5

Turnê Virtual DEMÔNIOS NÃO CHORAM (Samuel Cardeal)

Oi gente que ama livros, 
A quarta edição da Turnê Virtual está em desenvolvimento e o grupo de blogueiros do qual estou participando já está lendo Demônios Não Choram, do autor Samuel Cardeal.
Que tal aproveitar para conhecer um pouco desta obra pelas palavras do seu próprio criador? Assista ao vídeo!



Samuel Cardeal nasceu em Belo Horizonte em 1986. Demônios Não Choram é sua primeira publicação independente. Confira algumas perguntas que fizemos a ele:

Seu processo de criação envolve hábitos específicos? 
Sim. Quando escrevi Demônios Não Choram, não tinha um método organizado de escrita, mas já no segundo livro fixei alguns pontos a seguir para facilitar a escrita. Atualmente meu método envolve as seguintes etapas:

a. Esboço dos principais personagens, com características físicas, psicológicas, sociais e seu papel na trama.
b. A partir dos 12 passos da “Jornada do Herói” apontados por “Joseph Campbell” e simplificados por “Christopher Vogler”, tento definir pontos chaves que representem cada uma dessas etapas dentro da história.
c. Defino um número aproximado de capítulos e rascunho uma explanação breve do que vai acontecer em cada um deles, dois a três parágrafos por capítulo.
d. Traçado o mapa, parto para a escrita em si.
e. Após o término da primeira escrita, faço uma revisão no próprio computador em busca de erros e falhas no enredo.
f. Repito o procedimento anterior em uma cópia impressa, para então encaminhar para os meus leitores betas.
g. Depois de ter o retorno dos primeiros leitores, faço as alterações pertinentes aos apontamentos e sugestões e faço uma nova revisão no texto.

Há alguma produção na qual esteja trabalhando neste momento? Teremos futuras publicações de sua autoria?

No momento tenho dois livros prontos, que estão nas mãos de alguns betas, e devo começar a trabalhar em um novo projeto esse mês, e a ideia já está na cabeça fervilhando a quase escapulindo pelas orelhas.
Dos dois livros já escritos, o primeiro é um drama, envolvendo uma órfã muda e um viúvo amargurado. A sinopse já está disponível no skoob (aqui). O outro é uma história narrada em primeira pessoa e acompanha a trajetória de um psicopata serial killer, desde o seu nascimento.
O próximo projeto é uma ficção científica, envolvendo vidas passadas.

Da sua história de vida, há elementos que influenciaram na criação do seu livro?

Demônios Não Choram mistura muitos estilos de histórias, que vão da ficção científica até filmes de máfia. No entanto, os elementos são todos extraídos da ficção. E, apesar de dizerem que o protagonista sempre traz algo do autor, não identifico características minhas no Ezequiel.

Conte-nos uma curiosidade sobre você enquanto autor.

Acho que o mais curioso sobre a minha história, é que só me considerei realmente um leitor a partir dos 24 anos de idade. Normalmente quem escreve lê desde pequeno, mas minha trajetória costuma andar na contramão. Durante a escola, não tive incentivo à leitura e também não me interessava, li no máximo dois livros em todo esse período, e sempre preferi os filmes, pela facilidade e rapidez em consumi-los.
Eu tinha dificuldade de me concentrar na leitura e imaginar os cenários a partir das descrições, nisso os filmes sempre foram mais fáceis, e talvez tenham me deixado preguiçoso. Somente por volta dos 25, dei uma chance aos livros, e os e-books foram fundamentais, pois passei a sempre ter um livro no celular e ler nos intervalos livres: horário de almoço, fila no banco, etc.
Hoje criei o hábito de ler e escrever todos os dias, e espero que possa recuperar o tempo perdido dos livros não lidos e das histórias não contadas.
Ficou curioso? Aproveite para ler um trecho do primeiro capítulo de Demônios Não Choram!
        QUATORZE HORAS E TRINTA E SETE MINUTOS, dois de novembro de 2184. A Chispa foi ligada e iluminou discretamente o apartamento através da janela, a luz fraca era incapaz de fazer Ezequiel despertar do sono profundo, induzido a litros de destilado na noite anterior, porém foi suficiente para que as moscas rondassem persistentes ao seu ouvido, convencendo-o de que era hora de se levantar. Na penumbra, sentou-se ao sofá e analisou o cenário: ratos caminhavam sobre o assoalho, algumas garrafas vazias espalhadas pelo chão, guimbas ao redor de um cinzeiro vazio, um pequeno e contido caos. Observou mais um pouco e então encontrou o que procurava: a garrafa que ainda não fora completamente sorvida.
        Levantou-se e apanhou a garrafa, seguindo até a bancada junto à pia onde havia um enorme copo de vidro. Despejou o que sobrara do destilado, sem se preocupar se o copo estava limpo ou não, e em seguida pegou seis ovos em um recipiente abaixo da bancada, quebrando um a um e juntando o conteúdo ao destilado, formando uma mistura de aparência nada atraente. Num gole só, derramou todo o líquido do copo garganta abaixo. Ezequiel afirmava que uma refeição nutritiva era mais importante que qualquer prazer que por ventura um café da manhã pudesse trazer, não que houvesse muitas opções em sua dispensa, mas pensar assim o fazia sentir-se no controle das coisas.
        A vontade de Ezequiel era de tomar um belo banho quente para curar sua ressaca, porém em tempos de escassez total de água, não podia se dar a tal luxo. O mais próximo de um banho que conseguiria, seria uma precária limpeza com uma dry water, um tipo de esponja artificialmente umidificada. Quando o Atlântico foi drenado pelos russos, o governo norte-americano distribuiu essas esponjas para os países da America do Sul, assim poderiam desviar toda a fonte de água dessas regiões.
        Após o "banho", Ezequiel se vestiu, acomodando os acessórios que sempre carregava consigo. Seu sobretudo cinza era provido de uma série de compartimentos especiais na parte de dentro, onde se acomodavam confortavelmente três pistolas automáticas, uma do lado direito e outras duas do lado esquerdo, duas facas de tamanho médio em cada lado, alguns frascos com substâncias especiais, e um livro velho e desgastado com uma capa de couro cru. Na parte externa do sobretudo, ele prendeu uma espada na vertical. Apanhou uma gaiola coberta por um tecido escuro e deixou o apartamento, ganhando a cidade.
        Nas ruas, o silêncio era aterrorizante, não havia ninguém em parte alguma. Como tantas outras naquele tempo, Belo Horizonte era uma verdadeira "cidade fantasma". A maior parte das pessoas que viviam na cidade foi morta ou sequelada pela última explosão nuclear, as que escaparam, fugiram para o deserto ou para o subterrâneo. E era sob a cidade que se encontrava o destino de Ezequiel. Após alguns minutos de caminhada ele entrou em um beco escuro e desceu por uma boca de lobo até o velho esgoto da cidade. Os esgotos abrigavam cidades dentro das cidades fantasmas, era lá onde se podia encontrar todo tipo de artigo, e como o dinheiro há tempos perdera seu valor, tudo funcionava por meio do escambo.
        No mundo subterrâneo Ezequiel era uma figura conhecida, e apesar de não ser do tipo amigável, a maioria dos "comerciantes" o cumprimentava, ele respondia com não mais que um aceno discreto com a cabeça. Cada indivíduo naquele local tinha um produto diferente, alguns ofereciam carne de roedores, outros roupas, temperos, medicamentos, drogas, armas. Qualquer coisa que pudesse interessar a qualquer um era moeda de troca. Mas Ezequiel tinha destino certo e sabia exatamente o que viera buscar. Seguiu caminhando até alcançar uma tenda grande de lona preta. Entrando lá, não encontrou ninguém, bateu com força sobre um maltratado balcão de madeira e após alguns segundos surgiu um homem. Era um sujeito enorme, negro, aparentava ter uns 45 anos e tinha por volta de 2,30 metros de altura. O corpo largo era forte como o de um gorila. O homem descansou as mãos sobre o balcão e fulminou Ezequiel com um olhar pervertido. 


*Continue sua leitura aqui

Nas respostas do autor Samuel Cardeal, notamos que já podemos esperar novas publicações! Acompanhe as novidades do seu trabalho por meio das redes sociais:

Para participar do sorteio e concorrer a um livro do Samuel, clique aqui: aqui.

Para concluir este post especial, assista ao Book Trailer de Demônios Não Choram:


Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Oi Ivi!! Já conhecia este livro, mas adorei poder ver este vídeo e ver o autor nos falando mais sobre o livro !!Mais um livro que esta na minha lista de desejados =)

    ResponderExcluir
  2. Adorei saber o processo d criação do autor. Achei muito interessante e ele é muito disciplinado para cumpri-lo, acho q eu não conseguiria rs espero ler o livro. Sucesso ao autor!

    ResponderExcluir
  3. Bem legal ver o autor falando de sua obra. Pelo visto virão outros livros. O trecho do livro mostra que é uma leitura fácil e bem escrito. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Adorei a turnê virtual! Conheci este livro a algum tempo e fiquei com muita vontade de ler, já o adicionei na minha lista de livros que quero comprar este ano! Gostei muito de ler sobre o autor desta obra e saber um pouco sobre a criação do livro, muito interessante!
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Gostei dos métodos utilizados para escrita. Bem legal o bate papo com ele :)

    ResponderExcluir

 
♥ Meu Amor Pelos Livros ♥ - Todos os direitos reservados © 2014