensar. Acho que todos deveriam olhar para o interior das pessoas mas no mundo onde estamos raramente isso acontece e se acontece é só depois que o exterior chama atenção. Acho que eu iria preferir ser visto pelo meu interior, é quem eu sou de verdade.

    Everton equipe Rrillismo
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu gostei muito do seu post, ultimamente estou mais animada com filmes, então já viu kkk Bom, realmente seria ótimo se a gente conseguisse ver como o protagonista de O Amor é Cego, assim só nos aproximariamos de pessoas de bem, alem disso o ideal é olhar a beleza interior da pessoa, né?
    Agora "O brilho eterno de uma mente sem lembranças" é incrível, vi esses dias e fiquei apaixonada, seria ótimo se existisse uma clínica para apagar lembranças, eu também já iria ter apagado varias, embora não concorde kkkkk

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  14. Ola Ivi o primeiro filme eu assisti e abrange bem a questão de como você enxerga a pessoa, e como os padrões de moda e estética interferem demais. O segundo filme ainda não assisti mas adorei sua visão sobre ele. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir

 
♥ Meu Amor Pelos Livros ♥ - Todos os direitos reservados © 2014